PUBLICIDADE
Topo

Lata Velha: o que mudou no programa após processos na Justiça e reclamações

O último veículo reformado pelo quadro foi uma Kombi, em outubro de 2021. Apesar dos adesivos, originalidade foi mantida  - Divulgação
O último veículo reformado pelo quadro foi uma Kombi, em outubro de 2021. Apesar dos adesivos, originalidade foi mantida Imagem: Divulgação

Paula Gama

Colaboração para o UOL

19/01/2022 04h00

Em 17 anos de existência, o Lata Velha, antigo quadro do Caldeirão do Huck e agora transferido para o Domingão, coleciona 118 restaurações, boas histórias e muitas polêmicas. Reformas de gosto duvidoso, participantes insatisfeitos, veículos abandonados, carro trocado e moto que só funcionou por 15 dias são algumas delas, relatadas pelo UOL Carros.

Para evitar os problemas citados, o quadro mudou completamente nos últimos anos. Atuais responsáveis pelo quadro passaram a focar apenas na reforma do veículo, sem trazer mudanças ou customizações chamativas que faziam a alegria dos memes nas redes sociais.

  • O UOL Carros agora está no TikTok! Acompanhe vídeos divertidos, lançamentos e curiosidades sobre o universo automotivo.

"Somos uma oficina de restauração. A gente preza pelo carro mais próximo do original possível", afirma Darlan Rodrigues, proprietário do Galpão 34, oficina responsável pelo projeto ao lado da Rusty Barn.

O último projeto do Lata Velha foi apresentado em outubro de 2021, uma Kombi personalizada com o tema "Vidas Secas", livro de Graciliano Ramos. Apesar dos adesivos, Darlan afirma que essa não é a proposta atual do quadro.

"A Kombi do sertão já veio com aquela proposta, já tinha adesivos e era um carro temático, reformamos e mudamos a cor. Mas, em geral, percebemos os participantes muito satisfeitos com essa nossa linha", diz Darlan.

Resgatando as histórias e transformações mais polêmicas, fica claro que a maioria delas aconteceu nos primeiros anos do quadro. Foi nesse período que surgiram "clássicos" como o Fiat 147 de seis rodas e o "pedreiromóvel", um Volkswagen Logus completamente estampado de tijolos.

Fiat 147 com seis rodas modificado no programa Lata Velha - Foto: reprodução | Internet - Foto: reprodução | Internet
Fiat 147 com seis rodas modificado no programa Lata Velha
Imagem: Foto: reprodução | Internet

Nessa primeira fase do programa, em 2005, aconteceu um dos casos mais polêmicos: a reforma de um Opala que foi transformado em uma picape.

O proprietário do veículo chegou a processar a emissora por ter entregado um Chevrolet Caravan fraudado no lugar de seu Opala SS 1979. A reforma, na época, foi feita pela oficina Nittro Hot Rods, que fechou as portas após o imbróglio.

"Pedreiromóvel" é um dos carros mais emblemáticos do Lata Velha - Reprodução - Reprodução
"Pedreiromóvel" é um dos carros mais emblemáticos do Lata Velha
Imagem: Reprodução

Logo após a saída da Nittro Hot Rods, quem assumiu o quadro foi a oficina Dimension Customs, que promoveu algumas mudanças no quadro. Para evitar novos problemas, a regra de captação de automóveis mudou.

"Além de ter uma boa história, nós buscávamos carros mais fáceis de atender, que tinham peças no mercado. Porque, independente do modelo, o orçamento e o prazo para a reforma eram os mesmos. Nós queríamos fazer o melhor com que tínhamos", lembram Emerson Calvo, Daniel Barbosa e Juliano Barbosa, sócios da oficina.

Carros produzidos pela Dimension Customs eram mais discretos - Divulgação - Divulgação
Carros produzidos pela Dimension Customs eram mais discretos
Imagem: Divulgação

Ainda assim, o trio explica que a produção do programa cobrava por "show-cars". "Nós éramos muito pressionados para fazer um carro com glamour para televisão, eles não se importavam se o carro andava ou freava. Sempre deixamos claro que, para a oficina, o quadro não é bom. Por isso nenhuma fica por muito tempo", diz Daniel Barbosa.

Quando o ex-piloto de Fórmula 1 Tarso Marques assumiu o quadro, com sua oficina TMC Concept, o quadro terminou de ser reformulado. Ficou no passado o estilo "alegórico" e passou a ser seguido o caminho do tunning, ou seja, da personalização.

"Já tinha sido convidado para o quadro outras duas vezes, mas não aceitei porque era uma linha totalmente diferente da que eu trabalho. Eu faço carro com cara de carro, não carro alegórico. E essa foi a condição para que eu participasse", conta Marques.

Tarso Marques afirma que mudar o perfil do quadro foi um pré-requisito para sua participação - Divulgação - Divulgação
Tarso Marques afirma que mudar o perfil do quadro foi um pré-requisito para sua participação
Imagem: Divulgação

Com a saída da TMC, quem assumiu as reformas foi a Rusty Burn em parceria com a oficina Galpão 34. O caminho da discrição permaneceu.

"Entendemos que os donos dos carros realmente usam esses veículos, não é algo para exposição ou museu. O carro não está arrumado porque eles não têm condição, mas é isso que gostariam", concluiu Darlan.

A reportagem procurou a TV Globo para falar sobre as mudanças sofridas pelo Lata Velha ao longo dos anos, mas não recebeu resposta até a publicação da reportagem.

Atual oficina é especializada em restauração, ou seja, mantém as características originais do carro - Divulgação - Divulgação
Atual oficina é especializada em restauração, ou seja, mantém as características originais do carro
Imagem: Divulgação

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.