PUBLICIDADE
Topo

Como informações de carros têm ajudado a polícia a solucionar crimes

Interior Mustang Mach E - Divulgação
Interior Mustang Mach E Imagem: Divulgação

Do UOL

Em São Paulo (SP)

05/01/2021 10h05

A perícia digital de veículos está se tornando cada vez mais popular à medida que as ferramentas para acessar as informações dos carros têm ficado melhores. Hoje em dia, a polícia nos Estados Unidos já utiliza isso para esclarecer casos que precisa solucionar.

Modelos modernos podem armazenar todo tipo de dado, desde chamadas telefônicas e mensagens de texto e até para onde você viajou. No entanto, alguns carros vão ainda mais fundo.

Em um caso noticiado pela NBC News, um mecânico de Michigan foi misteriosamente assassinado em 2017. Nos dois anos seguintes, nenhuma prisão foi feita e o caso foi efetivamente encerrado. No entanto, os detetives resolveram utilizar a perícia digital de veículos para examinar o Chevrolet Silverado da vítima, que foi roubado na mesma época do assassinato.

Assim, foram descobertas "gravações com carimbo de hora da voz de outra pessoa usando o sistema viva-voz para tocar Eminem no rádio". As autoridades tocaram as gravações para a família da vítima ouvir, e eles identificaram a voz como sendo de Joshua Wessel - que costumava "consertar carros e motocicletas" com a vítima.

Desta forma, com o nome do suposto assassino, a polícia conseguiu reconstituir as últimas horas antes do crime e prendeu Wessel.

Veículos podem coletar dados como velocidade, aceleração e se as portas estão abertas ou fechadas. Com centrais multimídia também não sendo protegidos por senha, a polícia pode acessar suas informações. De acordo com a NBC News, "os policiais às vezes podem extrair mensagens de texto, ligações ou arquivos de um automóvel com muito mais facilidade do que de um celular".

A NBC observou que a Berla Corp lançou sua ferramenta de perícia de veículos em 2013 com acesso a 80 modelos e que agora expandiu alista para mais de 14 mil modelos. Assim, a polícia tem usado informações de veículos em mais casos do que no passado.

No estado norte-americano de Michigan, há quatro escritórios da Polícia Estadual que conduzem "rotineiramente" esses tipos de investigações, mesmo para "crimes menores e cotidianos".