Topo

Carros


Carros

Fiat Chrysler retira oferta de fusão com a Renault

FCA e Renault -  MARCO BERTORELLO/AFP
FCA e Renault
Imagem: MARCO BERTORELLO/AFP

Da EFE

Em Londres (Reino Unido)

05/06/2019 22h37

A direção do grupo Fiat Chrysler anunciou hoje que retirou a proposta de fusão feita à Renault por considerar que faltam condições políticas necessárias na França para que a negociação seja um sucesso.

No comunicado em que anunciou a decisão, a Fiat Chrysler disse seguir "firmemente convencida" quanto à razão "convincente e transformadora" da proposta, avaliada em US$ 40 bilhões.

Mais cedo, o Conselho de Administração da Renault informou que, a pedido do governo da França, principal acionista da empresa, adiaria a decisão sobre a sequência das negociações entre as empresas.

Na nota, a Fiat Chrysler ressalta que a proposta continha "termos cuidadosamente equilibrados para oferecer lucros substanciais a todas as partes". A empresa ainda argumenta que "ficou claro que as condições políticas na França não existem atualmente para que tal combinação prossiga com sucesso".

A direção da Fiat Chrysler agradeceu ao grupo Renault pelo "compromisso construtivo" e disse que seguirá tomando as medidas necessárias para implementar sua estratégia empresarial.

A decisão sobre a sequência das negociações era prevista para ontem, quando o Conselho de Administração da Renault informou sobre o primeiro adiamento. Parte da resistência ao acordo vinha do governo da França, mas também havia pressão de Nissan e Mitsubishi, que mantêm uma aliança com a montadora francesa.

O ministro de Finanças da França, Bruno Le Maire, justificou o pedido do novo adiamento em entrevista à emissora "RMC", na qual afirmou que era necessário estudar melhor as condições da fusão.

"Queremos fazer essa fusão, mas não com qualquer condição e sim com as que nós estabelecemos. Levaremos o tempo necessário", disse.

O governo da França exigia garantias de que os empregos dos 46 mil funcionários da Renault no país seriam mantidos e de que teria representação na direção da nova empresa que surgiria da fusão.

Já o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, também tinha se pronunciado em defesa dos interesses dos italianos e afirmou ontem que acompanhava as negociações com atenção, esperando que a fusão não provocasse demissões no país.

Carros