Paula Gama

Paula Gama

Siga nas redes
ReportagemCarros

Por que Kwid e Mobi devem ser os últimos carros baratos do Brasil

Há seis anos, Fiat Mobi e Renault Kwid disputam o título de carro mais barato do país. Durante todo esse tempo, nenhum concorrente com as mesmas características - de subcompacto de entrada - chegou ao mercado brasileiro, e não há perspectiva de mudança nesse cenário. O caminho natural é que eles se consolidem como os últimos carros populares do país nos próximos anos.

Lançados entre 2016 e 2017 com preços na faixa de R$ 30 mil, os modelos custam hoje mais do que o dobro. As versões mais baratas saem por R$ 70 mil. Eles chegaram com uma proposta de mobilidade prática, para atender os compradores os mais jovens ou serem o segundo veículo da família, mas - na situação econômica atual - passaram a ocupar, em muitos lares, a posição dos hatches e sedãs de entrada, que já partem de R$ 80 mil.

Apesar de parecerem caros para o poder de compra do brasileiro, é importante ter em mente que eles vêm de série com itens que eram opcionais décadas atrás, como ar-condicionado, travas elétricas e vidro elétrico nas portas dianteiras.

O consultor automotivo Cassio Pagliarini explica que uma junção de vários fatores contribuiu para o cenário atual. "Houve uma inflação de commodities - como aço, alumínio, vidro e plástico - muito grande e que, como são precificadas em dólar, que também aumentou, fez os efeitos se multiplicarem. Somente a variação dos custos já fez o preço dos carros subirem."

A grande questão, explica Pagliarini, é que o mercado não sofreu apenas com a variação dos preços das matérias-primas. Se a questão fosse apenas essa, o cenário poderia se ajustar com a estabilização da crise. Ele explica que as exigências legais do veículo estão aumentando cada vez mais.

"Quando os airbags e os freios ABS passaram a ser obrigatórios, por exemplo, alguns carros deixaram de ser produzidos, como o antigo Uno. O mesmo acontece com as exigências atuais. Temos determinações do Proconve, em relação a emissões, e medidas de segurança como controle de estabilidade. Colocar equipamentos caros em veículos baratos dá um forte impacto nos preços, não à toa os carros de entrada do mercado brasileiro partem de R$ 70 mil, o que era impensável três anos atrás", opina o consultor.

Não vale a pena fazer carro "barato"

Além dos fatores apontados, Ricardo Bacellar, fundador da Bacellar Advisory Boards, registra outro detalhe importante: a estratégia das montadoras. Ele explica que o modelo da indústria automotiva era voltado para o volume. Ou seja, lucra-se pouco nos carros mais baratos para compensar na quantidade de vendas. A grande questão é que a pandemia acabou com o sucesso desse modelo de negócio.

"A falta de componentes para a construção dos carros piorou a situação, já que as montadoras investiram em uma produção grande de veículos e não conseguiram finalizá-los. Como a indústria estava sem volume de carros para vender e rentabilizar o negócio, precisava apostar em veículos com maior valor agregado, que são mais rentáveis. Isso deixa os carros de populares de lado no portfólio de vendas. A proposta agora é em maior valor agregado e maior margem de rentabilidade."

Continua após a publicidade

Nesse contexto, a crise econômica que o país enfrenta só contribui para que não seja interessante colocar carros de entrada à venda, pois pode não haver quem compre.

"Mesmo que a situação dos componentes se equilibre, o cenário não mudará de forma tão simples. Estamos vivendo um empobrecimento do brasileiro médio. A relação entre o aumento do salário médio do brasileiro e o do valor do carro é muito discrepante. O consumidor está cada vez mais distante do sonho de comprar um automóvel", pontua Bacellar.

Para se ter uma ideia, apesar de Mobi e Kwid serem os carros mais baratos do país, estão na 6º e na 15º posição entre os mais vendidos do ano, respectivamente. Eles perdem, por exemplo, para Fiat Strada, que custa mais de R$ 100 mil, e Volkswagen Polo, a partir de R$ 81 mil. O Citroën C3, hatch que tenta rivalizar entre os mais baratos, está na 28º posição.

Prova que, mesmo com os menores preços, esses modelos ainda não conseguem atender à população que, de fato, precisa de carros baratos. É no mercado de usados que eles encontram opções que cabem no bolso.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes