PUBLICIDADE
Topo

Paula Gama

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Quatro versões de carros que merecem uma reflexão antes da compra

Conteúdo exclusivo para assinantes
Paula Gama

Jornalista especializada no mercado automotivo desde 2014, Paula Gama tem 28 anos e avalia diversos modelos no Brasil e no exterior. Nesta coluna, você terá opiniões sinceras sobre os lançamentos, cultura automotiva, tendências e análises de comportamento do consumidor.

Colunista do UOL

20/08/2021 04h00

Alguns carros ganham notoriedade por seus erros. Foi o caso do Hyundai Veloster, que era importado com um motor 1.6 de HB20 e chamado de esportivo. Não demorou muito para ser apelidado de "Lentoster".

Apesar de não chegar a esse nível de inadequação de posicionamento, há configurações de modelos no mercado que não fazem sentido quando paramos para analisar. Conheça quatro delas!

Fiat Argo S Design 1.3

Fiat Argo S-Design 1.3 tem partida por botão, mas não tem câmera de ré - Divulgação - Divulgação
Fiat Argo S-Design 1.3 tem partida por botão, mas não tem câmera de ré
Imagem: Divulgação

Nos últimos dias avaliei a versão S Design 1.3 do Fiat Argo, e foi então que tive a ideia de fazer a coluna da semana sobre o tema. Ele é equipado com motor 1.3 aspirado de até 109 cv e 14,2 kgfm de torque. O câmbio é manual. Até aí tudo bem: a parte mecânica do veículo é bem honesta, as marchas são fáceis de encaixar, a direção é leve (conta com assistência elétrica) e o acabamento adequado.

No entanto, a lista de equipamentos parece não fazer muito sentido. Por R$ 76.690, o consumidor leva central multimídia, partida por botão, chave por sensor de presença e ar-condicionado digital. Mas faltam itens básicos como câmera de ré.

Outro detalhe: o modelo tem interior escurecido, mas a iluminação interna não foi preparada para isso. Foi preciso acender a lanterna do celular para procurar objetos dentro do carro. Detalhe: à luz do dia.

Honda HR-V Touring

O HR-V Touring é bom, mas o Civic é melhor e tem o mesmo preço - Murilo Góes/UOL - Murilo Góes/UOL
Honda HR-V Touring 2020
Imagem: Murilo Góes/UOL

O Honda HR-V Touring é um excelente carro. Tem motor 1.5 turbo que entrega 173 cv de potência e 22,4 kgfm de torque. O desempenho é ótimo, mas há uma questão: o preço. Ele custa R$ 157.100, R$ 25.300 a mais do que a configuração anterior, com motor 1.8 aspirado, a EXL.

Para se ter uma ideia, é a opção mais cara entre os SUVs compactos e chega a custar o mesmo que o Honda Civic Touring, que tem o mesmo motor, uma lista de equipamentos mais generosa e uma plataforma superior - a plataforma do HR-V é a mesma do City e Fit.

Jeep Compass S

Jeep Compass S vs. Toyota Corolla Cross XRX Hybrid vs. VW Taos Launch Edition - Mario Villaescusa - Mario Villaescusa
Jeep Compass S custa pouco menos do que a versão Longitude 4x4 diesel
Imagem: Mario Villaescusa

Seguindo a linha de versões que não fazem tanto sentido está a topo de linha do Jeep Compass flex, a S. Ela custa R$ 203.490, R$ 20 mil a mais do que a vem abaixo, a Limited (R$ 183.890,00).

Equipada com o novo motor T270 Turbo Flex, possui até 185 cv de potência e 27,5 kgfm de torque máximo. Tem uma lista de equipamento longa, com diversas tecnologias semiautônomas. A questão é que, com R$ 208.890, o consumidor leva para casa o Compass Longitude 4x4.

A lista de equipamentos é mais enxuta, mas, em compensação a mecânica é muito superior. O motor turbo diesel entrega 170 cv de potência, 35 kgfm de torque, a transmissão é de nove marchas e a tração é integral nas quatro rodas. O desempenho é incomparável, tanto no sentido dinâmico como de consumo.

Toyota SW4 Flex

SW4 Flex pode não ser tão interessante quanto a diesel - SW4 Flex pode não ser tão interessante quanto a diesel - SW4 Flex pode não ser tão interessante quanto a diesel
Mais equipado e potente, Toyota SW4 2021 parte de R$ 202.390
Imagem: SW4 Flex pode não ser tão interessante quanto a diesel

Se eu pudesse te dar um conselho, diria: não compre uma picape média - ou um derivado dela - bicombustível. Via de regra, um veículo tão pesado responde muito melhor com um motor a diesel, tanto no desempenho dinâmico, quanto no consumo.

Nesse contexto está a SW4 Flex com sete lugares, um veículo de R$ 256.090, pouca tecnologia comparada a outros modelos (não há sistemas de condução semiautônoma ou ar-condicionado dual zone) e a tração é 4x2.

No entanto, para ter uma versão a diesel de sete lugares, seria necessário desembolsar R$ 364.890 ou partir para a concorrente Chevrolet Trailblazer por R$ 325.090. No atual cenário, se eu precisasse de um carro com essa configuração, esperaria o lançamento do Jeep Commander, que deverá custar na faixa de R$ 250 mil e ainda será mais tecnológico.

Para não errar

Para não se arrepender depois, antes de comprar um carro, esqueça um pouco o desejo e use a racionalidade. Anote os equipamentos e itens essenciais para você, e encontre um modelo com o melhor custo-benefício para o que você precisa.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL