Topo

Testes e lançamentos


Ford Edge fica mais caro, potente e tecnológico em 10 anos de Brasil

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo

24/04/2019 19h03

Resumo da notícia

  • Versão ST, lançada no fim do ano passado, custa R$ 299 mil
  • Edge original, lançado em 2008, tinha preço de R$ 149.700
  • Novo Edge rende 335 cv e há 10 anos entregava 269 cv
  • Nova configuração substitui versão Titanium com mais potência e tecnologia

Mais de dez anos após seu lançamento no Brasil, o Ford Edge passou por uma troca de geração, duas reestilizações e hoje permanece como o SUV de maior porte e mais sofisticado da marca à venda no país. De lá para cá, muita coisa mudou. A principal é que agora o Edge traz novas personalidade e proposta: quer ser um veículo familiar, espaçoso e confortável, e ao mesmo tempo oferecer alta performance.

Desde novembro do ano passado, quando foi atração da Ford no Salão do Automóvel de São Paulo, o novo Edge passou a ser oferecido exclusivamente na versão de topo ST pelo preço sugerido de R$ 299.000. É um reajuste considerável em relação aos R$ 240 mil anteriormente cobrados pela configuração Titanium, então a única disponível, e muito além dos R$ 149.700 cobrados pelo Edge há uma década, quando a cotação do dólar estava abaixo de R$ 2 -- desde o início, o SUV é importado do Canadá.

Mas o preço bem mais alto compensa o que você leva a mais?

Além de trazer retoques visuais na comparação com o Edge anterior, o ST chegou com detalhes estéticos e mecânicos exclusivos da versão, para cativar uma fatia maior de público e mirar potenciais clientes de SUVs premium com alta potência, a um preço competitivo.

As denominação ST tem um significado relevante: posicionada logo abaixo da linha RS, ela designa versões mais fortes de carros convencionais da marca norte-americana, como Focus e Fiesta vendidos no exterior. É a primeira vez que um ST é comercializado aqui de forma oficial.

Essa injeção de personalidade no utilitário esportivo é traduzida em números: sai de cena o ultrapassado motor 3.5 V6 aspirado, que rendia 284 cv e 34,16 kgfm e era utilizado desde o lançamento do SUV no país -- há dez anos, ele gerava 269 cv.

Entra em cartaz o moderno e mais compacto 2.7 V6 biturbo, com injeção direta de gasolina e capaz de render 335 cv e 54,5 kgmf, um belo salto, especialmente no torque. Antes, o câmbio automático tinha seis marchas, contra oito do novo modelo, que é mais rápido, de acordo com a fabricante, e traz borboletas no volante para trocas manuais -- bem como modo esportivo. A tração integral está mantida e, no ST, pode mandar até 50% do torque para as rodas traseiras.

Acelera mais que Golf GTI

Com o novo conjunto, o Edge ST é capaz de fazer o zero a 100 km/h em 6,2 segundos (segundo a Ford), tempo melhor que o de um Volkswagen Golf GTI (7,2 segundos), isso em um automóvel que pesa pouco mais de duas toneladas -- contra 1.368 kg do VW. Além do motor (bem) mais forte, a nova versão traz molas 10% e 20% mais rígidas, respectivamente, nos eixos dianteiro e traseiro. Além disso, a barra estabilizadora frontal tem maior diâmetro.

Tudo isso, combinado com as rodas de liga leve escurecidas de 21 polegadas e os pneus de perfil baixo, proporciona menor rolagem da carroceria em curvas, sem comprometer o conforto a bordo, como pudemos comprovar -- o vão relativo ao solo não foi alterado. Mais um ingrediente da receita ST.

Essa receita é complementada com detalhes específicos: emblemas ST na grade (com padrão de colmeia) e na tampa traseira, aplique na parte inferior dos para-choques, faróis e lanternas de LEDs e escapamento duplo com ponteiras cromadas atrás. Por dentro, o SUV conta com bancos dianteiros esportivos de couro com costuras aparentes e emblema da Ford Performance (divisão de alto desempenho da Oval Azul) nas soleiras. O logotipo ST também pode ser visto nos encostos dianteiros, na base do volante e até na animação de entrada da central multimídia de oito polegadas com GPS integrado.

Na comparação com o Edge original, o tamanho continua generoso e pouco mudou, exceto a capacidade do porta-malas: o antigo, lançado lá em 2008, media 4,72 m de comprimento, 1,93 m de largura, 1,71 m de altura e 2,82 m de entre-eixos, oferecendo espaço para 500 litros de bagagens. O novíssimo ST tem, respectivamente, 4,79 m, 1,93 m, 1,73 m e 2,85 m, com porta-malas de 602 litros.

Condução semiautônoma e muito recheio

Como não poderia deixar de ser em sua faixa de preço, o Edge ST é muito bem equipado, até mais que a versão Titanium. Destaque para o pacote de condução semiautônoma CoPilot 360: é composto por alerta de colisão com frenagem automática de emergência, controle de velocidade de cruzeiro adaptativo (que funciona em congestionamentos), auxílio em manobras evasivas, monitoramento de ponto cego, alerta de tráfego traseiro com frenagem automática, luz alta automática e assistente de permanência na faixa -- que, agora, mantém o carro andando entre as faixas da pista, mas exige que o motorista reponha as mãos no volante a cada três segundos.

A lista dos equipamentos é extensa e traz, ainda, bancos dianteiros e traseiros aquecidos e ventilados, carregamento sem fio de celular, estacionamento semiautônomo, duas telas traseiras com DVD, USB e HDMI, teto solar panorâmico, sensor de chave, partida do motor por botão ou pela chave, volante e bancos dianteiros com ajustes elétricos (o do motorista com memória), luz ambiente personalizável e porta-malas com abertura e fechamento elétricos, sem necessidade de uso das mãos (basta passar o pé sob o para-choque). Também oferece som premium da marca dinamarquesa Bang & Olufsen, com 12 alto-falantes -- um incremento na comparação com o Edge Titanium.

A Ford não informa a expectativa mensal de vendas: a marca só diz que comercializou apenas 11 unidades durante o período de pré-venda, de novembro de 2018 até o fim de fevereiro. Bem menos que os 238 exemplares que a marca vendeu nos dois primeiros meses de mercado do Edge, há uma década. Os tempos (e os preços) são outros.

Ficha técnica

Motor: 2.7, V6, biturbo, gasolina
Potência: 335 cv a 5.000 rpm
Torque: 54,4 kgfm a 3.000 rpm
Máxima: 209 km/h
0-100 km/h: 6,2 s
Consumo: 7,3 km/l (cidade) e 9,4 km/l (estrada). Com gasolina
Dimensões: 4,79 m de comp.; 2,85 m de entre-eixos
Porta-malas: 602 litros
Peso: 2.031 kg
Preço: R$ 299.000

#Avaliação: Ford Ecosport sem estepe? Testamos a versão Titanium

UOL Carros

Mais Testes e lançamentos