Topo

Seu Automóvel


Seu Automóvel

Seguro do carro tende a ficar mais caro após divórcio, aponta estudo

Levantamento baseado em estatísticas de sinistros aponta que pessoas separadas tendem a assumir mais riscos com o carro - Getty Images/Tetra images RF
Levantamento baseado em estatísticas de sinistros aponta que pessoas separadas tendem a assumir mais riscos com o carro
Imagem: Getty Images/Tetra images RF

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

28/08/2019 07h00

Resumo da notícia

  • Conclusão é da ComparaOnline, plataforma de cotação de seguros
  • Estatísticas apontam que, após divórcio, cliente se arrisca mais
  • Reajuste em geral é maior para homens do que para mulheres
  • Cliente tem responsabilidade de comunicar divórcio à seguradora

Você sabia que o estado civil afeta o preço do seguro do automóvel? O custo da apólice tende a ficar mais alto ao cliente após o divórcio, especialmente se ele for do sexo masculino. A constatação é da ComparaOnline, plataforma de cotação de seguros e produtos financeiros, com base em estatísticas do setor.

De acordo com Paulo Marchetti, CEO da empresa, em média o preço do seguro sobe 14% para homens solteiros, na comparação com o período em que estavam casados, enquanto mulheres costumam pagar 11,5% a mais na mesma condição.

"O cliente divorciado costuma mudar sua rotina social, gerando mais propensão a riscos que o solteiro. Depois da separação, as pessoas costumam sair mais, inclusive com o automóvel, elevando a possibilidade de sinistro", explica o executivo.

Marchetti destaca que o reajuste no seguro em média é maior para homens porque eles, de fato, assumem mais riscos ao volante - independentemente do estado civil.

"Após determinada faixa idade, dependendo do poder aquisitivo, muitos homens compram carros esportivos para se exibirem. Também saem mais à noite, bebem mais e têm mais incidência de perda total causada a terceiros, com base no histórico de sinistros, na comparação com mulheres", analisa o CEO.

De acordo com ele, a análise descartou clientes com idade inferior a 25 anos, considerados de alto risco, e utilizou como base de comparação sempre o mesmo perfil, considerando idade, endereço e automóvel segurado. Só muda o estado civil.

Para Marchetti, essa tendência de o seguro encarecer após o divórcio se baseia na frieza dos números, porém poderia haver mais personalização de acordo com o cliente. "Nem todo o divorciado é igual e os preços podem variar de acordo com o relacionamento do cliente com a seguradora e seu histórico. Aplicativos de telemetria, que analisam o estilo de condução com base nos sensores do celular, são ferramentas que podem aferir como a pessoa dirige e oferecer preços mais atraentes".

Aviso à seguradora

Vamos combinar que, para elevar o preço da apólice, a seguradora precisa ser informada do divórcio ou do fim de uma relação estável. Essa responsabilidade é do cliente, que precisa fazer o "endosso da apólice", explica o CEO da ComparaOnline. "O seguro pressupõe uma relação de confiança entre o cliente e a seguradora quanto à veracidade das informações passadas. O endosso da apólice acontece sempre que há alguma alteração em relação à contratação original, como troca de endereço e, evidentemente, mudança de estado civil".

O executivo explica que esse endosso vai gerar uma diferença a ser paga, seja para mais ou para menos. "A pessoa que se divorciou tende a pagar mais, porém se mudar para um bairro com menos incidência de roubos, por exemplo, vai baratear a apólice".

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Mais Seu Automóvel