PUBLICIDADE
Topo

Mais 'pobre', mas conectado, Tracker PCD responde por 1/4 das vendas do SUV

GM acelera produção para atender pedidos já realizados pela versão do Tracker para pessoas com deficiência; novas encomendas estão suspensas desde 11 de maio - Reprodução
GM acelera produção para atender pedidos já realizados pela versão do Tracker para pessoas com deficiência; novas encomendas estão suspensas desde 11 de maio
Imagem: Reprodução

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

04/07/2020 04h00

Com a retomada da produção na fábrica de São Caetano do Sul (SP) e a reabertura gradual das concessionárias, o Chevrolet Tracker bateu recorde de vendas em junho.

No mês passado, o SUV compacto teve 4.075 emplacamentos, de acordo com a Fenabrave, a federação das concessionárias de veículos.

Foi o melhor resultado mensal em toda a história do SUV compacto, que acaba de ganhar nova geração, no mercado brasileiro.

Dentre todos os utilitários esportivos, em junho o Tracker ficou atrás somente do Volkswagen T-Cross (5.643) e do Jeep Renegade (4.092).

De acordo com Rodrigo Fioco, diretor de marketing de produto da General Motors, das 4.075 unidades comercializadas, mais de mil corresponderam à versão para clientes PCD (pessoas com deficiência), ou cerca de 1/4 do total.

As encomendas da configuração PCD estão suspensas desde 11 de maio e ainda não têm previsão de retorno. Enquanto isso, a GM se mobiliza para dar conta de atender os pedidos acumulados até essa data.

"Desde o lançamento, a procura pelo Tracker PCD tem sido enorme. Por conta da parada da fábrica durante quase dois meses, não tem sido possível atender de imediato as solicitações. Estamos acelerando a produção para priorizar os clientes que já fizeram a encomenda", afirma Fioco.

A GM não informa quantos pedidos já recebeu nem o número de veículos entregues até o momento.

O que dá para dizer é que, após o lote de inicial de mil unidades se esgotar, a montadora promoveu alterações no pacote de equipamentos de série da configuração para clientes com deficiência.

De acordo com concessionárias Chevrolet consultadas, o SUV perdeu itens "promocionais": tampão interno do porta-malas, capa dos retrovisores na mesma cor do veículo e barras de teto com acabamento prata. Agora, o Tracker PCD traz as barras e os retrovisores na cor preta, enquanto as rodas de liga leve de 16 polegadas permanecem.

Para compensar, essa configuração passou a trazer internet 4G dedicada, roteador Wi-Fi e OnStar - itens de série nas demais versões e que não estavam previstos na primeira "fornada".

Porém, segundo vendedores consultados por UOL Carros, os primeiros compradores não ficaram sem esses recursos de conectividade, que estão entre os diferenciais da nova geração do utilitário esportivo.

"A GM está habilitando a internet e o OnStar em todos os Tracker PCD, inclusive os primeiros", disse um dos funcionários ouvidos pela reportagem.

A garantia de apenas um ano permanece, enquanto nas demais configurações ela é de três anos. A diferença é que o cliente pode estendê-la para dois anos pagando R$ 999. Se quiser a cobertura de 36 meses, precisa desembolsar mais R$ 1.899.

O que o Tracker PCD entrega

Vendido por R$ 56.877, incluídas as isenções de ICMS e IPI, o Tracker PCD é equipado com motor 1.0 turbo flex de 116 cv e até 16,8 kgfm, mais câmbio automático de seis marchas.

Ele traz de série, além dos itens citados, volante multifuncional, sensor de chave, partida do motor por botão e faróis e lanterna de neblina e painel com tela colorida de 3,5 polegadas (igual à das demais versões).

Também vem com central multimídia MyLink de oito polegadas, compatível com Apple CarPlay e Android Auto, mais seis alto-falantes, duas portas USB traseiras e câmera de ré.

O Tracker para pessoas com deficiência também agrega seis airbags, controles de tração e estabilidade (obrigatórios em novos modelos de automóveis a partir deste ano), assistente de partida em rampa Isofix, faróis com regulagem de altura, volante ajustável em altura e profundidade, sistema start-stop (que desliga o motor automaticamente para poupar combustível) e banco do motorista com regulagem de altura.

