PUBLICIDADE
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

McLaren Spider: aceleramos o último esportivo "puro" da marca inglesa

Joaquim Oliveira

Colaboração para o UOL, em Lisboa (Portugal)

22/12/2021 04h00

Depois de, nos últimos dois anos, ter averbado o melhor ano de vendas da sua curta história enquanto fabricante de superesportivos de estrada, a McLaren Automotive foi muito penalizada desde que a pandemia começou, com apenas 2.700 emplacamentos globalmente, o que se traduz em uma quebra de 35%.

Um dos modelos com que a McLaren conta para a recuperação é precisamente o 765 LT Spider, o sexto da era moderna na marca inglesa, que presta tributo ao F1 com traseira alongada traçada por Gordon Murray em 1997.

  • O UOL Carros agora está no TikTok! Acompanhe vídeos divertidos, lançamentos e curiosidades sobre o universo automotivo.

É um dos últimos McLaren apenas com motor térmico - a partir de 2022, os novos modelos deverão ser híbridos ou totalmente elétricos, até que os motores térmicos desapareçam num prazo de 10 a 15 anos. Traz, como sempre, um V8 de 4.0 litros que aqui surge depois de umas intensas sessões de musculação na academia.

As principais alterações nesse 765 LT Spider face ao Coupé têm, naturalmente, que ver com o seu teto, feito em uma única peça de fibra de carbono. É acionado eletricamente, demorando apenas 11 segundos para cobrir ou descobrir a carroceria. Atrás dos bancos existem estruturas fixas para proteger os ocupantes em caso de capotamento e as portas não têm moldura, só têm uma articulação, e são mais leves do que na versão "fechada" do 765 LT.

Os engenheiros ingleses dizem que a rigidez da monocoque do 765 LT é tal que, para fazer esse Spider, não foi sequer necessário adicionar reforços.

Como consequência, o 765 LT Spider é apenas 49 kg mais pesado que o coupé: 1388 kg no total, menos 80 do que o 720S Spider, e pode mesmo descer até aos 1278 se forem montados elementos ultraleves do Senna.

Os elementos que executam a função aerodinâmica são semelhantes aos do Coupé, mas com uma pequena diferença: a asa traseira móvel tem uma calibração específica, uma vez que o fluxo de ar sobre a carroceria pode variar muito dependendo da posição do teto.

Com os cumprimentos de Senna

Atrás do cockpit e da monocoque em fibra de carbono, está instalado o motor V8 biturbo de 4 litros que recebeu alguns dos recursos e peças do Senna para chegar a 765 cv e 81,6 kgfm de torque.

No chassis foram igualmente introduzidas melhorias, na direção com assistência hidráulica, mas mais importantes nos eixos e suspensão. A altura ao solo foi diminuída em 5 mm, a via dianteira cresceu 6 mm e as molas são mais leves e foram reforçadas, o que resultou em mais estabilidade e melhor aderência.

Tal como o 720S, o 765 está equipado com Controlo Proativo do Chassi que recorre a 12 sensores adicionais.

Carrossel de emoções

Uma olhada rápida pela ficha técnica ajudou a intensificar alguma ansiedade antes da entrada no circuito de Navarra: 0 a 100 km/h em 2,8 s (igual ao Coupé), 0 a 200 km/h em 7,2 (mais 0,2 s que o Coupé) e uma velocidade de ponta de 330 km/h, números só possíveis com essa sensacional relação peso/potência de 1,8 kg/cv.

O Circuito de Navarra, no norte da Espanha, é um carrossel exigente para quem mais se empenha na luta contra o cronômetro, um verdadeiro "traçado técnico" no jargão das corridas.

Cada fraqueza do carro ou do piloto é aqui exposta sem piedade, mas esse conversível sequer se "descabela" por aqui. A direção eletro-hidráulica, uma das melhores de toda a indústria automotiva, dá uma enorme ajuda para a confiança de quem dirige - e esse McLaren é muito divertido, especialmente se você permitir mais liberdade à traseira com o controle de drift variável, que não é o mais indicado se queremos lutar pela pole position, mas o certo para gerar sorrisos de orelha a orelha.

A confiança também fica em alta com a "mordida" violenta desses freios, antes de cada saída de curva, novamente com velocidade brutal.

A potência de frenagem gera sensações só ao alcance de um muito eficaz e competente semi "carro de corridas": mesmo em necessidades muito urgentes de redução de velocidade. De 300 para 100 km/h, o carro mantém a estabilidade quase intacta e com a direção totalmente livre para definir a trajetória e mesmo com o motorista/piloto quase pulando sobre o pedal da esquerda para não falhar o ponto de entrada na mesma.

Em resumo

O Senna é o McLaren mais radical de todos e este 765 LT Spider recebe alguns dos seus genes para deslumbrar em pista, ao mesmo tempo que é mais compatível com asfaltos públicos. Apenas pudemos testar a primeira parte, em que este novo modelo conseguiu ser incrivelmente rápido e eficaz.

Já sabemos que uma das caraterísticas mais comuns nos McLaren de estrada é a facilidade com que um motorista mediano consegue correr e sentir que está fazendo as coisas bem, o que se deve à sua natureza de motor central, equilibrando as massas que nem parecem ser transferidas de um lado para o outro com enorme brutalidade, especialmente nestes cenários.

E essa mesma sensação é experimentada aqui, independentemente de ser preciso reprogramar os sentidos para a "urgência" com que tudo acontece, como os números bem o mostram e de, mais perto dos limites, ser preciso um pouco mais de "pulso".

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.