PUBLICIDADE
Topo

GNV: número de conversões dobra com gasolina cara; veja quando vale a pena

Frentista no posto de combustível abastecendo um carro com GNV; busca pela conversão aumentou com alta da gasolina -  Shutterstock
Frentista no posto de combustível abastecendo um carro com GNV; busca pela conversão aumentou com alta da gasolina Imagem: Shutterstock

Paula Gama

Colaboração para o UOL

22/09/2021 04h00

De julho a setembro, o preço médio da gasolina no país subiu de R$ 5,80 para R$ 6,06. O aumento de 4,3% em dois meses pesa no bolso de quem dirige diariamente.

Daí vem a busca por alternativas mais em conta. Segundo dados do antigo Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), que recentemente se tornou a Senatran (Secretaria Nacional de Trânsito), o número de veículos modificados para abastecimento com GNV (gás natural veicular) praticamente dobrou em agosto, com 18.027 conversões contra 9.364 no mesmo mês de 2020.

A advogada Rebecca Manhães é uma das pessoas que viu vantagem na conversão. Ela e o marido rodam mais de 3.000 km por mês e entendem que o investimento em um kit GNV (que hoje fica em torno de R$ 5 mil) rapidamente se pagará.

"Temos um carro sedã, então o espaço para a instalação do kit não é problema. Morando no Rio de Janeiro e rodando mais de 80 km por dia, o GNV é uma alternativa para diminuir o nosso custo mensal com combustível", explica Rebecca.

Segundo dados da plataforma People Interactive, a adaptação para GNV é vantajosa para quem roda muito.

A economia do gás natural veicular em relação à gasolina - que tem preço médio atual de R$ 6,06, de acordo com a ANP (Agência Nacional do Petróleo) é de 51,3%; Já em comparação com o etanol (R$ 4,67) é de 55,8%.

No entanto, vale destacar que são necessários 32 meses para pagar o investimento inicial no kit para quem roda apenas 500 km por mês. Já quem utiliza o carro para trabalho e circula cerca de 5 mil km mensalmente, o aporte se paga em apenas três meses.

"Quando você roda em média 500 km ao mês, o payback do investimento é muito longo, não vale a pena. Serão necessários quase três anos para começar a economizar. Já para quem roda mais de mil quilômetros a cada 30 dias, a economia é de R$ 300 a R$ 350 mensalmente", analisa Guilherme Santana, gerente de GNV da Comgás (Companhia de Gás de São Paulo).

Santana acrescenta que motoristas profissionais chegam a economizar R$ 2 mil por mês.

Outra vantagem de se instalar o kit gás no veículo é o desconto no IPVA ofertado em alguns Estados. Enquanto motoristas do Paraná pagam 71,4% a menos, quem mora em Alagoas tem um desconto de 45% a 54%, dependendo da potência do carro - a alíquota cai para apenas 1,5%, assim como no Rio de Janeiro, onde o abono chega a 75%.

Quando GNV não vale a pena?

Além de não ser interessante para quem roda poucos quilômetros por mês, o GNV não vale a pena para quem circula muito por estradas ou mora em cidades de interior.

Isso porque nessas localidades os postos de combustíveis que comercializam gás natural veicular são mais raros. Portanto, o investimento inicial acaba não se pagando.

"Deixei de usar o combustível quando viemos recentemente morar em Jundiaí (SP), por conta da ausência de postos. Meu carro segue com o cilindro, mas agora quase nunca usamos", conta a advogada Rebecca.

E se o preço do GNV subir após a conversão do carro?

Assim como a gasolina, o preço do GNV também é regulado pelo petróleo e pelo câmbio do dólar. Isso significa que nem tudo são flores e esse combustível está sujeito a períodos de aumentos constantes. Para se ter uma ideia, considerando o preço médio dos três combustíveis em julho e em setembro, o valor da gasolina, do GNV e do etanol aumentou, respectivamente, 4,3%, 6,47% e 8,1%.

Ainda assim, de acordo com Guilherme Santana, é pouco provável que o gás natural veicular deixe de valer a pena para usuários que rodam muito. "Historicamente, a economia do GNV oscila de 40% a 60% em relação à gasolina. Mesmo que o gás tenha um aumento grande, a economia tende a continuar sendo considerável", pondera.

Nessa conta, é preciso considerar que os veículos "rendem" mais quando estão abastecidos com GNV. Dados da People Interactive mostram que a média de consumo de carros movidos a etanol é de 7 km/l, enquanto com gasolina a média sobe para 10 km/l. Já com GNV, carros de passeio chegam a rodar 14 km/m³.

Cuidados na conversão

Fiat Grand Siena já sai da fábrica preparado para instalação de kit GNV por empresa homologada - Murilo Góes/UOL - Murilo Góes/UOL
Fiat Grand Siena já sai da fábrica preparado para instalação de kit GNV por empresa homologada
Imagem: Murilo Góes/UOL

Atualmente, o único veículo que sai de fábrica preparado para a instalação do kit GNV é o Fiat Grand Siena, à venda por R$ 69.490. Para converter um automóvel para uso do gás, é necessário instalar módulo eletrônico, cilindro, suporte e pagar pela regularização dos documentos.

Tudo isso sai, em média, por R$ 5 mil. Por isso, se alguma oficina cobrar valor mais baixo, confira dois pontos: primeiramente, se é homologada pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia); depois, se o kit oferecido é de quinta geração.

"Os kits atuais, de quinta geração, corrigiram problemas dos anteriores, como a perda de potência. Fazendo a instalação correta, o proprietário do veículo precisa apenas fazer a revisão periódica do kit, além de submetê-lo à inspeção anual obrigatória e à requalificação do cilindro a cada cinco anos", informa Santana.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.