PUBLICIDADE
Topo

Carro usado: veja cuidados e macetes para identificar se ele já foi batido

Antes de fechar negócio em um carro usado ou seminovo, certifique-se de que o veículo não se envolveu em uma colisão com danos estruturais - Juca Varella/Folha Imagem
Antes de fechar negócio em um carro usado ou seminovo, certifique-se de que o veículo não se envolveu em uma colisão com danos estruturais
Imagem: Juca Varella/Folha Imagem

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

14/06/2020 04h00

Um dos maiores temores ao comprar um carro usado é que ele já tenha batido, especialmente se a colisão causou algum dano estrutural sério.

De posse da placa e do Renavam, é possível verificar no site do Detran (Departamento Estadual de Trânsito) várias informações sobre determinado veículo.

Essa consulta mostra, por exemplo, o resultado das vistorias obrigatórias de transferência, caso o automóvel tenha trocado de dono uma ou mais vezes anteriormente.

Além disso, existe o serviço de vistoria cautelar, oferecido por empresas credenciadas pelo Detran onde o carro está registrado.

Essa vistoria tem custo e avalia diversos itens em busca de sinais adulteração, como numeração de chassi, motor, câmbio e vidros, bem como etiquetas de identificação.

Também é checado se há registro de sinistro, roubo, furto, leilão e bloqueio judicial. A vistoria cautelar verifica, ainda, diversas partes do carro para saber se foram reparadas, como longarinas, painéis dianteiro e traseiro, laterais e teto.

Essas informações, incluindo fotografias, são reunidas em um laudo para atestar as reais condições físicas e legais do automóvel.

'Olho clínico'

Funilaria e pintura carro batido - Divulgação - Divulgação
Basta observar os locais certos e com atenção para descobrir indícios de reparos
Imagem: Divulgação

Porém, mesmo dispensando a vistoria, é possível você mesmo checar indícios de que o usado pretendido já se envolveu em uma batida mais forte.

A primeira dica é fazer essa inspeção em local bem iluminado, de preferência em área aberta e sob o sol.

"Um bom olho clínico consegue distinguir o tom da pintura recondicionada da original. Além disso, marcas na cabeça dos parafusos sempre entregam a ocorrência de desmontagem, se o reparo envolveu a troca de componentes", orienta Marco Colosio, diretor da seção regional de São Paulo da SAE Brasil.

Outra orientação do especialista é checar as soldas das chapas metálicas da carroceria e/ou do chassi.

"Se ocorreu soldagem, dai fica bem mais fácil de perceber que houve uma batida. A remoção de proteções internas revela o processo de reparo e também a presença de solda MIG [realizada com arame consumível] no lugar da solda ponto feita na fábrica", complementa.

Colosio também destaca que, dependendo da batida, é comum encontrar desalinhamento de peças montadas e também vãos de portas e capô alterados.

O consultor de automóveis seminovos Flávio Figueiredo orienta a abrir e fechar o capô, bem como todas as portas, para verificar se tudo está alinhado e se encaixa como esperado.

Também é importante olhar com atenção o painel traseiro, na área onde o para-choque é encaixado.

"Veja se o painel apresenta ferrugem ou deformação na lataria. Isso pode sinalizar que houve uma colisão. Se o porta-malas estiver muito aberto de um lado, também é indício de batida".

Vale a pena, ainda, conferir o compartimento do motor.

Observe os parafusos que fixam os faróis e certifique-se de que o conjunto está alinhado em ambos os lados. Veja também se as etiquetas originais de fábrica, trazendo informações diversas, permanecem ali.