PUBLICIDADE
Topo

Quais carros ganharam espaço no mercado e quais se deram mal na pandemia

Hyundai HB20 conseguiu retornar à vice-liderança - Murilo Góes/UOL
Hyundai HB20 conseguiu retornar à vice-liderança Imagem: Murilo Góes/UOL
Rafaela Borges

Rafaela Borges é jornalista automotiva desde 2003, com passagens por Carsale e Estadão. Escreve sobre o mercado de veículos, supercarros, viagens sobre rodas e tecnologia.

Colunista do UOL

22/06/2020 04h00

Com grande parte dos Detrans fechados, prejudicando emplacamentos, e concessionárias por quase dois meses apenas com atendimento online em diversas cidades, o mercado de carros vem sofrendo um grande baque no período de quarentena. As vendas agora começam a se recuperar e, em um contexto distorcido, alguns veículos se deram muito bem. Já outros perderam bastante espaço.

Há carros que ganharam participação de mercado por fatores como alto volume de vendas diretas, que neste período, embora limitadas, fizeram bastante diferença no mix dos veículos, já que o número total de emplacamentos sofreu grande queda. Outros se deram bem porque conseguiram atrair o interesse do consumidor - seja por meio de promoções ou por serem novidade no mercado.

Independentemente da razão, esses carros conseguiram ganhar um espaço que poderá garantir a eles fôlego na briga por boas posições no ranking de vendas até o fim do ano. Já entre os que perderam participação, alguns terão, no segundo semestre que vem aí, de correr atrás do prejuízo.

No grupo dos modelos que se deram bem, os destaques são Hyundai HB20, Chevrolet Tracker e Renault Duster. Entre os que se deram mal há o Ford Ka e o Chevrolet Onix Plus.

Carros que se deram bem

O HB20 vinha perdendo participação no mercado após a reestilização que sofreu no fim do ano passado. O carro chegou a ocupar a sétima colocação no ranking dos mais vendidos, além de ter perdido a vice-liderança para o Ka em 2019.

Durante a pandemia, no entanto, ele voltou às origens. Agora, parece estar se consolidando novamente na vice-liderança. Além disso, em abril registrou um feito. Descartando a geração antiga do Onix, agora chamada de Joy, vendeu mais que o Chevrolet.

O Tracker, cuja nova geração chegou bem no início do período da pandemia, se deu bem. Nos últimos meses, vem sendo o SUV mais vendido do Brasil, posição que se confirmou na primeira quinzena de junho.

Além disso, em junho, o Tracker ocupa a posição de terceiro carro mais vendido no mercado brasileiro, atrás de Onix e HB20, respectivamente.

O Duster também mudou no início do ano. O modelo recebeu reestilização e uma direção elétrica que representou grande avanço em dirigibilidade. Com isso, deixou o irmão Captur para trás, assim como o EcoSport, e vem brigando com o HR-V por uma vaga na sexta posição do ranking mensal de emplacamentos de SUVs compactos - no acumulado do ano, o Honda ainda é quinto (veja abaixo).

Em maio, o modelo apareceu à frente do modelo da Honda. No resultado parcial de junho, está apenas 134 unidades atrás (no acumulado até o dia 18).

Carros que se deram mal

O Ford Ka é um dos maiores perdedores do mercado neste período de pandemia. De vice-líder de vendas em 2019, o modelo da Ford apareceu apenas na quinta posição da lista de carros de passeio no mês de maio.

No resultado parcial de junho (até o dia 18), a situação do hatch está um pouco pior. Ele aparece apenas oitava posição, embora tenha condições de evoluir à sétima nos próximos dias (está apenas três exemplares atrás do Hyundai Creta).

A queda do Ka, no entanto, não começou na pandemia. No início do ano, ele já havia perdido a vice-liderança para o Onix Plus. O sedã da Chevrolet, aliás, é o outro carro que está se dando mal. Depois de um início avassalador no mercado - o carro foi lançado no fim do ano passado, para substituir o Prisma -, o novato ocupa em junho apenas a décima posição no ranking de carros de passeio.

Em maio, havia ocupado o quinto lugar no ranking de vendas. No caso do sedã, a principal razão da queda é caseira. Modelos desse segmento brigam por clientes como SUVs compactos, e os utilitários estão levando vantagem nessa disputa.

Com o lançamento do novo Tracker, uma queda de participação do Onix Plus era esperada. Mas não uma queda tão forte.

Honda HR-V pode se dar mal

O Honda HR-V não pode ser classificado como um carro que está se dando mal, mas tem de tomar cuidado. Embora ainda seja o quinto SUV mais emplacado do ano, deve perder a posição para o Tracker e sair da lista dos cinco mais vendidos.

Agora, ainda está sofrendo pressão do Duster. O ex-líder de vendas já vinha registrando queda constante de participação há dois anos. Além da chegada de novos concorrentes, o HR-V é o único entre os mais emplacados a não ter versão específica para PCD, com preço até R$ 70 mil.

Esse público representa entre 30% e 35% dos clientes de modelos como Renegade, T-Cross, Creta e Kicks. No varejo, no entanto, o HR-V era o SUV mais vendido. No mês passado, ocupou o segundo lugar, atrás do Tracker.