PUBLICIDADE
Topo

Paula Gama

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

"O preço do carro não vai abaixar tão cedo", afirma presidente da Anfavea

Na visão da assoaciação de montadoras, para reduzir do preço dos automóveis, o Brasil precisa de uma reforma tributária - Foto: Shutterstock
Na visão da assoaciação de montadoras, para reduzir do preço dos automóveis, o Brasil precisa de uma reforma tributária Imagem: Foto: Shutterstock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Paula Gama

Jornalista especializada no mercado automotivo desde 2014, Paula Gama tem 28 anos e avalia diversos modelos no Brasil e no exterior. Nesta coluna, você terá opiniões sinceras sobre os lançamentos, cultura automotiva, tendências e análises de comportamento do consumidor.

Colunista do UOL

28/01/2022 04h00

Em 2020, quando os preços dos carros começaram a disparar devido à alta dos insumos e da falta de peças para a fabricação, muitos brasileiros decidiram esperar as coisas voltarem ao normal. Os meses foram passando, viraram anos e os automóveis continuam ficando cada vez mais caros. Afinal, eles devem abaixar algum dia? No entender da indústria, não tão cedo.

De acordo com Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea, associação das fabricantes de veículos, em 2023 o mercado automotivo mundial finalmente deve voltar a viver uma estabilidade no abastecimento de semicondutores (peça utilizada por toda a indústria de tecnologia, escasso desde 2020), mas isso não será o suficiente para reduzir o preço dos automóveis no Brasil.

"Primeiro, é preciso ressaltar que a figura de carro popular deixou de existir devido à quantidade de tecnologia que um automóvel tem hoje. Temos metas de consumo e emissões, metas de inclusão de novos itens de segurança veicular. O carro de hoje não é o mesmo do início dos anos 2000, são mais seguros e tecnológicos e menos poluentes", avalia o presidente da entidade.

Sobre uma redução de preço - ainda que mais tímida do que os brasileiros desejam - ele explica que só com mudanças estruturais, como a reforma tributária e alterações nas regras do financiamento, já que as montadoras estão trabalhando com margem de lucro apertada e com carros cada vez mais equipados.

Imposto inviabiliza compra

"Para trazer o consumidor que tem interesse em comprar um carro zero novamente para o mercado, estamos lutando por uma reforma tributária mais moderna e parecida com países desenvolvidos. O imposto representa entre 40% e 50% do valor de um carro, a média entre os países desenvolvidos é de 20%. Atualmente, o imposto tira do consumidor a possibilidade de comprar um carro", opina o executivo.

Sobre os financiamentos, Moraes explica que, no entender da Anfavea, há problemas estruturais que elevam o custo da transação no Brasil. "Para retomar um bem, por exemplo, o banco demora anos e acaba perdendo dinheiro. Estamos trabalhando para mudar algumas regras que possibilitem a redução das taxas, para que as parcelas caibam no bolso do consumidor."

Outro problema agrava a situação: a crise econômica. Com uma taxa de desemprego na casa dos 13%, o poder de compra dos brasileiros não acompanha a inflação. Por isso, a expectativa é que com o crescimento da economia e redução do desemprego, mais brasileiros possam comprar carros novos.

O que ele diz faz sentido?

É verdade que um carro de entrada de hoje é bem diferente de um modelo dos anos 2000. Hoje, é necessário ter airbags, freio ABS, cinto de segurança para todos os passageiros, apoio de cabeça, atender uma exigência mínima de consumo, entre outros equipamentos.

Não há fórmula mágica: alguém tem que pagar a conta pelas exigências da legislação. É um golpe duro em um país subdesenvolvido e com uma enorme parte da população vivendo com um salário mínimo, mas voltar atrás e abrir mão de tudo isso pode ser ainda mais catastrófico, considerando que há muitos mais carros e pessoas no trânsito do que há 22 anos.

Apesar dessa verdade incontestável, no entanto, não dá para colocar a culpa do preço dos carros exclusivamente nesses itens. É importante lembrar que fabricar carros de entrada deixou de ser uma estratégia vantajosa para as montadoras, a prova disso é que muitas delas abriram mão de seus carros de entrada ou diminuíram muito a grade de oferta.

A Renault, por exemplo, fabricante do Kwid, carro mais barato do Brasil, por R$ 59.890, excluiu do portfólio a versão mais "pelada" do modelo. O único concorrente dele é o Fiat Mobi, que custa pouco mais de R$ 60 mil. Por que ninguém mais faz carros para competir com eles?

Sim, o setor automotivo é um dos mais impactados pela política tributária brasileira e isso atrapalha muito o preço dos carros. Mas é preciso ter em mente que enquanto houver quem compre SUVs "pelados" com preços mais altos, porque ele é o carro da moda, não haverá oferta e competição nos mercados de entrada.