Topo

Salão de Xangai


Salão de Xangai: Marca Jetta tem SUVs modernos, mas sedã é o Santana

Vitor Matsubara

Do UOL, em Xangai (China)

19/04/2019 07h00

Resumo da notícia

  • Nova marca do Grupo VW é só para o mercado chinês
  • Sedã VA3 é antigo Santana
  • São três modelos: VA3, VS5 e VS7
  • SUVs derivam de projetos Seat e Skoda

A Jetta, marca de baixo custo da Volkswagen, já está entre nós. Batizada com o nome do sedã que conhecemos bem, ela é resultado de parceria com a FAW, só vai existir na China e estreou em grande estilo no Salão de Xangai. A estratégia do grupo alemão, no entanto, tem pontos de maestria,mas também algumas bizarrices, na visão de UOL Carros.

Apostar nos SUVs é uma medida ousada, mas certeira, com grandes chances de ser bem-sucedida. Os modelos VS5 e VS7 derivam de projetos já existentes no Grupo Volkswagen. O primeiro é uma variação do Seat Ateca (ou do Skoda Kodiaq), que são equivalentes de submarcas europeias para o nosso Volkswagen T-Cross. É preciso lembrar que a VW também vende seu T-Cross na China.

Já o VS7 é uma versão rebatizada do Seat Tarraco/Skoda Kodiaq -- equivalentes ao nosso Tiguan Allspace.

Jetta VS5: por baixo desse visual, temos um T-Cross - Vitor Matsubara/UOL
Jetta VS5: por baixo desse visual, temos um T-Cross
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

Mais chances de vender

Na prática, isso significa custo praticamente zero no desenvolvimento dos veículos, uma vez que os projetos já estão prontos. E mais chances de vendas no maior mercado automotivo do mundo, atingindo clientes de diferentes bolsos.

Além disso, nenhuma outra fabricante de baixo custo tem os tipos de projetos que a Jetta está fazendo. Por outro lado, fica difícil imaginar um posicionamento de preço mais competitivo diante da concorrência.

É verdade que os SUVs são mais sofisticados do que um Dacia Duster ou até versões básicas de modelos que não são taxados de baixo custo, mas isso também deve se refletir no valor final. E isso pode ser arriscado em um segmento no qual o preço pode ser fundamental.

Interior do VA3, baseado no Santana chinês: simples e de custo baixo - Vitor Matsubara/UOL
Interior do VA3, baseado no Santana chinês: simples e de custo baixo
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

Sai que é sua... Santana?

Olhando por este lado, o VA3 surge como candidato mais forte ao sucesso. O sedã é baseado no modelo até então conhecido como Santana.

No caso, a geração mais recente para o mercado chinês, que complementou a linha descontinuada no Brasil há 13 anos, mas vendida na China por muito tempo.

Isso porque o VA3 não tem um projeto sofisticado como os SUVs -- e isso pode garantir um preço mais baixo.

O acabamento é simples e as linhas do painel deixam claro que o VA3 não é um projeto tão recente assim. Há espaço suficiente no banco de trás, embora não seja tão generoso como em alguns dos modelos citados acima.

Infelizmente nenhuma informação sobre os carros foi liberada pela empresa durante o Salão de Xangai.

Enquanto isso, a Volkswagen aposta que a marca Jetta será muito bem recebida entre os jovens.

"Estamos escrevendo um novo capítulo na história da VW com esta marca que traz design e tecnologia a modelos feitos para atender as necessidades de condução de jovens usuários", declarou Jürgen Stackmann, do conselho administrativo da Volkswagen e responsável por vendas da nova marca.

As vendas dirão se a aposta de transformar um nome bom em uma marca para ganhar dinheiro com carros mais acessíveis foi realmente boa.

* Viagem a convite da Caoa Chery

Mais Salão de Xangai