Topo

Testes e lançamentos


Hyundai Creta 'completão' trata bem os ocupantes, mas peca no consumo

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

29/07/2019 07h00

Resumo da notícia

  • Versão de topo do SUV compacto custa R$ 107.990
  • Creta Prestige anda bem, mas consumo é elevado
  • Utilitário feito em Piracicaba (SP) ganhou pequenas alterações na linha 2020
  • Nova geração chega em cerca de dois anos com visual polêmico

Figura fácil dentre os SUVs mais vendidos, o Hyundai Creta estreia nova geração no Brasil em 2021, basicamente com a mesma frente polêmica apresentada em abril no Salão de Xangai, na China. Antes disso, porém, a marca sul-coreana lançou no começo deste mês a linha 2020 do SUV compacto, trazendo mudanças pontuais para manter as vendas aquecidas até lá.

UOL Carros avaliou durante uma semana a versão Prestige do Creta 2020, opção topo de linha com preço sugerido de R$ 107.990. Mesmo com alguns equipamentos novos e alterações nas rodas, na grade frontal e nos para-choques, o utilitário esportivo manteve essencialmente as qualidades e os defeitos que traz desde o seu lançamento no país, no começo de 2017.

A configuração Prestige é a única atualmente a trazer a opção de motor 2.0 flex de 166 cv e 20,5 kgfm de torque, gerenciado pelo câmbio automático de seis marchas - as demais vêm com a unidade 1.6 bicombustível de até 130 cv.

O motor do Creta mais caro é, ao mesmo tempo, uma das suas virtudes e também o ponto fraco: logo na arrancada, você percebe que tem muita força à disposição e, especialmente na estrada, traz segurança para acelerações e retomadas, casando bem com a transmissão de trocas suaves e no tempo certo. Porém, cobra a conta na hora de abastecer: com álcool no tanque, o consumo médio na cidade, em situações de maior congestionamento, ficou em torno de 4,5 km/l. No ciclo rodoviário, a melhor média que obtivemos foi de 10,5 km/l.

Resolveria a questão trocá-lo por uma unidade mais moderna, com injeção direta e turbo, a exemplo do que vai acontecer em breve com o HB20. Porém, o Creta só deve receber um propulsor desse nível na nova geração. O mais cotado é o 1.6 TGDI atualmente utilizado no New Tucson, que rende 177 cv e 27 kgfm. Pelo menos, a geração atual tem sistema "start-stop", que desliga automaticamente o motor em paradas rápidas para poupar combustível.

Bom de dirigir

Equipado com motor potente e "gastão", o Creta Prestige é um carro equilibrado, com suspensões bem calibradas, volante de boa empunhadura e posição de dirigir elevada - mesmo com o banco do motorista ajustado na posição mais baixa. É gostoso de guiar, para quem gosta de automóveis do tipo, e confortável - apesar de as rodas de 17 polegadas (com novo desenho) tornarem buracos e irregularidades do piso mais perceptíveis. A direção elétrica é bem leve para manobrar e reduz a assistência em velocidades mais altas.

Por dentro, o principal destaque é o ótimo isolamento acústico para um veículo nessa faixa de preço. Na configuração Prestige, a cabine mantém o acabamento em duas cores, combinando o preto e o marrom no painel e na parte interna das portas. Na linha 2020, os bancos de couro sintético também passam a ser bicolores, mesclando o marrom e o bege - como anteriormente, o assento do motorista é ventilado, um diferencial em sua categoria. Vale destacar que, opcionalmente, o acabamento pode vir na cor preta.

No geral, os comandos simples e o painel de fácil visualização agradam, enquanto as peças de acabamento são de plástico, porém com superfícies agradáveis ao toque - nada de painel emborrachado na parte superior. Outro ponto a se destacar é o bom espaço para as pernas no banco traseiro e a saída do ar-condicionado para quem viaja atrás.

Quanto aos equipamentos, o Creta Prestige 2020 traz como novidades recarga de celular sem fio no console central, espelho retrovisor interno que evita automaticamente o ofuscamento e rebatimento ou abertura automática dos retrovisores externos por aproximação. Basta estar com a chave no bolso ou com a chave presencial em forma de pulseira Key Band - que, aliás, deixa de ser um acessório de quase R$ 1.000 para vir de série nessa versão.

Foi uma decisão acertada da Hyundai, já que, pelo preço cobrado, valia mais a pena investir em um smartwatch de verdade.

De resto, o Creta ainda carece de recursos mais avançados, como assistentes semiautônomos à condução, disponíveis em modelos da concorrência. No entanto, apenas na troca de geração ele terá esse incremento.

Ficha técnica: Hyundai Creta Prestige 2020

Motor: 2.0, 16V, flex, 4 cilindros

Potência: 166/156 cv a 6.200 rpm

Torque: 20,5/19,1 kgfm a 4.700 rpm

Câmbio: automático de 6 marchas

Aceleração de 0 a 100 km/h: 9,7 s

Velocidade máxima: 188 km/h

Tanque: 55 litros

Dimensões: 4,27 m de comprimento, 1,78 metro de largura, 1,63 metro de altura, 2,59 m de entre-eixos

Porta-malas: 431 litros

Preço: R$ 107.990

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Tabela Fipe

Você sabe quanto variou o preço do seu carro nos últimos meses?

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado no vídeo desta reportagem, as novas rodas do Hyundai Creta Prestige não são as mesmas usadas na versão Sport. A informação já foi corrigida.

Testes e lançamentos