Topo

Seu Automóvel


Seu Automóvel

Corolla híbrido falta em lojas e Toyota usa embalo para desovar Prius

Versão híbrida flex do Corolla está em falta nas concessionárias; motor elétrico e baterias são importados do Japão - Murilo Góes/UOL
Versão híbrida flex do Corolla está em falta nas concessionárias; motor elétrico e baterias são importados do Japão
Imagem: Murilo Góes/UOL

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

29/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Vice-presidente da Toyota diz que fila de espera do Corolla Hybrid é de até 3 meses
  • Vendas do Prius despencaram após Toyota confirmar novo Corolla híbrido flex
  • Porém, emplacamentos do Prius voltaram a crescer por falta de Corolla híbrido
  • Prius é mais caro que Corolla, mas não tem tecnologia flex e traz menos equipamentos

A demanda pelo novo Corolla híbrido flex tem sido tão grande que hoje há fila de espera de até três meses na rede de concessionárias.

Enquanto a Toyota não dá conta de produzir a quantidade necessária para atender os clientes, a falta de Corolla híbrido tem servido de argumento para vender Prius - que traz plataforma e conjunto motriz idênticos, porém bebe apenas gasolina, oferece menos equipamentos e custa quase a mesma coisa. Sem contar o visual que divide opiniões.

Em entrevista a UOL Carros, Miguel Fonseca, vice-presidente executivo da Toyota do Brasil, revelou que hoje a empresa tem aproximadamente 2,5 mil clientes aguardando para receber seu Corolla híbrido bicombustível.

Porém, a fábrica de Indaiatuba (SP), que recebeu investimento de R$ 1 bilhão para fazer a 12ª geração do sedã médio mais vendido do Brasil, tem capacidade para fabricar cerca de 1,1 mil unidades da versão híbrida flex por mês, de acordo com o executivo.

"Estamos com cerca de dois meses e meio, quase três meses de espera pelo Corolla híbrido. Infelizmente, porque gostaríamos de atender esses clientes o mais rápido possível. Estamos no limite da produção, a produção pode aumentar, mas a restrição está nas baterias e nos motores elétricos que nós importamos do Japão", explica Fonseca.

O vice-presidente admite que atualmente o Corolla Hybrid é "superior em termos de valor" ao Prius, cujas vendas despencaram assim que a montadora confirmou o lançamento do primeiro no País, há cerca de um ano. Segundo ele, o Prius tinha entre 200 e 300 emplacamentos por mês, volume que caiu para algo entre 20 e 30 exemplares a cada 30 dias - ou cerca de 10% do montante anterior.

Lançado em 1997, Prius foi o 1º carro híbrido produzido em larga escala no mundo; visual é polêmico - Toyota
Lançado em 1997, Prius foi o 1º carro híbrido produzido em larga escala no mundo; visual é polêmico
Imagem: Toyota

"Nesse momento sem dúvida o Corolla em termos de valor é superior ao Prius, não temos que esconder porque é a realidade. Das pessoas que compravam o Prius, a minoria comprava pelo desenho e a maioria por outras razões. Essa maioria já está comprando o Corolla".

A título de comparação, atualmente o Prius é comercializado em versão única com preço sugerido de R$ 128.530, enquanto o Corolla Altis, que traz trem de força híbrido flex, parte de R$ 124.990 e chega a R$ 130.990 com o pacote Premium, que agrega teto solar, banco do motorista com ajustes elétricos, ar-condicionado digital de duas zonas, sensor de chuva e retrovisores com rebatimento elétrico.

O detalhe é que, mesmo na versão mais barata, o Corolla Hybrid traz recursos como controle de velocidade de cruzeiro adaptativo, alerta de colisão com frenagem automática de emergência e alerta de mudança involuntária de faixa - indisponíveis no Prius.

Curiosamente, com a falta de Corolla híbrido flex em estoque, disse Fonseca, as vendas do Prius subiram nos dois primeiros meses de mercado da nova geração do sedã. "As vendas de Prius aumentaram porque há uma fila muito grande pelo Corolla e há disponibilidade de Prius", afirmou.

De acordo com a Fenabrave, em setembro houve 71 licenciamentos do Prius, ante 51 unidades em agosto, quando o novo Corolla ainda não havia estreado. Uma elevação de pouco mais de 39%.

Prius não será flex

Questionado se ainda faz sentido vender o Prius no Brasil, Miguel Fonseca diz que sim.

"O Prius vai continuar em linha, a gente vai continuar a desenvolvê-lo, até porque é o nosso carro-chefe quando se trata de inovação tecnológica. Desde 1997 que ele assume esse papel", afirmou o executivo, segundo o qual o Prius "continua sendo uma proposta interessante, um carro eficiente, inovador, confortável, com todos os atributos que sempre teve". "Ele se distingue hoje do Corolla sobretudo no design", destacou.

Fonseca acrescentou, dizendo que hoje não dá para vender o Prius por preço menor "por ser importado". Ele também negou planos de aproveitar o desenvolvimento do Corolla para agregar a tecnologia bicombustivel ao pioneiro dos híbridos.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Seu Automóvel