PUBLICIDADE
Topo

Novo Tracker PCD ganha internet 4G, mas garantia de 3 anos custa R$ 1.899

Novo Tracker PCD ganhou 4G, mas perdeu tampão do porta-malas, retrovisores na mesma cor do veículo e barras de teto na cor prata - Reprodução
Novo Tracker PCD ganhou 4G, mas perdeu tampão do porta-malas, retrovisores na mesma cor do veículo e barras de teto na cor prata
Imagem: Reprodução

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

16/06/2020 13h06

Após esgotar o lote inicial de mil unidades e suspender as encomendas por conta da pandemia do coronavírus, a Chevrolet promoveu alterações nos equipamentos do Tracker PCD.

De acordo com concessionárias consultadas, a versão voltada para pessoas com deficiência agora traz internet 4G, roteador Wi-Fi e OnStar de série.

Por outro lado, o SUV compacto perdeu itens previstos apenas no primeiro lote, como pintura metálica grátis, tampão interno do porta-malas, capa dos retrovisores na mesma cor do veículo e barras de teto com acabamento prata.

Segundo um vendedor disse a UOL Carros, as próximas remessas virão com retrovisores e barras de teto pretas e irão manter as rodas de liga de alumínio.

A garantia de apenas um ano permanece, enquanto nas demais configurações ela é de três anos. A diferença, agora, é que o cliente pode estendê-la para dois anos pagando R$ 999. Se quiser a cobertura de 36 meses, precisa desembolsar mais R$ 1.899.

Apuramos que as encomendas ainda estão bloqueadas, mas devem ser retomadas nos próximos dias, pois a produção do utilitário esportivo em São Caetano do Sul (SP) recém recomeçou.

Por conta da paralisação da fábrica, ainda não existe previsão de prazo de espera - antes da pandemia, outro vendedor informou que o prazo de entrega das primeiras encomendas era de dez a 15 dias após a baixa do pagamento.

O preço de R$ 69.999 foi mantido, que cai para R$ 56.877 incluídas todas as isenções para pessoas com deficiência.

O que o Tracker PCD entrega

Sempre equipada com o mesmo motor 1.0 turbo flex de 116 cv e até 16,8 kgfm, mais câmbio automático de seis marchas, a novidade traz de série além dos itens citados, volante multifuncional, sensor de chave, partida do motor por botão e faróis e lanterna de neblina e painel com tela colorida de 3,5 polegadas (igual à das demais versões).

Também vem com central multimídia MyLink com tela tátil de oito polegadas compatível com Apple CarPlay e Android Auto, mais seis alto-falantes, duas portas USB traseira e câmera de ré - agora com 4G e Wi-Fi.

O Tracker para pessoas com deficiência também agrega seis airbags, controles de tração e estabilidade (obrigatórios em novos modelos de automóveis a partir deste ano), assistente de partida em rampa Isofix, faróis com regulagem de altura, volante ajustável em altura e profundidade, sistema start-stop (que desliga o motor automaticamente para poupar combustível) e banco do motorista com regulagem de altura.

O Chevrolet, igualmente, é equipado com direção assistida (elétrica), ar-condicionado e travas e vidros elétricos - itens essenciais em um utilitário esportivo PCD.

E a concorrência?

Volkswagen T-Cross Sense - Divulgação - Divulgação
Volkswagen T-Cross Sense tem motor 1.0 turbo, multimídia e custa R$ 57.630 com todas as isenções
Imagem: Divulgação

O Volkswagen T-Cross Sense (R$ 57.630 com todos os descontos) é um dos SUVs PCD que mais se aproximam em conteúdo do Tracker: também traz seis airbags e Isofix, mais controles de tração e estabilidade com assistente de partida em aclive e ajustes do volante e do banco do motorista, bem como central multimídia (com tela de 6,5 polegadas), mas apenas com quatro alto-falantes, mais volante multifuncional.

