Topo

Testes e lançamentos


Testamos: Lexus UX é SUV híbrido supereconômico que peita Volvo e Mercedes

Vitor Matsubara

Do UOL, em São Paulo (SP)

12/08/2019 07h00

Resumo da notícia

  • SUV compacto de luxo tem potência combinada de 181 cv
  • Design esportivo é destaque; porte lembra o do Mercedes GLA
  • Carro é muito econômico, chegando a fazer 20 km/l na cidade

Algumas crenças são difíceis de serem mudadas. Com carro de luxo é assim: muita gente acha que Audi, BMW e Mercedes-Benz são as únicas opções no segmento premium. Esse é o tamanho do desafio da Lexus no mercado brasileiro. Até agora o objetivo está sendo cumprido: a marca projeta um crescimento de 29% em 2019, e parte fundamental deste resultado está na estreia do UX.

Lançado mundialmente no fim de 2018, o SUV compacto acaba de chegar ao país. Está à venda apenas na versão 250 h com três opções de acabamento: Dynamic (R$ 173.490), Luxury (R$ 193.990) e F-Sport (R$ 214.490). Foi justamente a configuração mais barata a avaliada por UOL Carros.

GLA, é você?

A Lexus parece ter escolhido uma boa referência antes de desenvolver o UX.: o Mercedes-Benz GLA. As semelhanças já surgem no porte: enquanto o modelo alemão tem 4,41 metros de comprimento, 1,52 metro de altura, 1,80 metro de largura e 2,69 metros de distância entre eixos, o UX oferece 4,49 metros, 1,52 metro, 1,84 metro e 2,64 metros, respectivamente.

A proposta dos dois carros também são equivalentes, resultando em um jeitão mais de hatch anabolizado do que um SUV clássico. Evidentemente algumas características resistiram, como a sensação de imponência ao volante e a posição mais alta de dirigir, mas nada de carroceria com ampla área envidraçada e teto mais alto. Vale frisar que isso é bom, pelo menos na opinião deste que vos fala.

Cabine tem ótimo nível de acabamento - Divulgação
Cabine tem ótimo nível de acabamento
Imagem: Divulgação

O espaço interno também é parecido nos dois carros, com exceção do porta-malas: o UX comporta apenas 234 litros, menos até do que os 257 litros do Ford Ka. Também é muito aquém dos 437 litros oferecidos pelo GLA. Se serve de consolo, o compartimento de bagagem do Lexus tem uma bandeja abaixo do assoalho para acomodar pequenos objetos.

Que bonito é

O UX tem personalidade de sobra diante dos concorrentes. O design ousado dos modelos da Lexus parece feito sob medida para o modelo. Da grade frontal "spindle" aos vincos espalhados pela carroceria, o SUV se destaca em meio ao trânsito. A traseira é vistosa por conta do filete de LEDs que interliga as lanternas, criando um belo efeito visual à noite.

A cabine tem aparência mais comedida, adotando um estilo mais sóbrio. Materiais de boa qualidade são empregados no acabamento, incluindo couro e um revestimento emborrachado inspirado em um tipo de papel japonês chamado washi. Há uma nítida sensação de qualidade na construção, típica dos veículos alemães. Só faltou um pouco de esmero nos apliques em preto brilhante no console central, que não condizem com o padrão do restante da cabine. Porém, trata-se apenas de um mero detalhe.

Anda bem e consome muito pouco

Esportividade não é a premissa do UX - pelo menos não na versão Dynamic. Mesmo assim, o SUV entrega bom desempenho. Oferecido apenas na versão 250h, ele combina um motor 2.0 aspirado de ciclo Atkinson, com 145 cv e 18,8 kgfm, a um motor elétrico de 107 cv e 20,2 kgfm. Segundo a Lexus, a potência combinada é de 181 cv - e isso não é um erro de cálculo, e sim um dado de fábrica. Já o torque não pode ser combinado, daí o fato de ser informado separadamente.

São oferecidos três modos de condução: Normal, Eco e Sport. Nota-se uma diferença sensível nesta última configuração, que deixa o SUV mais ágil nas arrancadas.

Seja qual for sua escolha, fato é que o mesmo conjunto que deixa o NX um pouco preguiçoso "sobra" no UX. Números divulgados pela fabricante indicam aceleração de 0 a 100 km/h em 8,4 segundos e velocidade máxima de 177 km/h. A calibragem da direção, porém, é mais voltada para o conforto e é um pouco leve nas situações em que não deveria.

Design da traseira é ousado; lanternas são interligadas por régua de LEDs - Divulgação
Design da traseira é ousado; lanternas são interligadas por régua de LEDs
Imagem: Divulgação

A transmissão do UX foi batizada pela fabricante de "híbrida transeixo". Ela usa um eixo que liga o motor a combustão ao elétrico e ao alternador, que também faz as vezes de motor de arranque. Estes componentes são fixados a uma planetária diretamente no propulsor movido a gasolina. Uma caixa redutora é responsável por simular as seis marchas e entregar a potência e o torque gerados no eixo de transmissão às rodas.

A Lexus diz que outra vantagem é que a transmissão é mais compacta do que uma caixa CVT; Foi isso que permitiu aumentar o raio de giro do UX. São 34,2 polegadas de ângulo de giro, contra 37,4 do X1 e 38,8 do GLA.

Porém, nada se destaca mais no UX do que o consumo. Os números ainda não constam no Programa de Etiquetagem Veicular do Inmetro, mas não tivemos dificuldades de chegar perto dos 20 km/l em perímetro urbano. Na estrada, o UX faz uma média de 18 km/l. Foi por causa disso que rodamos mais de 300 km e o ponteiro do nível de combustível despencou menos de 1/4.

Até o momento, a Lexus é a primeira (e única) marca com uma linha 100% híbrida no mercado brasileiro. Talvez não representante tanto caso se preocupe mais com luxo, desempenho ou design. Porém, se você der um voto de confiança ao UX, são grandes as chances de se surpreender com o pacote equilibrado deste SUV.

Testes e lançamentos