PUBLICIDADE
Topo

Caoa Chery para produção e demite funcionários em fábrica no interior de SP

Divulgação
Imagem: Divulgação

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

05/05/2022 12h38

A Caoa Chery paralisou a produção de veículos em Jacareí, no interior de São Paulo, onde produzia os modelos Tiggo 3x e Arrizo 6 Pro. Em comunicado, a marca afirma que a decisão visa remodelar a linha de produção para a fabricação de veículos elétricos, atualizando sua gama de produtos. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, a empresa demitirá os funcionários envolvidos com as atividades de manufatura no local.

Com decisão, a montadora passa a produzir, ao menos momentaneamente, veículos apenas na fábrica de Anápolis (GO), onde são feitos os SUVs Tiggo 5x, Tiggo 7 Pro e Tiggo 8. Inaugurada em 2001, a unidade também é responsável pela fabricação de alguns modelos da Hyundai.

  • O UOL Carros agora está no TikTok! Acompanhe vídeos divertidos, lançamentos e curiosidades sobre o universo automotivo.

"A pausa nos processos industriais de Jacareí será compensada pela intensificação da produção da planta industrial em Anápolis que está sendo preparada para novos lançamentos já no segundo semestre de 2022. Com isso, a Caoa Chery mantém sua meta de comercializar 60 mil unidades no mercado nacional em 2022", disse a empresa.

A fábrica de Jacareí foi a primeira da Chery fora da China. Em 2017, a Caoa assumiu 50% da unidade, quando a empresa brasileira passou a controlar todas as operações de produção e marketing, dando origem à Caoa Chery. De acordo com o site da montadora, a planta tem capacidade para produzir até 150 mil carros por ano.

A produção em Jacareí foi interrompida em março deste ano. Na ocasião, a montadora afirmou a paralisação nas atividades devido à falta de componentes eletrônicos que tem comprometido a indústria automotiva nos últimos anos.

    "Acabamos de terminar uma reunião com a empresa, que não pretende mais fabricar veículos na fábrica de Jacareí. Com isso vai demitir todos os trabalhadores do setor produtivo e mais de 50% dos funcionários do administrativo", disse Weller Gonçalves, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região.

    Segundo Gonçalves, em reunião com representantes da montadora, o sindicato foi avisado que a fábrica ficará fechada durante três anos, sem produzir veículos. O retorno das atividades ocorreria apenas em 2025.

    "Nosso sindicato chama a empresa para abrir processo de negociação. Não podemos mais aceitar que empresas venham para a região, recebam uma série de isenções fiscais para depois anunciar o fechamento e os políticos não fazerem nada", afirmou Gonçalves. O sindicato marcou assembleia para amanhã, às 10h, para discutir a situação dos trabalhadores.

    A Caoa ressalta que o fechamento da fábrica será temporário. A marca afirma que a unidade fabril passará por mudanças para adequação dos processos produtivos que permitirão a introdução de novos produtos concebidos a partir de plataformas de última geração, equipados com propulsores híbridos ou 100% elétricos e seguindo com o objetivo de eletrificar toda sua gama até 2023.

    Em relação aos funcionários da fábrica de Jacareí, a Caoa Chery afirma estar em negociação com representantes do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e região para a definição de um pacote de indenização.

    "A Caoa Chery reforça que seguirá prestando atendimento integral aos clientes dos modelos fabricados em Jacareí, mantendo total assistência técnica, garantias, peças e serviços em suas mais de 140 concessionárias localizadas em todas as regiões do País", trouxe o comunicado.

    Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

    Errata: o texto foi atualizado
    Diferentemente do que foi informado, a Caoa Chery não fechará a fábrica em Jacareí. A produção foi interrompida para a adequação do processo produtivo para a fabricação de veículos híbridos e elétricos até 2023. A informação foi corrigida.