O modelo da VW, que foi o quarto SUV PCD mais vendido no mês passado, também não traz controle de velocidade de cruzeiro, câmera de ré, sensor de chave, partida por botão nem tampa interna do porta-malas. No entanto, vem de fábrica com rodas de liga leve aro 16 e rack de teto - que, vale lembrar, o Tracker não deverá oferecer após a etapa de lançamento. O motor também é 1.0 turboflex, porém mais potente: são até 128 cv e 20,4 kgfm. O câmbio automático tem seis marchas.

Nissan Kicks S Direct - Divulgação - Divulgação
Nissan Kicks S Direct foi o SUV PCD mais vendido em fevereiro e é equipado com motor 1.6 e CVT
Imagem: Divulgação

Por sua vez, o Nissan Kicks S Direct (R$ 54.163 com as isenções), que foi o SUV PCD mais vendido em fevereiro, vem apenas com o airbag duplo obrigatório, bem como controles de tração e estabilidade com assistente de partida em rampa e Isofix. Quanto ao sistema de áudio, nada de central multimídia: oferece equipamento sem tela tátil, dotado de Bluetooth, entrada auxiliar, USB e quatro alto-falantes.

Traz, ainda, rodas de aço de 16 polegadas com calotas, controle de velocidade de cruzeiro, volante multifuncional, rack de teto e chave canivete. O motor é sempre o 1.6 flex aspirado de 114 cv e 15,5 kgfm, gerenciado pela transmissão CVT.

Hyundai Creta Attitude 1. 6 PCD - Divulgação - Divulgação
Hyundai Creta Attitude 1. 6 custa R$ 54.662 com todos os descontos; não traz equipamento de som
Imagem: Divulgação

Já o Hyundai Creta Attitude (R$ 54.662 com os descontos), vice-campeão dentre os SUVs PCD em fevereiro, também se restringe aos airbags dianteiros em termos de segurança, que é acrescida de controles de tração e estabilidade com assistente de partida em aclive, sinalização de frenagem de emergência e Isofix.

A lista de equipamentos inclui, ainda, controle de velocidade de cruzeiro, rodas de aço de 16 polegadas com calotas, chave canivete, sistema start-stop e cinco anos de garantia. No entanto, o Creta PCD não é comercializado com sistema de som. O motor é o 1.6 aspirado de 130 cv e 16,5 kgfm de torque, com transmissão automática de seis marchas.

Jeep Renegade 1.8 PCD - Divulgação - Divulgação
Jeep Renegade 1.8 oferece apenas dois airbags, como a maioria dos SUVs PCD no Brasil
Imagem: Divulgação

O Jeep Renegade 1.8 (R$ 54.662), terceiro SUV PCD mais vendido no mês passado, também segue a receita de oferecer apenas dois airbags e igualmente traz controles de tração e estabilidade, mais assistente de partida em rampa e Isofix. Tem, ainda, rodas de liga leve aro 16, freio de estacionamento elétrico e monitoramento da pressão dos pneus.

Também oferece start-stop, computador de bordo, controlador e limitador de velocidade e repetidor de seta nos retrovisores. Porém, não conta com sistema de som: apenas preparação com quatro alto-falantes. O propulsor é o 1.8 flex aspirado de 139 cv e 19,27 kgfm, gerenciado pelo câmbio automático de seis velocidades.

Citroen C4 Cactus Feel Business -  -

Por fim, o Citroën C4 Cactus Feel Business (R$ 54.655), o quinto colocado no ranking de vendas de SUVs PCD, sai da fábrica com dois airbags, Isofix, controles de tração e estabilidade com assistente de partida em aclive, rodas de liga leve de 17 polegadas, controle de velocidade de cruzeiro, volante multifuncional, faróis de neblina e barras de teto.

Da mesma forma que o Tracker e o T-Cross, oferece de série central multimídia, no caso com tela sensível ao toque de sete polegadas com Android Auto e Apple CarPlay. Um diferencial do Citroën é o painel de instrumentos 100% digital, embora em tela monocromática que não oferece muitas personalizações. Também oferece luzes diurnas de LEDs.

A parte mecânica é composta por motor 1.6 flex, também aspirado, de 118 cv e 16,1 kgfm, acompanhado de câmbio automático de seis velocidades.