PUBLICIDADE
Topo

Como liderança absoluta do Corolla pode sofrer com chegada de irmão SUV

José Antonio Leme

Do UOL, em São Paulo (SP)

03/03/2021 04h00

Com lançamento previsto para a próxima semana (11), o Corolla Cross já está tirando o sono de concessionários e da própria Toyota sem ter vendido uma única unidade. Isso porque o inédito SUV médio tem potencial para e deve canibalizar as vendas do três volumes.

Vale lembrar que, com o boom dos SUVs, o Corolla já perdeu mercado com carro médio familiar. Em 2012, a Toyota chegou a emplacar 70 mil unidades mensais do sedã, ao passo que em 2020 emplacou cerca de 40 mil unidades. Isso significa que as vendas do Corolla caíram em torno de 42% em oito anos. Vale lembrar que o 2020 foi um ano atípico em termos de vendas, devido à pandemia.

Como retrato do segmento, o segundo sedã médio mais vendido é o Honda Civic que em 2020 vendeu a metade do Corolla, cerca de 20 mil unidades. Na terceira posição, o Chevrolet Cruze, com quase 9 mil unidades. Ou seja, a culpa não é dos rivais, mas sim dos SUVs, que como categoria responderam por 32% do total de emplacamentos.

Em 2017, a expectativa para 2020 era que os SUVs respondessem por 25% do mercado. Em 2019, a categoria já tinha superado os 26% no fechamento do ano. Os dados são da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores).

Em consulta a um concessionário do interior de São Paulo, o vendedor disse: "eu já tenho uma lista de clientes que querem deixar o sedã como parte de pagamento para o Corolla Cross, mesmo antes do carro chegar. É gente que tá com o Corolla dessa geração".

Concessionárias terão meta de sedã para receber Corolla Cross

O Corolla resistiu até agora porque o outro SUV que a marca tinha, o médio-grande RAV4, estava em um nível de preço muito superior. Importado, o modelo vem apenas com tecnologia híbrida e custa mais de R$ 240 mil atualmente.

Agora, com uma disputa interna isso deve piorar a situação do sedã, mas a Toyota já se programou para lidar com a questão, e a conta vai ficar "cara" para os concessionários. A ideia da marca é não perder tanto terreno com o sedã, mesmo sabendo que a chegada do SUV médio vai roubar mercado dele.

As concessionárias, de olho no ticket médio maior do Corolla Cross, vão querer vender mais desse modelo e, talvez aos poucos, abandonar o sedã, mas a Toyota já anteviu esse movimento. Para ter um lote constante de Corolla Cross, as concessionárias precisarão bater uma meta de venda de Corolla sedã.

Fim do Civic e Cruze pode ajudar a manter vendas do Corolla

Para a rede, a Toyota estipulou que os lojistas precisarão manter os 40 mil emplacamentos. A proposta é trazer como cliente a pessoa que está no segmento de baixo, de sedãs compacto premium, como o Yaris, Virtus, City, entre outros.

Contudo, se for confirmada a informação de que a Honda pretende encerrar a produção do Civic por aqui ao fim desta geração, o Corolla pode contar com um golpe de sorte de "reinar sozinho". Vale lembrar que a vida do Cruze também não será longa, atualmente ele só é produzido na Argentina para atender ao Brasil e ao país vizinho.

No mais, a empresa quer trazer os 30 mil clientes que "fugiram" da marca para modelos como o Jeep Compass de volta. Por fim, a meta é "roubar" 10 mil clientes de modelos como o Compass e evitar que eles comprem o Taos - que com o Corolla Cross devem formar o trio de SUVs médios mais vendidos.

Ainda assim, a Toyota sabe que está fadada a perder parte das vendas do Corolla, como tem acontecido com todas as outras marcas do setor, e por isso está apostando no Corolla Cross como novo produto médio.