Topo

Carros hackeados: veja as novas ferramentas usadas por ladrões de veículos

Aparelho conhecido como 'capetinha' é um dos dispositivos que hoje compõem o kit utlizado pelos ladrões de carros Imagem: Rodrigo Boutti/Arquivo pessoal

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

20/05/2022 04h00Atualizada em 20/05/2022 09h39

Os carros estão cada vez mais conectados e parecidos com smartphones, tamanha é a quantidade de componentes eletrônicos necessários para fazê-los funcionar. Enquanto a tecnologia agrega conforto aos ocupantes e novas funcionalidades aos veículos, ela também pode trabalhar a serviço do crime: bandidos têm recorrido a equipamentos digitais para "enganar" a eletrônica e explorar vulnerabilidades com o objetivo de furtar veículos.

Se antigamente o kit de ferramentas dos ladrões era composto apenas por itens analógicos, como chave de fenda, alicate e até arame, hoje ele agrega aparelhos adquiridos prontos ou montados com peças facilmente encontradas na internet, a preços relativamente baixos e de maneira legal.

  • O UOL Carros agora está no TikTok! Acompanhe vídeos divertidos, lançamentos e curiosidades sobre o universo automotivo.

Esses novos dispositivos e métodos podem ser utilizados individualmente ou combinados para invadir um veículo e levá-lo em poucos segundos, Além disso, são constantemente atualizados para acompanhar e burlar a evolução dos recursos de segurança implementados pelas montadoras.

Confira cinco exemplos de técnicas e estratégias adotadas atualmente pelos "amigos do carro alheio".

Clonagem da chave presencial

Dispositivo maior 'rouba' código da chave presencial e o retransmite ao menor, que destrava portas e dá partida Imagem: Reprodução

Os sistemas keyless, que permitem abrir as portas e dar a partida no motor com a chave no bolso, tornaram-se o mais novo alvo de criminosos.

Os bandidos agem sempre em dupla: o primeiro carrega na mochila um dispositivo equipado com antenas que capta o código da chave presencial e o transmite para outro aparelho, mais compacto, que pode ser um smartphone com software específico. Com esse equipamento, o segundo bandido, posicionado ao lado do automóvel, consegue destravar as portas, entrar na cabine e escapar com o carro.

"Estou certo de que esse é apenas o início de algo que vai se tornar muito maior no Brasil. A quantidade de veículos vulneráveis a essa técnica já é grande no País e irá crescer. Hoje é mais fácil furtar um carro keyless do que um convencional e isso fomenta esse tipo de ação criminosa", destaca Ricardo Tavares, especialista em segurança cibernética.

As chaves presenciais utilizam um sinal de rádio emitido por meio de pulsos, comunicando-se o tempo inteiro com sensores instalados no veículo.

Esse sinal contém um código de segurança que deve ser reconhecido pelo automóvel para liberar a abertura das portas e a partida do motor.

Segundo Tavares, a tecnologia de chave presencial essencialmente é a mesma, independentemente da montadora, contudo algumas marcas acrescentam "camadas" adicionais de segurança e criptografia.

"Se um veículo for recuperado após essa modalidade de furto, recomendo solicitar em uma concessionária a recodificação da respectiva chave".

Existe uma solução relativamente simples e barata para se prevenir de ataques do tipo. É possível comprar na internet uma espécie de estojo no qual você coloca a chave do veículo dentro. Ele bloqueia o sinal de rádio emitido pela chave, impedindo que hackers 'roubem' o código

Outra solução, ainda mais acessível, é embrulhar a chave com papel alumínio, destaca Ricardo Tavares.

Vacina contra rastreador

Jammer equiipado com 12 antenas é capaz de bloquear sinais de GPS, Wi-Fi, Bluetooth, 4G, GSM e outros Imagem: Rodrigo Boutti/Arquivo pessoal

Concebido para auxiliar na recuperação de automóveis e utilitários furtados, o rastreador hoje vem de fábrica em muitos modelos e é exigido por seguradoras para a contratação da apólice de alguns tipos de veículos, como caminhões e picapes a diesel.

