PUBLICIDADE
Topo

Veículo autônomo é criado para remover bitucas de cigarros em praias

Robô autônomo BeachBot - Divulgação
Robô autônomo BeachBot Imagem: Divulgação

Do UOL

Em São Paulo (SP)

23/07/2021 12h13

Morador da região costeira de Scheveningen, na Holanda, Edmin Bos sempre teve receio de levar seus filhos à praia pelo risco de as crianças pequenas encontrarem detritos danosos à saúde, como principalmente bitucas de cigarro. Assim, ele ao lado de seu colega empresário, Marijn Lukaart, idealizaram um veículo/robô autônomo que anda pela praia detectando e removendo as pontas usando sua inteligência artificial. Seu nome é BeachBot.

O robô usa câmeras para verificar a areia e identificar bitucas. Assim que ele as vê, ele utiliza duas pequenas pás parecidas com pentes para recolher o detrito. Logo após isso, o lixo é armazenado em um compartimento para descarte e o robô segue.

"Quero que meus filhos possam se sentar descalços na areia, sem nenhum vidro ou bituca de cigarro por aí", disse Oscar de Grave, morador da praia de Scheveningen, à Microsoft, que ajuda no projeto. "Uma praia limpa é muito importante para mim."

Com a ajuda do aplicativo Microsoft Trove, as pessoas podem enviar fotos da praia e receber 25 centavos por imagem aceita. Elas são analisadas em busca de bitucas de cigarro, o que ajuda o Beach Bot a encontrá-las na vida real.

"O bot faz todo o trabalho braçal. Vai para a praia e é o herói da limpeza", acrescenta de Grave. "Mas, para limpar, é necessário que todas essas pessoas forneçam dados consistentes. Sem isso, o bot irá se deparar com novas situações que não entende. Máquinas como essa só funcionam por causa das pessoas."

Em sua primeira demonstração, em setembro do ano passado, o BeachBot conseguiu pegar 10 pontas de cigarro em 30 minutos. Sua bateria dura cerca de uma hora. Para a próxima demonstração, ele terá dois robôs exploradores menores que procuram as bitucas e dizem onde ir para auxiliar no trabalho.

Bitucas de cigarro levam 14 anos para se desintegrar, e assim se tornam "a forma de item pessoal mais comum encontrada nas praias", de acordo com um estudo de 2019 realizado no Brasil. Muito tóxicas, elas guardam vários resíduos perigosos.

Idealizador, Bos disse: "começamos com pontas de cigarro. Esse é o item com mais lixo do mundo. No futuro, queremos que os robôs detectem uma variedade de outros detritos."

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.