PUBLICIDADE
Topo

FCA acusa governo francês por fracasso das negociações de fusão com Renault

Fusão Renault-FCA teria criado terceiro maior grupo automotivo do planeta - Rebecca Cook/Reuters
Fusão Renault-FCA teria criado terceiro maior grupo automotivo do planeta
Imagem: Rebecca Cook/Reuters

Em Paris (França)

06/06/2019 08h40

Resumo da notícia

  • Fiat-Chrysler retirou proposta de fusão ontem (5)
  • Governo francês havia pedido mais tempo à espera da aprovação da Nissan
  • Ministro das Finanças da França é apontado como responsável por impasse
  • Após anúncio, ações das duas companhias tiveram forte queda
  • União das empresas criaria terceira maior montadora do mundo

O grupo FCA (Fiat Chrysler), de capital italiano e americano, que retirou ontem à noite (5) a proposta de fusão com a Renault, um negócio que teria criado a terceira maior montadora de automóveis do planeta, culpou o governo francês pelo fracasso do projeto.

Após o anúncio da retirada da oferta, as ações da Renault operavam em forte queda na Bolsa de Paris, mesma situação registrada pelos títulos da FCA em Milão. Em um comunicado, o grupo FCA anunciou a retirada da proposta da mesa de negociações e alegou que não havia condições políticas para concretizar a fusão. A Fiat Chrysler responsabilizou o governo francês pelo fracasso nas negociações.

"A posição repentina e incompreensível de Bercy" -- o ministro das Finanças da França -- é a causa do fracasso, afirmou uma fonte próxima ao grupo ítalo-americano. "As novas exigências do governo francês nos levaram a esta situação prejudicial para todas as partes", disse a fonte à "AFP". Uma fonte do governo respondeu que "nossas posições não mudaram, é descarado afirmar isto".

"Em princípio chegaram dizendo 'é pegar ou largar'. E declaramos 'pois não'", completou. O Estado trabalhou de "maneira construtiva" no projeto, afirmou o ministro da Economia da França, Bruno Le Maire.

"Desde que a oferta foi apresentada, o Estado, dono de 15,1% do capital da Renault, a recebeu com abertura e trabalhou de maneira construtiva com o conjunto das partes envolvidas", declarou Le Maire em um comunicado.

Faltou aprovação da Nissan

O governo francês havia destacado quatro condições: que a operação fosse realizada no âmbito da aliança Renault-Nissan; a manutenção dos postos de trabalho industriais na França; e o respeito ao equilíbrio de governança entre Renault e FCA e que a nova empresa continuasse participando em um projeto com a Alemanha para fabricar baterias elétricas.

Le Maire disse que um acordo havia sido alcançado sobre três das quatro condições: faltava apenas a aprovação da Nissan, sócia da Renault, por suas participações cruzadas. Por este motivo, o Estado francês pediu mais cinco dias para garantir o apoio de todas as partes ao projeto de fusão.

A fusão teria criado um grupo de mais de 30 bilhões de euros em capitalização na Bolsa, com vendas anuais de 8,7 milhões de veículos e "uma forte presença em regiões e segmentos chaves".

O projeto previa a criação de uma holding com sede em Amsterdã e que pertenceria em partes iguais aos acionistas da Renault e da FCA. Em caso de fusão, a família Agnelli, agora proprietária de 29% da Fiat Chrysler, veria sua participação reduzida a 14,5%, mas permaneceria como a principal acionista, com mais do que o dobro de participação que o Estado francês, que cairia para 7,5% do capital.

De acordo com uma fonte próxima a Renault, durante a reunião do Conselho Administrativo da Renault na quarta-feira, os conselheiros se pronunciaram a favor da fusão, com exceção do representante do sindicato CGT, enquanto os dois representantes da Nissan optaram pela abstenção.

A Nissan, da qual a Renault tem 43% do capital, e que controla por sua vez 15% da montadora francesa, não foi incluída nas negociações. As relações entre Nissan e Renault são tensas desde a prisão em Tóquio em novembro do ex-CEO da aliança Carlos Ghosn, acusado pela Nissan no Japão de declarações falsas nos relatórios financeiros da montadora.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Fiat Chrysler apresenta proposta de fusão à Renault

Band Notí­cias