Topo

Gasolina sem petróleo vira esperança para combater preços nas alturas

Fábrica comercial de gasolina sem petróleo da Porsche, no Chile

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo

18/05/2022 08h00

Esta é a versão online para a edição desta quarta-feira (18/05) da newsletter Carros do Futuro. Para assinar esse e outros boletins e recebê-los diretamente no seu e-mail, cadastre-se aqui.

A invasão da Ucrânia pela Rússia causou uma disparada na cotação internacional do petróleo, refletida nos preços da gasolina e do diesel nos postos de combustível ao redor do mundo. Também pudera: o país governado por Vladimir Putin é responsável, ao lado dos Estados Unidos e da Arábia Saudita, pela extração de 40% do produto em todo o mundo.

Por outro lado, União Europeia, Reino Unido e EUA iniciaram um boicote ao óleo russo devido ao conflito — deixando clara a necessidade de massificar a oferta de novas fontes de energia para o transporte.

Os carros elétricos são substitutos naturais para veículos movidos por derivados do petróleo, mas não são a única alternativa. Cientistas trabalham no desenvolvimento de uma gasolina sustentável e ecológica, chamada de e-fuel ou, simplesmente, gasolina sintética.

Uma das vantagens é que ela dará uma sobrevida aos veículos a combustão, sem gastar uma gota de petróleo: sua produção utiliza como matéria-prima hidrogênio e o dióxido de carbono disponível na atmosfera.

Empresas alemãs como Audi, Bosch e Porsche, além do governo alemão, têm investido nessa tecnologia. A Porsche, inclusive, em uma união com a Siemens Energy, construiu sua primeira fábrica para a produção do combustível quase neutro em carbono. A estrutura está localizada em Punta Arenas, Chile.

O local deverá produzir cerca de 130 mil litros de eFuel em 2022. A capacidade será expandida em duas etapas para cerca de 55 milhões de litros até 2024 e aproximadamente 550 milhões de litros até 2026. Para a produção local, as licenças ambientais necessárias foram obtidas pela empresa chilena de projetos Highly Innovative Fuels.

Fórmula 1 deve adotar e-fuel

Ao mesmo tempo, a Fórmula 1 avalia a adoção do efuel a partir de 2025, quando deverá entrar o novo regulamento de motores, mantendo a propulsão híbrida já adotada, porém com o novo combustível e mais eletrificação. Esse seria o caminho para a mais importante categoria do automobilismo mundial não migrar, ao menos por ora, para motores totalmente elétricos.

Fórmula 1 busca combustíveis mais limpos e gasolina sintética está nos planos da categoria Imagem: Divulgação

A expectativa é de que a novidade, quando chegar aos consumidores, garanta a sobrevida dos motores a combustão interna, seja de forma "pura" ou com algum nível auxílio elétrico. Hoje, tudo indica que propulsores convencionais estão com os dias contados por conta dos limites cada vez exigentes dos governos em relação às emissões de poluentes.

A gasolina sem petróleo também contribuiria para combater o efeito estufa, que tem o dióxido de carbono entre seus principais vilões, e, de quebra, encerraria a dependência de um recurso natural que inevitavelmente irá acabar e tende a ficar cada vez mais caro.

De acordo com Everton Lopes, mentor de tecnologia e inovação em energia a combustão da SAE Brasil, os combustíveis sintéticos têm a vantagem, como o etanol, de neutralizar na respectiva produção o carbono resultante de sua queima, além de aproveitar a infraestrutura atual de abastecimento.

Podem ser extraídos na forma de gasolina ou diesel e, portanto, não exigem alterações nos motores que utilizam a versão fóssil desses combustíveis.

Custo de produção ainda é muito alto

A perspectiva de benefícios econômicos e ambientais proporcionados pela gasolina sintética é alentadora, porém sua produção ainda é cara ante a gasolina tradicional, destaca o engenheiro.

O desafio, afirma, é reduzir o custo da extração do hidrogênio necessário para fazer a gasolina sintética, a partir de um processo conhecido como hidrólise.

"É a grande a quantidade de eletricidade utilizada para separar o hidrogênio presente na água. Essa energia deve, preferencialmente, ser de origem limpa, como solar, eólica ou de hidrelétricas", pontua Lopes.

"O combustível sintético já era usado pela Alemanha na época da Segunda Guerra Mundial e, desde então, as pesquisas têm evoluído. Porém, o petróleo ainda é muito mais fácil e barato de ser obtido e refinado", conclui.

Audi é uma das montadoras que já produzem gasolina sem petróleo, ainda de forma experimental Imagem: Divulgação

O hidrogênio é a grande aposta de países como a Alemanha para renovar sua matriz energética.

Além de servir para sintetizar combustível líquido, o gás também é visto como opção às caras e pesadas baterias de veículos a propulsão elétrica. Por meio das chamadas células de combustível, incorporadas a automóveis, o hidrogênio gera eletricidade para impulsionar as rodas.

Modelos como o Toyota Mirai já trazem essa tecnologia e são abastecidos com hidrogênio.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

UOL Carros recomenda

Gasolina chega a R$ 10, mas etanol é vantajoso em apenas 2 estados. Leia mais

Erro de principiante: como hábitos fazem câmbio CVT gastar mais combustível. Leia mais

Bombou nas redes

Fiat 0 km com 35 anos vale fortuna? Qual é preço de carro nunca emplacado. Leia mais

Gusttavo Lima e carrão: quanto bebe a Mercedes que quase ficou sem gasolina. Leia mais

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Gasolina sem petróleo vira esperança para combater preços nas alturas - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL


Carros do Futuro