PUBLICIDADE
Topo

Quem é Wesley Alemão, influencer que teve carros de R$ 6,5 mi apreendidos

Wesley Alemão foi alvo de uma ação policial ontem e deve responder em liberdade - Reprodução/Facebook
Wesley Alemão foi alvo de uma ação policial ontem e deve responder em liberdade Imagem: Reprodução/Facebook

Do UOL, em São Paulo

05/05/2022 14h16Atualizada em 05/05/2022 15h19

O influenciador digital Wesley Alemão, 33, foi alvo de uma ação da polícia ontem, durante uma apreensão de carros de luxo que seriam rifados pelas redes sociais. Entre os veículos, estavam modelos Lamborghini, Audi, Porsche e Jaguar, avaliados em R$ 6,5 milhões. De acordo com a Polícia Civil, Alemão deve responder em liberdade pelo crime de lavagem de dinheiro e pode responder por organização criminosa. Wesley nega ter cometido crimes (leia abaixo).

Wesley conta com mais de 3 milhões de seguidores no Instagram. Ele se descreve como "o líder" e que está "contrariando as estatísticas". Crescido na periferia de São Paulo e pai de um menino, Wesley começou a ganhar dinheiro pela internet - e é pelas redes sociais que ele ostenta os próprios lucros, como carros de luxo, roupas de grifes e viagens.

Ele é amigo de artistas como o rapper Djonga e também conhecia MC Kevin, que morreu em maio do ano passado. Recentemente, o influenciador fez uma homenagem ao amigo. "Fenômenos só nascem a cada mil anos. Você era diferenciado, meu truta. Pena que não tivemos muito tempo. Saudades", escreveu ele na legenda de um vídeo em que aparece ao lado do cantor.

Wesley também compartilha com os seguidores ações sociais que realiza no bairro onde morou na infância. "Não abandono nunca. Nascido e criado nessa favela. Essa semana tem mais cesta básica pro povo. Absorvente para as mulheres e leite para as crianças", escreveu ele em uma das publicações, sem mencionar o local em questão.

Atualmente, ele é responsável pela construção de um prédio na zona leste de São Paulo. Chamado "W.A. Residencial Líder", o edifício terá unidades de 45 m². "Minha mãe falava: 'vai estudar menino'. Mas eu não queria ser engenheiro, eu queria ser o dono do prédio. Então fui estudar a escola da vida. Resultado: me formei. E hoje os engenheiros trabalham para mim", escreveu ele sobre o projeto.

Segundo a TV Bandeirantes, a suspeita em relação a Wesley se deu porque o influenciador ainda não foi capaz de comprovar a legalidade da proveniência dos carros. As rifas cobradas eram de R$ 2, mas o total acumulado poderia passar dos R$ 10 milhões.

Wesley Alemão, 33, fazia uma transmissão ao vivo quando foi detido por agentes e conduzido à delegacia.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, a apreensão fez parte da Operação Cardano, conduzida pela 3ª Delegacia de Investigações sobre Fraudes Financeiras e Econômicas. Segundo o órgão, a iniciativa tem "o objetivo de investigar organizações criminosas que atuam na exploração de jogo de azar e lavagem de dinheiro".

Wesley se pronuncia

Procurado pelo UOL, Weslley Alemão disse não ter ligação com os carros que supostamente seriam rifados e que não tem propriedade dos veículos. "Nenhum daqueles carros eram meus. Nenhum. Todos aqueles carros foram apreendidos, mas eram de outro investigado, de outra investigação. O único carro que foi pego comigo, na minha casa, foi um HB20, meu, está no nome da minha empresa, eu saí andando nele de lá".

Sobre as rifas mencionadas na investigação policial, ele não entra em detalhes, mas diz que houve equívocos. "A mídia vinculou os carros comigo, não sei por qual motivo, não sei se porque já tive carro esportivo também, não entendi."

Antes disso, na manhã de hoje, Wesley publicou uma série de vídeos se pronunciando sobre a polêmica. O primeiro tema tratado foi a questão da transmissão ao vivo.

Por que eu iniciei essa live? Porque eu não confio na polícia. Para a minha segurança e para a segurança da minha família, eu iniciei essa live, mesmo sabendo que ele ia mandar desligar o telefone, mas para ficar registrado a cara de quem tava vindo na minha casa. Assim que desligou a live, deu inicio a uma discussão entre mim e um dos policiais.

Na sequência, Wesley disse que um dos motivos da discussão foi o horário que os policiais bateram na porta dele. "Não gosto de acordar cedo", afirmou ele, que também descreveu que ainda estava bêbado no momento da chegada das autoridades. "Outro motivo era o meu filho. Eu não queria que o meu filho tivesse visto essa cena. Vocês [policiais] vieram de fuzil na minha casa", disse.

Wesley também defendeu que não é criminoso e que não pretende fugir da polícia. "Tem várias coisas no relatório que não condizem com a minha vida. Não sou associado com ninguém, não lavo dinheiro. Sou eu sozinho. É meu corre que Deus me abençoou na internet."

Ele ainda relatou que o patrimônio que tem atualmente não está relacionado com as rifas e sorteios que realiza na internet. "Eu fiz quatro, cinco rifas porque tava todo mundo fazendo. Já começou a dar problema, eu parei."

Eu não estou entendendo. Eu dou um bagulho de graça para os outros, eu pago imposto, vocês querem que eu faça mais o quê? Os órgãos competentes não conseguem legalizar o bagulho a tempo que eu preciso legalizar. Vocês falam de lavagem de dinheiro, mas ele não vem do tráfico, não vem do assalto, não vem de nada de errado. Todo o meu dinheiro vem da internet e não é de rifa.

O influenciador criticou a atitude dos policiais e o andamento das investigações, além de defender que estava sendo perseguido pelas autoridades. "Se colocar o meu dinheiro e o dinheiro de qualquer policial do Deic [Departamento Estadual de Investigações Criminais], o meu é mais lícito que qualquer um de vocês aí", afirmou. "Estou sendo perseguido tem uns dias. Não é só o Deic, são várias delegacias. Eu me pego pensando: o que eu estou fazendo de errado? Ou será que vocês estão de olho no meu dinheiro? Ele não é dinheiro errado, não vou dar dinheiro para ninguém."

Apesar da apreensão, Wesley conseguiu recuperar um carro HB20, que ele diz ser o único utilizado pela família. "Deixei meu telefone lá, desbloqueado. Quem não deve não teme. Só peço para que façam um trabalho justo e certo. Não quero pagar por algo que não fiz. Não quero que tenha injustiça, covardia ou investigação errada, burrice, algo do tipo. Eu quero criar minha família."

O influenciador ainda finalizou defendendo que não tem "tesão" para comprar mais carros de luxo, que só mantém um veículo na garagem e que pretende paralisar os sorteios e rifas em breve, após finalizar dois - um de carro e moto e outro de iPhone - que já estão agendados. "Depois eu vou dar uma parada, vou pesquisar mais, estudar, para legalizar as coisas e ficar o máximo certo que eu conseguir", afirmou.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado inicialmente, o influenciador não foi preso, apenas os carros foram apreendidos. O conteúdo foi corrigido.