PUBLICIDADE
Topo

Baixa km e único dono? Por que carros pouco rodados podem ser uma roubada

Veículos mais rodados, porém bem cuidados, podem estar em melhores condições do que automóveis com baixa quilometragem - Divulgação
Veículos mais rodados, porém bem cuidados, podem estar em melhores condições do que automóveis com baixa quilometragem Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo (SP)

16/01/2022 04h00

Quem busca um automóvel usado ou seminovo costuma valorizar atributos como baixa quilometragem e histórico com apenas um proprietário.

Especialmente a pouca rodagem, via de regra, valoriza o carro no mercado - tanto que vendedores mal-intencionados adulteram o hodômetro, com o objetivo de faturar mais dinheiro ao fechar negócio.

  • O UOL Carros agora está no TikTok! Acompanhe vídeos divertidos, lançamentos e curiosidades sobre o universo automotivo.

Ainda que a marcação exibida no painel seja verdadeira, vale destacar que veículos pouco rodados não são garantia de uma compra tranquila - especialmente se já tiverem alguns anos de fabricação.

Tudo depende do tratamento que o carro recebeu até então. Portanto, antes de efetivar a compra, confira se o plano de manutenções recomendado no manual do proprietário foi obedecido - fluidos e itens de desgaste natural têm troca programada não apenas de acordo com a distância percorrida, mas também seguindo um prazo: vale o que vencer primeiro.

As dicas abaixo foram elaboradas com o auxílio de Erwin Franieck, mentor em engenharia avançada da SAE Brasil.

1 - Evite carros que rodam sempre com motor frio

Fiat Strada 2021 motor 1.3 Firefly - Divulgação - Divulgação
Motor precisa atingir temperatura de funcionamento ideal para receber lubrificação adequada
Imagem: Divulgação

Se você está considerando comprar um carro diretamente do proprietário, vale a pena perguntar a ele como utiliza ou utilizou o automóvel.

Caso o vendedor diga que mora perto do trabalho e usa o carro para percorrer poucos quilômetros por dia, ligue o sinal de alerta - recomenda Franieck.

O engenheiro pontua que o motor precisa atingir determinada temperatura para o calor expandir os componentes internos e, assim, proporcionar condições ideais de funcionamento e lubrificação.

Usar o carro continuamente em deslocamentos muito curtos, insuficientes para se atingir a temperatura correta, acelera o desgaste e eleva o consumo de combustível.

"Dirigir durante menos de 15 minutos nem esquenta o óleo do motor, impossibilitando a lubrificação adequada. Tem carro com baixa quilometragem que apresenta até o triplo do desgaste na comparação com um exemplar mais rodado, que no entanto funciona a maior parte do tempo na temperatura ideal".

Erwin Franieck informa que veículos abastecidos com etanol tendem a apresentar mais problemas na "fase fria", especialmente em localidades com temperaturas mais baixas.

"Em dias frios, a partida de motor abastecido com etanol tende a ser mais difícil em carros antigos, sem sistema de pré-aquecimento. Injeta-se mais combustível no arranque e a parte não queimada do etanol gera água como resíduo. Se o motor não esquentar adequadamente, a água não evapora e acaba contaminando o óleo, comprometendo sua performance".

2 - Fuja de carros usados em condições extremas

Veículos que rodam predominantemente em entradas de terra exigem mais manutenção - Murilo Góes/UOL - Murilo Góes/UOL
Veículos que rodam predominantemente em entradas de terra exigem mais manutenção
Imagem: Murilo Góes/UOL

Outro aspecto que relativiza e muito a baixa quilometragem é a utilização em condições que exigem demais do veículo.

O próprio manual do proprietário destaca: carros que rodam predominantemente no anda e para de congestionamentos e/ou em estradas não pavimentadas são consideravelmente mais castigados - a ponto de as montadoras orientarem a encurtar os prazos das revisões programadas, incluindo a substituição do óleo, do respectivo filtro e de outros fluidos.

"Um automóvel utilizado a maior parte do tempo em rodovias tende a estar em melhores condições que outro com quilometragem muito mais baixa, que no entanto rodou apenas na cidade ou em vias de terra", destaca o especialista.

Novamente, Franieck orienta a questionar o vendedor sobre as condições prévias de uso do veículo.

