PUBLICIDADE
Topo

Primeira Classe

Road trip: veja coisas para fazer de carro em Salvador e no norte da Bahia

Do centro ao norte de Salvador, há belas paisagens a beira mar - Rafaela Borges/UOL
Do centro ao norte de Salvador, há belas paisagens a beira mar Imagem: Rafaela Borges/UOL
Rafaela Borges

Rafaela Borges é jornalista automotiva desde 2003, com passagens por Carsale e Estadão. Escreve sobre o mercado de veículos, supercarros, viagens sobre rodas e tecnologia.

Colunista do UOL

26/10/2020 04h00

Sempre que chego a Salvador, faço questão de alugar um carro. Das cidades brasileiras que conheço, a capital da Bahia é uma das mais legais para explorar de automóvel. Para começar, é imensa, e tem atrações espalhadas por muitos quilômetros de praias e história.

Além disso, a região metropolitana de Salvador é um prato cheio para fazer passeios de bate-e-volta, ou para se hospedar por um ou dois dias. Outro fator que me incentiva a alugar um carro: na capital baiana, é muito fácil circular de automóvel.

Do centro às praias do norte de Salvador

Na capital da Bahia, eu gosto de me hospedar na região central (leia dicas no fim da reportagem). Por ali estão as atrações mais famosas de Salvador, como o Pelourinho, o Elevador Lacerda e o Mercado Modelo. Não muito distante - cerca de 10 minutos de carro - você encontra o Farol da Barra.

Mas não é o turismo convencional que me atrai ao centro, pois já estive em Salvador diversas vezes e conheço bastante o básico. O que mais gosto é a avenida Lafayette Coutinho, onde está a maior parte dos excelentes restaurantes da cidade e a Bahia Marina, boa para jantar, almoçar e até alugar um barco para passeios pela Baía de Todos os Santos (preços a partir de R$ 600 para grupos privativos de sete pessoas).

Bahia Marina - Rafaela Borges/UOL - Rafaela Borges/UOL
Bahia Marina
Imagem: Rafaela Borges/UOL
Já na hora de pegar praia, eu fujo das mais famosas e próximas do centro. As melhores, menos cheias e mais limpas estão no extremo norte da cidade, quase na divisa com Lauro de Freitas. Por lá, estão Flamengo e Stella Maris, de águas claras e ondas moderadas.

Em ambas, dá para encontrar clubes de praia como a Barraca do Lôro, com ótimas estruturas (e bons restaurantes) para passar o dia. Flamengo, a mais distante, fica a cerca de 30 km do centro. Para chegar, há duas opções, e gosto de usar ambas.

O recomendável é ir pela orla, saindo pela avenida Lafayette Coutinho e depois usando a Avenida Oceânica para passar, nesta ordem, pelas praias da Barra, Ondina, Rio Vermelho (belíssima) e Pituba, até chegar à faixa litorânea da zona norte.

Praia do Rio Vermelho - Rafaela Borges/UOL - Rafaela Borges/UOL
Praia do Rio Vermelho
Imagem: Rafaela Borges/UOL
Neste ponto, a Oceânica dá lugar a uma grande avenida de trânsito rápido, sem faróis, com limite de velocidade de 70 km/h. No trecho de ida do centro ao norte, a partir da praia da Barra até a famosa Itapuã, há poucos trechos em que a avenida foge do litoral. Isso ocorre por poucos metros no Rio Vermelho.

Após a praia de Itapuã, o mar some, e à esquerda surge o Abaeté, a famosa reserva natural de areia. Ela se estende quase até o Flamengo.

Já na volta ao centro, há muitos trechos em que não dá para seguir com vista para o mar. A "viagem" do centro ao Flamengo pelas avenidas das praias leva entre 40 minutos e uma hora.

Avenidas rápidas cortam a capital da Bahia

Se o Flamengo for longe demais, e houver necessidade de alternar praias em Salvador, Jaguaribe é uma excelente opção bem no meio do caminho. Também tem águas claras e calmas, dependendo da maré.
No entanto, por lá não há clubes de praias - que em Salvador são chamadas de barracas de praia. Como nas praias mais famosas do Rio de Janeiro, há serviço de aluguel de cadeiras.

Vista da Baía de Todos os Santos - Rafaela Borges/UOL - Rafaela Borges/UOL
Vista da Baía de Todos os Santos
Imagem: Rafaela Borges/UOL
Tanto no Flamengo quanto em Jaguaribe há diversos locais para estacionar na rua. Mas, se for necessário, dá para encontrar estacionamentos por média de R$ 10 o período de 12 horas.

Além dos caminhos pelo litoral, uma opção interessante do centro ao norte, e também bem mais rápida, é cortar o triângulo que é o mapa de Salvador pelo meio. Há um corredor de trânsito rápido formado pelas avenidas Antônio Carlos Magalhães e Luís Viana, também conhecida como avenida Paralela.

Elevador Lacerda - Rafaela Borges/UOL - Rafaela Borges/UOL
Elevador Lacerda
Imagem: Rafaela Borges/UOL
Essas avenidas são como as marginais dos rios Pinheiros e Tietê, em São Paulo. Porém, chamam a atenção pelos pisos muito bem pavimentados e faixas bem pintadas. Têm velocidade máxima de 80 km/h e, dificilmente, apresentam trânsito fora dos horários de pico.

