PUBLICIDADE
Topo

Garoto de 7 anos bate em carro de vizinho e se desculpa com bilhete fofo

Benício Esmanhoto Hoffmann deixou bilhete em carro que atingiu enquanto andava de bicicleta - Arquivo Pessoal
Benício Esmanhoto Hoffmann deixou bilhete em carro que atingiu enquanto andava de bicicleta Imagem: Arquivo Pessoal

Abinoan Santiago

Colaboração para o UOL, em Ponta Grossa (PR)

21/09/2020 15h05

Quando o psicólogo Marcelo Castilhos, de 29 anos, saiu de casa para abastecer o carro, um bilhete chamou atenção. Com letras garrafais, era um pedido de desculpas de Benício, filho de 7 anos do seu vizinho, Marcel Hoffmann, pelo risco deixado no veículo após ter se desequilibrado ao andar de bicicleta.

O caso aconteceu no bairro Portão, em Curitiba. O gesto viralizou nas redes sociais, com mais de 42 mil compartilhamentos e 356 mil curtidas, depois que o dono do automóvel publicou em um de seus perfis.

"Desculpa. Eu bati no seu carro. Me desequilibrei na bicicleta. Aqui está o telefone do meu pai", escreveu Benício no bilhete.

O gesto surpreendeu o proprietário do veículo, já que ele nem havia notado o risco no carro antes de ler o bilhete. A atitude do garoto gerou outra gentileza: o dono não cobrou pelo dano.

Motorista ganhou bolo

"Em casa, tem espaço apenas para um carro na garagem, então, o meu estava na rua neste momento. Quando saí para abastecer o veículo para rodar na semana, nem percebi qualquer arranhão. Fui perceber quando vi o bilhete ali dando conta do risco. Pela forma como estava escrito, logo imaginei que seria de uma criança. Não pensei em cobrar nada", conta o psicólogo.

Ao entrar em contato com o número deixado no bilhete, segundo o psicólogo, o pai do garoto confirmou o incidente e revelou que eles são vizinhos. Marcelo relata que, ao saber que não ele não cobraria pelo dano, a família quis enviar um pedaço de bolo para ele: "Disse que não precisava, mas mesmo assim enviaram".

No dia da publicação no Twitter, em 13 de setembro, o psicólogo tinha pouco mais de 300 seguidores na rede social — a postagem ter viralizado foi, logo, uma grande surpresa.

"Eu publico muita coisa no Twitter porque estou há bastante tempo lá, então foi uma postagem normal como qualquer outra. Eu não imaginava que teria toda essa repercussão. Em um momento de pandemia, é legal ver e compartilhar exemplos assim", comenta.

"Não esperava outra atitude"

De acordo com o pai de Benício, que é veterinário, o filho deixou a bicicleta no chão imediatamente quando percebeu que havia danificado o carro estacionado na rua, se mostrando bastante preocupado com o risco. Mas logo o menino encontrou uma solução: pagar pelo dano com as moedas que guarda em casa.

Hoffmann diz que o gesto do filho foi natural, sem qualquer intervenção sua. Ele frisa que atitudes assim são corriqueiras na família.

"Vi meu filho largando a bicicleta bastante chateado, com expressão preocupada de como poder pagar, mas lembrou das moedinhas que guarda em casa. Fiquei contente com a repercussão positiva, mas é algo muito corriqueiro para gente. Não consigo pensar que posso bater no carro de alguém e não ir atrás para arrumar. Se alguém bater no meu, espero que a pessoa pague. Então, não gerou espanto. Foi uma atitude natural dele", comentou.

A ideia do bilhete surgiu após não encontrarem o dono do carro. O próprio garoto — que está no primeiro ano do ensino fundamental — foi quem decidiu escrever à mão o recado.

"Estava junto e não corrigi palavras ou qualquer outra coisa porque o bilhete tinha que ser totalmente dele, pois ele deveria assumir o pequeno erro. Foi um espanto ter viralizado porque não sou de acessar muito as redes sociais. Fiquei muito orgulho do meu filho, mas também não esperava outra atitude que não fosse essa", finaliza o pai do garoto.