PUBLICIDADE
Topo

Cunhada de Diego Tardelli acusa PM de racismo ao ter Lotus rebocado em SC

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

08/01/2021 04h00Atualizada em 08/01/2021 18h56

Um casal de empresários de Itapema acusa a Polícia Militar de racismo durante uma abordagem no sábado passado (2).

Na ocasião, policiais pararam e depois guincharam o Lotus Elise conduzido por Kaká Borges na orla da cidade do litoral norte catarinense.

Ele, que atua no setor de construção civil e é negro, foi autuado por direção perigosa - infração que prevê o recolhimento do veículo.

Durante a abordagem, com o esportivo já na plataforma do caminhão e cercado por PMs, Cris Araújo, mulher de Borges, gravou um vídeo com a acusação, publicado no Instagram.

Ela é irmã e sócia de Linda Martins, casada com o jogador de futebol Diego Tardelli, e estava no banco do carona.

No vídeo e em conversa com UOL Carros, Cris nega que o marido tenha dirigido de forma imprudente, diz que ambos foram tratados com truculência e conclui que se trata de discriminação racial.

Procurada, a Polícia Militar de Santa Catarina afirma não "corroborar" atos racistas na corporação e informa que abriu sindicância para investigar a acusação. Além disso, diz que o casal não formalizou denúncia.

Itapema casal abordagem Lotus guinchado racismo - Reprodução - Reprodução
Cris Araújo e o marido Kaká Borges; empresária diz que PM guinchou Lotus do casal por racismo
Imagem: Reprodução

Cris Araújo protesta na gravação:

"Nós temos um carro que é diferente, a gente veio dar uma volta na praia e ele faz barulho no escapamento. Nós fomos parados pelos policiais por racismo porque meu marido é negro. Eles estão guinchando nosso carro com tudo em dia".

"Eu não vou admitir esse racismo. Só porque ele é negro não pode dirigir um bom carro? Eu sou branca, nunca vou sentir na pele direito o que é isso. É surreal você sentir racismo nos dias de hoje", continua.

Araújo diz, ainda, que a PM mobilizou duas viaturas e pelo menos quatro policiais armados durante a ação.

'Policiais foram grosseiros'

Kaká Borges Cris Araújo acusação de racismo Itapema SC - Reprodução/Facebook/Jornal O Município - Reprodução/Facebook/Jornal O Município
Cris Araújo aparece em video no qual acusa PM de racismo e truculência na abordagem
Imagem: Reprodução/Facebook/Jornal O Município

Em contato com a reportagem, a empresária, que tem sociedade com a irmã em uma companhia de design de interiores, inicialmente se nega a comentar o episódio.

Ela diz ter sido orientada pelo advogado da família a se "resguardar" e conta que até fechou seu perfil no Instagram, mas depois confirma as afirmações que fez na gravação. Também dá detalhes de como teria ocorrido a abordagem.

Segundo Cris Araújo, uma viatura seguiu o Lotus por alguns quilômetros antes de parar o carro.

"Mandaram colocar as mãos no volante como se estivessem abordando um fugitivo. Tiraram a chave do carro, perguntaram se meu marido tinha passagem na polícia e só depois pediram os documentos. Verificando que estava tudo certo, ficaram no celular por um tempo. Eu indaguei o que estava acontecendo, se poderíamos ir embora. Eles responderam que não e disseram que o carro seria guinchado. Alegaram que estávamos fazendo manobras e arrancadas perigosas", relata.

Araújo acrescenta que os policiais foram "grosseiros e falaram palavrões".

"Um deles até chamou meu marido de otário e babaca. Perguntávamos as coisas tranquilamente e éramos respondidos aos gritos. Não entendi porque trataram a gente daquela maneira".

De acordo com ela, por não haver pendências nem restrições administrativas, o Lotus foi liberado no mesmo dia - a PM confirma que o esportivo já está com o casal.

Devido à repercussão que seu vídeo teve, principalmente na cidade onde mora, com cerca de 67 mil habitantes, Cris afirma que está assustada e não quer mais exposição.

"Só quero paz! Sempre tive uma vida tranquila e quero que permaneça assim".

'Não temos histórico de racismo'

Lotus elise - Divulgação - Divulgação
Lotus Elise semelhante ao do casal de empresários, com carroceria conversível
Imagem: Divulgação

Conversamos com o coronel Jofrey Santos da Silva, comandante da Terceira Região da Polícia Militar de Santa Catarina, que abrange 15 municípios da região de Balneário Camboriú, incluindo Itapema.

Ele diz ter recebido um print do vídeo postado no Instagram e logo ordenou que o caso fosse investigado.

"A Polícia Militar de Santa Catarina, especialmente na região de Balneário Camboriú e Itapema, não tem histórico de ocorrência de racismo da forma como está posta nem corrobora esse tipo de proceder. Diante da denúncia, que é unilateral e não foi formalizada, determinei a abertura de sindicância, já em andamento, para verificar os fatos".

De acordo com Silva, a apuração vai ouvir testemunhas e analisar "todas as filmagens" - incluindo aquelas realizadas pelo casal e também pelos próprios policiais.

"A guarnição, tão logo entendeu que poderia estar sendo vinculada a uma questão de racismo em razão da etnia do homem abordado, também efetivou a gravação de toda a ocorrência".

O comandante pontua que o Lotus foi guinchado "em razão de exibição de manobras perigosas", que prevê o recolhimento do veículo.

"O que me chegou foi uma mera infração de trânsito, como tantas outras, mas vamos investigar para deixar tudo muito claro".