Do centro ao Flamengo, o percurso por essas vias leva cerca de meia hora.

Via Metropolitana

Um bom programa para fazer de carro em uma visita a Salvador é conhecer as praias da região metropolitana da cidade, em Camaçari e Mata de São João. Muitos optam pelo bate-e-volta. Eu escolhi me hospedar dois dias na área mais famosa dessa região, a Praia do Forte.

A viagem é pela BA-535, também conhecida como via Metropolitana. Depois, ela se transforma em BA-099. De Salvador à Praia do Forte há um pedágio (R$ 4,50 durante a semana e R$ 10,70 aos finais de semana). Na volta, são dois.

Praia do Forte - Rafaela Borges/UOL - Rafaela Borges/UOL
Praia do Forte
Imagem: Rafaela Borges/UOL
No caminho, há diversos lugares legais para quem quer conhecer o norte da Bahia, como Guarajuba, em Camaçari. Em Mata de São João, além da Praia do Forte vale a pena conhecer Imbassaí. Toda a região tem diversos resorts famosos, como o Costa do Sauípe.

As vias chamam a atenção pela beleza, pois são rodeadas por mata atlântica na maior parte dos trechos. A cada 10 km, em média, há postos de serviços.

Cheias de curvas, com alguns trechos de reta, são boas para dirigir, e apresentam piso muito bem pavimentado - à exceção de alguns trechos que passam por vilarejos. Chama a atenção a quantidade de pessoas montadas em cavalos circulando nas vias, o que requer cuidado dobrado.

A velocidade máxima é de 80 km/h, com um longo trecho (cerca de 20 km) a 60 km/h. Isso acaba estendendo muito o tempo de viagem. De Salvador à Praia do Forte, são cerca de 70 km, que levam uma hora para serem percorridos.

Como alugar um carro

Para o turismo, a melhor opção para alugar um carro é o aeroporto de Salvador. As principais locadoras do Brasil têm quiosques por lá, no desembarque. Eu costumo alugar na Localiza-Hertz, reservando no site da empresa.

A Localiza tem uma área exclusiva a cerca de 3 km do aeroporto. O cliente é encaminhado a esse local de micro-ônibus, após se identificar no quiosque da empresa na área de desembarque do aeroporto. As diárias partem de R$ 67, para um carro econômico (hatch com motor 1.0 aspirado) sem ar-condicionado.

Com seguros, a diária vai a R$ 110. Não é preciso pagar antecipadamente para fazer a reserva por meio do site.

Como as vias em Salvador e na região metropolitana são muito bem pavimentadas, não há indicação sobre uma categoria especial de carro. Depende do gosto e das necessidade do cliente. Porém, se há planos de fazer passeios que incluem trechos off-road, como ao Castelo Garcia D'Avila, na Praia do Forte, um SUV pode ser boa opção.

Onde se hospedar em Salvador

No centro da cidade, há diversas opções de todas as categorias. Meu escolhido foi o Fera Palace , que fica em um edifício histórico na rua Chile, a primeira do Brasil. Fechado na pandemia, o hotel histórico reabre em dezembro com diárias a partir de R$ 722.

Fera Palace - Rafaela Borges/UOL - Rafaela Borges/UOL
Fera Palace
Imagem: Rafaela Borges/UOL
Antigo Palace Hotel, o hotel foi remodelado para se tornar um luxuoso cinco-estrelas, mas manteve muitos elementos do edifício original, como as janelas e os elevadores. Tem estilo art decó, piscina no sétimo andar com vista para a Baía de Todos os Santos e um salão que é a releitura do cassino frequentado pelo personagem Vadinho, de "Dona Flor e seus dois maridos", romance de Jorge Amado.

O ponto negativo fica por conta do café da manhã, com pouca diversidade. Menos charmoso, mas mais barato, o Wish da Bahia (antigo Sheraton) cobra cerca de R$ 330 pela diária no mesmo período.

Já o luxuoso Fasano Salvador, também com piscina que dá direito à vista para a Baía de Todos os Santos, cobra R$ 1.540 pela diária em dezembro.

Onde se hospedar nas praias do Norte

Na Praia do Forte, escolhi o luxuoso Tivoli Ecoresort Praia do Forte, um dos poucos resorts da região que não funciona no sistema all inclusive (é meia pensão, com café da manhã e jantar no estilo buffet incluídos). Essa, inclusive, é uma das razões para o impecável serviço.

Tivoli Ecoresort - Rafaela Borges/UOL - Rafaela Borges/UOL
Tivoli Ecoresort
Imagem: Rafaela Borges/UOL
O resort tem sete piscinas, uma delas apenas para adultos. As crianças são muito bem cuidadas, com monitores e uma imensa área de recriação. Os quartos têm decoração sofisticada com uma pegada rústica e o spa Anantara oferece sofisticados tratamentos de relaxamento e a academia capricha nos equipamentos e é aberta 24 horas - além de oferecer aulas, por custo extra.

O ponto negativo é o preço dos extras. Um misto quente, no sistema de serviço de quarto, sai por R$ 40. Fechado durante a pandemia, o Tivoli foi reaberto em setembro seguindo protocolos de segurança contra a covid-19.

Em dezembro, as diárias partem de cerca de R$ 1.750. No Fera Palace, o estacionamento tem diária de R$ 35. No Tivoli, é gratuito.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.