Topo

Testes e lançamentos


Testamos: Arrizo 5e traz bom conjunto, mas é caro como todo carro elétrico

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

02/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Versão elétrica do sedã da Caoa Chery chega em janeiro de 2020
  • Preço de R$ 160 mil é mais que o dobro do valor da configuração flex
  • Aceleração instantânea e acerto dinâmico agradam
  • Baterias de boa capacidade prometem até 320 km de autonomia

Se até recentemente os carros elétricos eram apenas uma promessa no Brasil, 2019 tem sido o ano da chegada de veículos a baterias ao País. No entanto, ainda têm preço elevado e, por isso mesmo, público restrito. O Caoa Chery Arrizo 5e, que estreia nas concessionárias em janeiro de 2020 por R$ 159,9 mil, não foge à regra.

A novidade chega importada da China, posicionada como o único sedã 100% elétrico disponível atualmente em nosso mercado - os demais são hatches ou SUVs. Por trazer carroceria mais baixa que a de utilitários esportivos e descer mais ainda o centro de gravidade por conta das baterias instaladas no assoalho, é de se esperar que entregue uma condução mais afiada e divertida que SUVs eletrificados.

Em rápido contato inicial ao volante, pudemos constatar que a resposta é sim. Como todo o carro elétrico, o Arrizo 5e oferece torque instantâneo, desde o primeiro giro do motor, o que confere aceleração digna de veículos a combustão possantes. Com bons 28,1 kgfm à disposição, é muito fácil fazer uma ultrapassagem para trocar de faixa no trânsito, por exemplo.

"Foguete" na cidade

E é justamente em velocidades mais baixas que o sedã brilha. Com a condução ajustada no modo Sport, a fabricante informa que o Arrizo 5e sai da imobilidade e atinge os 50 km/h em 4,8 segundos, o que faze dele um "foguete" na cidade. Basta pisar e as costas "colam" no banco. Porém, se prioridade for autonomia, o modo eco reduz o ímpeto e limita a velocidade a 100 km/h. Mesmo nesse ajuste, o sedã continua bem esperto.

Como não tem motor a combustão e faz quase nenhum ruído, exceto um suave som de nave especial ao acelerar mais forte, o carro emite um bipe a velocidades mais baixas para alertar pedestres. O recurso de segurança pode ser desativado.

Além bom fôlego, o modelo da Caoa Chery agrada pelo acerto das suspensões e da direção com assistência elétrica. Apesar dos 1.520 kg em ordem de marcha, dos quais 390 kg são apenas de baterias, é um veículo bom de curva e bem postado no asfalto, com suas rodas de 16 polegadas.

Essa sensação foi reforçada ao rodar em trecho rodoviário, apesar de a aceleração já não ser tão empolgante em velocidades mais altas.

O Arrizo 5e traz baterias de íons de lítio de 53,5 kWh, capacidade que no Brasil perde apenas para os 60 kWh do Chevrolet Bolt, que ainda nem chegou às lojas - o lançamento do elétrico da General Motors acontece este mês. A Caoa Chery diz que a autonomia chega a cerca 320 km. Não tivemos a chance de rodar até esgotá-las para comprovar a promessa, mas ficou a impressão que a estimativa pode ser atingida no mundo real.

Baterias parrudas

Recarga das baterias de 53,5 kWh é feita com carregador plugado em porta instalada na dianteira - Divulgação
Recarga das baterias de 53,5 kWh é feita com carregador plugado em porta instalada na dianteira
Imagem: Divulgação

Também não tivemos a chance de avaliar o tempo de recarga - com o carregador portátil incluído no preço, a montadora afirma que demora até 20 horas para preencher 80% da carga em uma tomada de 220 V. O tempo cai para cerca de oito horas em carregador semirrápido de parede, que tem de ser adquirido à parte, com preço dependendo do modelo e da marca escolhidos.

Como outros automóveis elétricos, o sedã permite ajustar intensidades diferentes de recarga das baterias nas desacelerações, nas quais o motor temporariamente é convertido em um gerador que "segura" o veículo ao tirar o pé do pedal.