Os criminosos sabem disso e recorrem a um equipamento conhecido como jammer ou "capetinha", que "embaralha" o sinal de rádio emitido pelo rastreador, impedindo ou dificultando a localização do bem furtado.

Basicamente, trata-se da mesma tecnologia utilizada para bloquear o sinal de celulares em presídios.

Existem variações do jammer para interferir em variadas frequências e neutralizar diferentes tipos de localizador, informa Rodrigo Boutti, gerente de operações da Ituran - empresa especializada em rastreamento veicular.

"Já vimos jammer com 16 antenas e cada antena interfere em uma frequência específica. Existem equipamentos com alcance de até 100 metros em áreas abertas, muito utilizados em desmanches de veículos para abastecer o mercado ilegal de peças", destaca Boutti.

'Vassourinha'

Vassourinha detecta rastreador e é vendida livremente na internet como dispositivo contra espionagem Imagem: Reprodução

Rodrigo Boutti esclarece que dificilmente o responsável pelo furto também realiza o posterior desmanche.

Conforme o especialista, o ladrão costuma receber a encomenda de um determinado veículo antes de furtá-lo.

Boutti pontua que, além do jammer, cuja eficácia não é garantida, bandidos recorrem a um equipamento conhecido como "vassourinha", na tentativa de detectar o sinal do rastreador e até sua localização no carro.

"As organizações criminosas têm integrantes conhecidos como 'desliga', que utilizam a 'vassourinha' para encontrar e remover ou neutralizar o rastreador após o furto".

O aparelho é ofertado em sites de comércio eletrônico, inclusive com essa denominação, como dispositivos contra escutas e câmeras de espionagem, que também fazem uso de ondas de rádio.

Transplante de cérebro

ECU modificada traz botões para injetar combustível e liberar o motor de arranque e o sistema de ignição Imagem: Rodrigo Boutti/Arquivo pessoal

Todo automóvel moderno vem equipado com uma ECU, a central de gerenciamento eletrônico que é considerada o 'cérebro' do motor e comanda desde a respectiva ignição até a injeção de combustível.

Após ganharem acesso ao interior do veículo, muitos criminosos substituem a ECU original, que via de regra fica embaixo do capô, por outra, hackeada.

O módulo modificado é idêntico ao original, mas costuma trazer botões físicos para injetar combustível e liberar o acionamento do motor de arranque e do sistema de ignição antes do furto ser consumado.

"Com a ECU hackeada, o criminoso consegue dar a partida no veículo sem a chave, bastando arrombar e girar o respectivo miolo, geralmente posicionado junto à coluna de direção", diz Boutti.

Rodrigo explica que os botões são necessários por se tratar de uma ECU "zerada", que ainda não identificou o combustível com o qual o veículo foi abastecido para fazer a necessária calibragem do sistema de injeção.

'Chapolin'

Dispositivo conhecido como 'chapolin' impede o travamento das portas sem o usuário do carro perceber Imagem: Divulgação/Polícia Civil do Amazonas

Criminosos também usam um dispositivo conhecido como "chapolin", semelhante ao controle remoto de portões, ou até mesmo o próprio controle, para impedir o travamento das portas do veículo.

O bandido fica escondido no estacionamento, esperando a vítima apertar o botão na chave, com a expectativa de trancar o carro. Nesse momento, o ladrão aciona o dispositivo.

Quando os dois sinais são emitidos ao mesmo tempo, a informação de travamento das portas não chega ao seu destino.

Com as portas destravadas, o ladrão abre o veículo com tranquilidade e leva os objetos de valor em segundos. Por isso, a dica é sempre checar se o carro está realmente fechado.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Carros hackeados: veja as novas ferramentas usadas por ladrões de veículos - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL


Meu carro