PUBLICIDADE
Topo

Cristalização e polimento valem a pena? Como proteger pintura do seu carro

Quer manter seu carro sempre bonito? Processos como a cristalização podem ser uma boa ideia - Murilo Góes/UOL
Quer manter seu carro sempre bonito? Processos como a cristalização podem ser uma boa ideia
Imagem: Murilo Góes/UOL

Vitor Matsubara

Do UOL, em São Paulo (SP)

17/02/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Processos de proteção a pintura têm durações (e custos) diferentes
  • Polimento tira riscos que não tenham atingido a camada da pintura
  • Cristalização oferece proteção média por até seis meses
  • Vitrificação é mais duradoura e há tratamentos que protegem por até 10 anos

Dar um trato no visual do carro é um prazer para muita gente. É por isso que processos de polimento, cristalização e vitrificação são cada vez mais procurados por quem quer proteger a pintura do veículo. Mas existem diferenças importantes entre eles.

Antes de tudo é bom tomar alguns cuidados. O primeiro (e mais importante) é lavar seu carro em lugares especializados ou que realizem um serviço de boa qualidade. Nada de produtos abrasivos: basta apenas xampu neutro para tirar toda a sujeira sem danificar a pintura.

Observe também o processo de trabalho dos lavadores. Alguns profissionais começam a limpeza pela parte de baixo do veículo, e isso pode causar riscos na carroceria. Isso porque a bucha absorve parte da sujeira impregnada nas saias do carro, e o lavador pode esfregar partículas sólidas em toda a lataria. Justamente por isso é que um bom lava-rápido precisa ter uma bucha apenas para lavar as rodas.

Voltando ao assunto principal, veja abaixo uma breve explicação sobre cada processo:

Polimento

O polimento é um dos processos mais conhecidos e remove manchas, riscos e queimados. Porém, nem sempre ele pode ser aplicado.

"Riscos de diversas profundidades podem ser removidos, desde que tenham atingido apenas o verniz, e não a camada da pintura. Se isso acontece, a repintura é a única saída. Realizamos também a descontaminação da pintura, que é o processo de remoção de sujeira e outros detritos que sedimentam na carroceria do carro", afirma Rodolfo Nunes, proprietário da RNunes Higienização e Estética Automotiva.

Além disso, o bom polidor precisa avaliar a espessura do verniz da carroceria. É por meio dessa análise que é realizada a escolha da massa em relação ao grau de abrasividade. Recomenda-se, aliás, que o polimento não seja realizado com frequência na vida útil de um automóvel.

Outra dica valiosa é evitar a realização de polimento em um veículo novo. Apesar da possibilidade de existir imperfeições na pintura, é melhor conservar o verniz intacto de fábrica do que removê-lo sem necessidade.

Cristalização e vitrificação

Ambos são processos que visam proteger a pintura. A maior diferença entre eles está no tempo de duração - e no preço, é claro.

"A cristalização é um processo mais parecido com o enceramento no qual é aplicada uma cera chamada de selante sintético. Se o proprietário do veículo realizar a manutenção corretamente, a cristalização pode durar por até seis meses", diz Nunes.

Já a vitrificação é uma espécie de "evolução" da cristalização. Sua principal propriedade é ser mais duradoura, sendo que o tratamento é capaz até de repelir água das chuvas.

"Na vitrificação é aplicado um produto chamado vitrificador, que é feito a base de sílica, mesmo material da base do vidro. Ela cria um 'filme' de proteção que é mais resistente do que nos outros processos e pode durar de 1 a 10 anos. A média de duração de uma vitrificação é de até três anos", afirma Rodolfo, ressaltando que o dono do veículo precisa realizar manutenções anuais para fixação do processo.

Meu carro