3 - Veículo parado por muito tempo exige gastos

concessionária volkswagen Comercial Gaúcha Covipa estrela Otmar Essig Reginaldo de Campinas 2011 Fusca Série Ouro 1996 - Arquivo pesoal - Arquivo pesoal
Carro parado por muito tempo sofre com efeitos da corrosão e apresenta outros problemas
Imagem: Arquivo pesoal

Quando um carro mais antigo rodou muito pouco, ele provavelmente permaneceu parado por longo período.

Isso é algo até desejável para quem busca um veículo de coleção e está disposto a pagar bastante por um exemplar totalmente original. Contudo, colecionadores em geral sabem que, após a compra, terão de abrir ainda mais o bolso para colocar o automóvel em boas condições de rodagem.

Franieck alerta: carros foram feitos para rodar e, se permanecerem muito tempo desligados, uma série de componentes se deteriora.

Dependendo do tempo de inatividade, os efeitos mais óbvios são a descarga da bateria e o esvaziamento e a deformação dos pneus.

Porém, problemas ainda mais graves podem surgir.

"Água e outros fluidos parados durante muito tempo no mesmo lugar aceleram processos corrosivos e contribuem para o ressecamento de borrachas, mangueiras e dutos em geral. É comum a corrosão formada dentro do tanque soltar resíduos que vão parar na bomba de combustível, danificando-a", ensina o engenheiro da SAE Brasil.

Além disso, o próprio combustível sofre degradação, tornando-se inadequado - a gasolina, por exemplo, dentro de cerca de seis meses já não é mais apropriada para uso.

"Se o veículo ficar sem utilização durante tempo prolongado, o ideal é ter alguém para rodar com ele ao menos uma vez por semana, inclusive para lubrificar rolamentos e componentes da suspensão que precisam se movimentar com regularidade", alerta Erwin Franieck.

4 - Automóvel limpo é um bom termômetro

Carro limpo é indício de que proprietário cuida bem do automóvel que pretende passar adiante - Getty Images - Getty Images
Carro limpo é indício de que proprietário cuida bem do automóvel que pretende passar adiante
Imagem: Getty Images

Carro limpo não é garantia de que vale a pena comprá-lo, mas denota que o proprietário possivelmente cuidou bem dele.

Não feche negócio antes de fazer uma inspeção cuidadosa, incluindo o compartimento do motor. A orientação também está relacionada ao item 2 desta reportagem: encontrar poeira incrustada pode indicar possível uso severo do veículo.

Dê uma olhada no estado das borrachas de vedação das portas:

"Puxe suavemente a borracha da porta, especialmente na parte inferior, junto à soleira. Se houver acúmulo de poeira, é indício de que aquele veículo pode ter rodado mais do que o recomendável em estradas de terra".

Se for possível, coloque o automóvel em um elevador para checar como ele está por baixo e observe também se há terra acumulada na coifa das juntas homocinéticas.

5 - Test-drive e inspeção geral são fundamentais

Rode com o carro antes para identificar eventuais ruídos e leve um mecânico para inspecionar o veículo - Getty Images - Getty Images
Rode com o carro antes para identificar eventuais ruídos e leve um mecânico para inspecionar o veículo
Imagem: Getty Images

Dirigir o carro pretendido é uma ferramenta fundamental para avaliar se vale a pena adquiri-lo. Outra medida importante, se você não for especialista, é levar um mecânico de confiança para inspecionar o veículo - sem contar a verificação prévia de eventuais débitos pendentes e/ou restrições administrativas, algo que pode ser feito por meio de inspeção cautelar.

Afinal, como já alertamos nos itens anteriores, baixa quilometragem pode vir acompanhada de manutenção deficiente, uso inadequado/severo e até de alguma batida. Dessa forma, desconfie se o preço for muito inferior à média cobrada no mercado.

"Fique atento a vibrações e ruídos ao rodar com o automóvel", pontua Franieck.

Esses barulhos, alerta o engenheiro, podem estar relacionados à suspensão, por conta de borrachas ressecadas, incluindo os pneus, e eventuais danos a outros componentes.

Além disso, não deixe de prestar atenção no ruído do motor: oscilações na rotação e falhas podem indicar lubrificação insuficiente, até por conta de óleo vencido, ou uso de combustível adulterado.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Siga o UOL Carros no