PUBLICIDADE
Topo

Pedala

Marina, presente

Ciclista Marina não resistiu e morreu no local - Arquivo pessoal
Ciclista Marina não resistiu e morreu no local Imagem: Arquivo pessoal
Diego Salgado

Repórter do UOL desde 2015, com passagens por Estadão e Portal 2014. Ciclista há 20 anos na cidade de São Paulo, já pedalou por 10 países e atravessou sozinho a América do Sul e a Europa. A Oceania é o próximo desafio.

08/11/2020 21h33

Dia atrás, no trânsito com a minha bicicleta, parei ao lado de um carro parado no semáforo. Educadamente, pedi para o motorista abrir o vidro, mesmo depois de ele fazer manobra sem sentido que por pouco não me levou ao chão.

Eu fiz um apelo.

- Está vendo meus braços, minhas pernas, minha cabeça? Eu sou gente e posso me machucar com esse tipo de atitude. Por que fazer aquilo?

Ele não se importou, não disse nada consistente e saiu achando que estava com a razão. Para ele, rua não é lugar de bicicleta. Por isso, com base nesse pensamento estúpido, justifica-se jogar o carro em cima de um ciclista.

A cena é simbólica. A gentileza no trânsito observada nos primeiros meses da pandemia não existe mais. Acabou. A cidade de São Paulo já voltou a ser o que era.

O trânsito fez mais uma vítima fatal na madrugada de hoje. Marina Harkot, pesquisadora e cicloativista de 28 anos, foi morta enquanto pedalava na região de Pinheiros, zona oeste de São Paulo.

O motorista fugiu sem prestar socorro.

Nós, ainda por aqui e com medo de tanta violência, pedimos justiça. Justiça por Marina.

Marina, presente!