O Chevrolet, igualmente, é equipado com direção assistida (elétrica), ar-condicionado e travas e vidros elétricos - itens essenciais em um utilitário esportivo para pessoas com deficiência.

E a concorrência?

Volkswagen T-Cross Sense - Divulgação - Divulgação
Volkswagen T-Cross Sense tem motor 1.0 turbo, multimídia e custa R$ 57.630 com todas as isenções
Imagem: Divulgação

O Volkswagen T-Cross Sense (R$ 57.630 com todos os descontos) é um dos SUVs PCD que mais se aproximam em conteúdo do Tracker: também traz seis airbags e Isofix, mais controles de tração e estabilidade com assistente de partida em aclive e ajustes do volante e do banco do motorista, bem como central multimídia (com tela de 6,5 polegadas), mas apenas com quatro alto-falantes, mais volante multifuncional.

O modelo da VW também não traz controle de velocidade de cruzeiro, câmera de ré, sensor de chave, partida por botão nem tampa interna do porta-malas. No entanto, vem de fábrica com rodas de liga leve aro 16 e rack de teto. O motor também é 1.0 turboflex, porém mais potente: são até 128 cv e 20,4 kgfm. O câmbio automático tem seis marchas.

Nissan Kicks S Direct - Divulgação - Divulgação
Nissan Kicks S Direct foi o SUV PCD mais vendido em fevereiro e é equipado com motor 1.6 e CVT
Imagem: Divulgação

Por sua vez, o Nissan Kicks 1.6 Active CVT (R$ 54.228 com as isenções) vem apenas com o airbag duplo obrigatório, bem como controles de tração e estabilidade com assistente de partida em rampa e Isofix.

Traz, ainda, rodas de aço de 16 polegadas com calotas e chave canivete. O motor é sempre o 1.6 flex aspirado de 114 cv e 15,5 kgfm, gerenciado pela transmissão CVT.

Hyundai Creta Attitude 1. 6 PCD - Divulgação - Divulgação
Hyundai Creta Attitude 1. 6 custa R$ 54.662 com todos os descontos; não traz equipamento de som
Imagem: Divulgação

Já o Hyundai Creta Attitude (R$ 54.662 com os descontos) também se restringe aos airbags dianteiros em termos de segurança, que é acrescida de controles de tração e estabilidade com assistente de partida em aclive, sinalização de frenagem de emergência e Isofix.

A lista de equipamentos inclui, ainda, controle de velocidade de cruzeiro, rodas de aço de 16 polegadas com calotas, chave canivete, volante multifuncional e cinco anos de garantia. No entanto, o Creta PCD não é comercializado com sistema de som. O motor é o 1.6 aspirado de 130 cv e 16,5 kgfm de torque, com transmissão automática de seis marchas.

Jeep Renegade 1.8 PCD - Divulgação - Divulgação
Jeep Renegade 1.8 oferece apenas dois airbags, como a maioria dos SUVs PCD no Brasil
Imagem: Divulgação

O Jeep Renegade 1.8 (R$ 54.662) também segue a receita de oferecer apenas dois airbags e igualmente traz controles de tração e estabilidade, mais assistente de partida em rampa e Isofix. Tem, ainda, rodas de liga leve aro 16, repetidores de seta e freio de estacionamento elétrico.

Também oferece computador de bordo, monitoramento da pressão dos pneus e volante multifuncional, mas não conta com sistema de som: apenas preparação com quatro alto-falantes. O propulsor é o 1.8 flex aspirado de 139 cv e 19,27 kgfm, gerenciado pelo câmbio automático de seis velocidades.

Citroen C4 Cactus Feel Business -  -

Por fim, o Citroën C4 Cactus Feel Business (R$ 54.655) sai da fábrica com dois airbags, Isofix, controles de tração e estabilidade com assistente de partida em aclive e barras de teto.

Da mesma forma que o Tracker e o T-Cross, oferece de série central multimídia, no caso com tela sensível ao toque de sete polegadas com Android Auto e Apple CarPlay. Um diferencial do Citroën é o painel de instrumentos 100% digital, embora em tela monocromática que não oferece muitas personalizações.

A parte mecânica é composta por motor 1.6 flex, também aspirado, de 118 cv e 16,1 kgfm, acompanhado de câmbio automático de seis velocidades.