Topo

Seu Automóvel


Seu Automóvel

Controle de estabilidade: quando posso desligar o ESP e quais são os riscos

Botão do ESP geralmente traz a ilustração de um carro derrapando. Item deve ser desligado só em 2 situações - Divulgação
Botão do ESP geralmente traz a ilustração de um carro derrapando. Item deve ser desligado só em 2 situações Imagem: Divulgação

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

23/09/2019 04h00

Conhecido pela sigla ESP, o controle de estabilidade, que agrega o controle de tração, será item obrigatório em todos os veículos novos comercializados no Brasil em 2022. A partir do ano que vem, terá de equipar todos os modelos inéditos lançados no País.

Como o prazo estabelecido pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito) se aproxima, cada vez mais carros já trazem o item de segurança, chamado em inglês de electronic stability program - vide o exemplo dos novos Chevrolet Onix e Hyundai HB20.

A maioria dos automóveis com ESP traz um botão para desligar o equipamento, geralmente identificado com as três letras e a palavra inglesa off (desligar). Em alguns, a inscrição é acompanhada do desenho de um carro derrapando. Aí fica a dúvida: em quais situações esse botão deve ser pressionado? Já adiantamos: quase nunca.

ESP é importante para evitar derrapagens e até capotamentos, especialmente com pista molhada - Reprodução
ESP é importante para evitar derrapagens e até capotamentos, especialmente com pista molhada
Imagem: Reprodução

"Ao rodar em estradas de terra, com pedregulhos e baixa tração nos pneus, às vezes o ESP atrapalha e pode ser desligado", diz Camilo Adas, conselheiro de tecnologia e inovação da SAE Brasil.

Segundo o engenheiro, o dispositivo funciona em conjunto com o ABS, ajustando os freios e o envio de torque às rodas para manter a tração dos pneus no solo o máximo possível - e segurar o veículo na trajetória desejada, brecando rodas individualmente para evitar uma derrapagem, se necessário. Trabalha para que elas não girem em falso, o que pode ser um problema em vias não asfaltadas.

"Naturalmente, uma estrada de terra proporciona mais deslizamento das rodas. Mesmo derrapando, qualquer atrito do pneu no solo ajuda a sair de determinada situação. Cabe ao motorista dosar o torque no pedal do acelerador. Porém, o ESP tira esse controle do condutor ao prevenir que o carro patine", explica.

A recomendação tem suas ressalvas: há veículos, especialmente modelos projetados para rodar na terra, que trazem ESP com calibragem específica para condução fora de estrada. Nesse caso, os controles de estabilidade e tração devem permanecer ativos. Na dúvida, consulte o manual do proprietário.

Vale destacar que, mesmo apertando o botão, a maioria dos automóveis não desativa totalmente o equipamento, exceto modelos esportivos específicos.

Track day também vale

A segunda situação na qual o ESP pode ser desativado é ao participar de um track day em pista fechada, quando é desejável ter o carro mais "na mão". "Nesse caso, é até bem-vindo desligar, porque a tecnologia interfere demais no comportamento do carro, por interpretar risco de acidente".

Nunca é demais dizer: acelerar em autódromo requer experiência.

Exceto nessas duas condições, a recomendação do especialista é sempre deixar o dispositivo ligado. "O ESP é primordial para evitar acidentes como aquaplanagem".

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Mais Seu Automóvel