Topo

Mobilidade


Gosta do cheiro de gasolina? Na Suécia já está virando experiência de museu

Vatenfall, muse do combustível fóssil - Divulgação/Vatenfall
Vatenfall, muse do combustível fóssil
Imagem: Divulgação/Vatenfall

Lars Paulsson

31/08/2019 07h00

Do rugido de um motor de combustão à sensação de encher um carro que consome muito combustível - essas são experiências imortalizadas no primeiro museu para combustíveis fósseis do mundo, em Estocolmo.

A mudança para uma energia mais limpa está em andamento no setor de transportes, uma das principais fontes de poluição pelo dióxido de carbono que contribui para o aquecimento global.

O número de carros elétricos de passageiros quase dobrou para 2 milhões no ano passado e será responsável por 57% das vendas globais até 2040, de acordo com a BloombergNEF.

Caminhões, ônibus e navios também estão se distanciando cada vez mais da utilização de combustíveis que vinham sendo a espinha dorsal da economia global há séculos.

"No Museu de Combustíveis Fósseis, você será capaz de experimentar os sons, cheiros, cultura e fenômenos que terão desaparecido", disse Susanna Hurtig, chefe da E-Mobility na Vattenfall, a empresa sueca que teve a ideia.

O museu exibe objetos e informa sobre o uso de combustíveis fósseis do século 19 até hoje com foco no transporte. Está alojado no Museu da Fotografia, na área de Sodermalm, e tem entrada gratuita.

Mobilidade