Não chega a atuar com tanta intensidade como no Nissan Leaf, que permite rodar a maior parte do tempo usando apenas o pedal do acelerador, mas é essencial para ampliar a duração das baterias, especialmente nos congestionamentos em circuito urbano.

Com preço quase R$ 100 mil acima dos R$ 66 mil cobrados pela versão de entrada do Arrizo 5 flex, o Arrizo 5e traz, como seria de se esperar, ampla lista de itens de série, como teto solar, ar-condicionado digital, bancos com revestimento sintético similar a couro, assentos dianteiros aquecidos, controle de velocidade de cruzeiro e freio de estacionamento eletrônico com função auto hold, que mantém o carro brecado ao tirar o pé do acelerador.

Também conta com controles de tração e estabilidade com assistente de partida em rampa, câmera de ré, sensores de estacionamento traseiros e Isofix para fixação de cadeirinhas infantis. Porém, traz apenas o obrigatório airbag duplo frontal. Pelo preço, poderia oferecer mais itens de segurança.

Vale destacar também a central multimídia com tela vertical de dez polegadas, que reúne os comandos de climatização e o monitoramento do sistema elétrico, incluindo a recarga das baterias nas desacelerações. No entanto, a posição da tela causa reflexos dependendo da posição do sol, dificultando a leitura.

Acabamento agrada

Padrão de acabamento interno é bom; bancos com material sintético têm costuras azuis aparentes - Divulgação
Padrão de acabamento interno é bom; bancos com material sintético têm costuras azuis aparentes
Imagem: Divulgação

No geral, o acabamento interno merece elogios, com peças bem encaixadas, superfícies macias ao toque e detalhes com aparência de metal. O painel de instrumentos digital e colorido, por outro lado, tem leitura um pouco confusa e poderia trazer melhor resolução, mas nada que comprometa a sensação geral de qualidade na parte interna.

A adaptação do Arrizo 5 para se tornar elétrico não alterou as dimensões externas, um pouco maiores que as do Volkswagen Virtus - ambos compartilham o entre-eixos de 2,65 metros. No entanto, as baterias instaladas no assoalho acabam "roubando" um pouco do espaço disponível para os ocupantes.

No banco traseiro, é necessário dobrar mais os joelhos como em picapes, prejudicando um pouco o conforto. A impressão é de que a altura do assento não foi alterada, enquanto a área onde vão os pés ficou mais alta, por causa das baterias.

Ao mesmo tempo, a capacidade do porta-malas foi mantida nos medianos 430 litros.

Em compensação, por trazer as mesmas peças de estamparia e compartilhar mais de 75% dos componentes com o Arrizo flex, a variante elétrica promete oferecer manutenção mais fácil em relação a modelos vendidos exclusivamente em configuração a baterias.

O Arrizo 5e é um produto bem feito, bom de dirigir e com autonomia decente. É, sim, uma opção a se considerar caso você esteja atrás de um carro 100% elétrico e tenha disposição e bala na agulha para desembolsar R$ 160 mil nele.

É um pouco mais caro que o JAC iEV40 (R$ 153.990) e o Renault Zoe (R$ 149.990). E é bem mais barato que o Nissan Leaf (R$ 195 mil), oferecendo baterias de maior capacidade que o trio.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Ficha técnica: Caoa Chery Arrizo 5e

Motor: elétrico

Potência: 90 kw/122 cv

Torque: 28,1 kgfm a 1 rpm

Câmbio: automático de 1 marcha

Aceleração de 0 a 50 km/h: 4,8 s

Velocidade máxima: 152 km/h

Autonomia: 322 km de acordo com norma do Inmetro

Capacidade das baterias: 53,5 kWh

Tempo de recarga: de zero a 90% em até 20 horas em tomada 220 V

Dimensões: 4,54 m de comprimento, 1,81 metro de largura, 1,49 metro de altura, 2,65 m de entre-eixos

Porta-malas: 430 litros

Peso em ordem de marcha: 1.520 kg

Preço: R$ 159.900

Testes e lançamentos