PUBLICIDADE
Topo

Mora nos Clássicos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Especialistas apontam dez carros clássicos para investir em 2022

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Mora

O blog Mora nos Clássicos contará as grandes histórias sobre as pessoas e os carros do universo antigomobilista. Nesse percurso, visitará museus, eventos e encontros de automóveis antigos - com um pouco de sorte, dirigirá alguns deles também.

Colunista do UOL

08/01/2022 04h00

(SÃO PAULO) - Pelo quinto ano consecutivo, a Hagerty elenca dez carros para investir. Baseados num banco de dados próprio, formado pela avaliação de mais de 40 mil veículos na última década, os analistas da seguradora norte-americana especializada em clássicos sugerem quais modelos comprar antes que seus preços escalem. É o que a Hagerty chama de "Bull Market List".

"Para chegar a essas previsões, a equipe de inteligência da Hagerty usa alguns dos dados mais abrangentes da indústria: guia de preços, dados demográficos do proprietário, vendas privadas, leilões públicos online e pessoalmente e números de importação e exportação", esclarece a Hagerty.

Nas últimas listas destacaram-se modelos dos anos 1990 e 2000, como Acura Integra Type R, BMW Z3 M Roadster, Dodge Viper GTS, Audi TT e Lexus LFA. Se os Baby boomers (indivíduos que nasceram entre os anos de 1946 e 1964) alavancaram os carros dos anos 1960 e 1970, os Millennials (surgidos no começo dos anos 1980) agora ditam as regras aquecendo o mercado dos modelos de sua juventude, aqueles lançados nos anos 1980, 1990 e 2000.

"Acima de tudo, os dados demográficos desempenham um papel importante à medida que os compradores mais jovens expressam suas preferências exclusivas, como por Land Rover Defenders, às vezes para o espanto dos colecionadores mais velhos", justifica a seguradora.

SUVs também têm ganhado relevância, como demonstra a presença de modelos como International Harvester Scout e as primeiras gerações de Jeep Cherokee e Land Rover Range Rover.

À lista (prós, contras e comentários da Hagerty):

Ferrari 246 Dino (1969 - 1974)

Prós: um dos carros de passeio da Ferrari mais bonitos de todos e um dos melhores na direção; retorno financeiro (em relação a outras Ferraris vintage); ninguém nunca pergunta por que você o comprou; fácil de conviver.

Contras: deixaram de ser baratos; ainda lutando contra o estigma de "não é Ferrari"; encontrar um bom é difícil.

Preço no lançamento: US$ 14.500.

Valor atual (segundo a Hagerty, baseado em um carro de excelente condição, mas não perfeito, capaz de conquistar um prêmio local, mas não internacional, em concursos de elegância): US$ 366 mil a US$ 402,5 mil.

Os valores da Dino estão de volta, para mais do que o triplo do nível anterior a 2008. As cotações da Geração X aumentaram, os números de exportação são fortes e o número de vendas "discrepantes" está aumentando. Resumindo, Dinos estão em movimento.

Ferrari 246 Dino  - Hagerty / divulgação  - Hagerty / divulgação
Imagem: Hagerty / divulgação

Pontiac GTO (1966 - 1967)

Prós: o muscle car definitivo dos anos 1960; papelada disponível no Pontiac Historic Services facilita a documentação; vários estilos de carroceria e motores; apenas um pouco menos robusto do que uma bigorna.

Contras: cuidado com clones, fakes, rebodies e restamps; propenso a ferrugem; opções raras frequentemente acarretarão um seguro elevado.

Preço no lançamento: US$ 3.700.

Valor atual: US$ 100 mil a US$ 129 mil.

Dada a sua aparência quase universalmente amada e preço modesto, o GTO se destaca como uma aposta inteligente para apreciação futura em comparação com alguns outros GTOs, com a geração Millennial tendo particular interesse.

Pontiac GTO - Hagerty / divulgação  - Hagerty / divulgação
Imagem: Hagerty / divulgação

Porsche 968 (1992 - 1995)

Prós: manuseio lindamente balanceado; praticidade de hatchback o torna um "daily driver" viável; grande economia de combustível em rodovias.

Contras: número de produção baixo; peças caras; poderia ter mais potência.

Preço no lançamento: US$ 39.850.

Valor atual: US$ 38 mil a US$ 51,5 mil.

Os 968 começaram a ser apreciados em 2015, junto com quase tudo com um emblema da Porsche. Desde 2016, os valores aumentaram 139% para cupês - a apreciação mais rápida para todos os Porsche cupês. Acreditamos que ainda há espaço para crescimento.

Porsche 968  - Hagerty / divulgação  - Hagerty / divulgação
Imagem: Hagerty / divulgação

Land Rover Defender 90 (1991)

Prós: o caminhão que Marlin Perkins dirigia enquanto pegava girafas; legal e provavelmente sempre será; muitas peças e suporte do clube.

Contras: as versões com especificações dos EUA são caras; as importações autônomas têm preços e qualidade amplamente variáveis; não para pessoas com pressa.

Preço no lançamento: US$ 27.405.

Valor atual: US$ 61,5 mil a US$ 77,5 mil.

Surpreendentemente, os Defenders são os clássicos europeus mais populares para importar. E para modelos não NAS (North America Specification), os valores aumentaram 47% desde 2016, então compre um enquanto pode.

Land Rover Defender 90  - Hagerty / divulgação  - Hagerty / divulgação
Imagem: Hagerty / divulgação

Mazda RX-7 GS (1983)

Prós: emoções em alta rotação em um motor único; manuseio descompromissado; excelente posição de condução; simples de trabalhar; confiável com cuidados de rotina.

Contras: propensos a enferrujar; gastador de óleo e combustível; não há muito metal entre você e os outros carros, então não bata.

Preço no lançamento: US$ 10,6 mil.

Valor atual: US$ 17,5 mil a US$ 27 mil.

Nossos valores de guia para o RX-7 aumentaram 136% desde 2016, mas isso ainda equivale a um clássico abaixo de US$ 22 mil, com as gerações Y e X liderando o interesse. Espere, pois os valores do RX-7 alcançarão os do Datsun 280ZX em breve.

Mazda RX-7 GS  - Hagerty / divulgação  - Hagerty / divulgação
Imagem: Hagerty / divulgação

Mercedes-Benz 230SL (1965)

Prós: vão te parar pelo caminho; exala classe e nunca sai de moda; qualidade de construção de cofre de banco e ampla disponibilidade de peças; confortável para sentar e fácil de dirigir.

Contras: mais cruzador de estradas do que um esportivo; engates de marcha difíceis de encontrar; peças disponíveis, mas caras; caro para restaurar adequadamente.

Preço no lançamento: US$ 7.500.

Valor atual: US$ 80,5 mil a US$ 108,5 mil.

Desde 2016, conforme os valores de 190SL caíram, os valores de 230SL aumentaram 22%. O 230SL é uma exportação popular, no entanto, com cerca de 800 voltando para a Europa (onde valem cerca de 30% a mais) na última década.

Mercedes-Benz 230SL  - Hagerty / divulgação  - Hagerty / divulgação
Imagem: Hagerty / divulgação

Volvo 245 (1983)

Prós: totalmente práticos; durabilidade incomparável; fácil de usar e fácil de reparar você mesmo.

Contras: piadas sobre ser um carro de professor; hodômetros param nos 320 mil quilômetros; os ventiladores do aquecedor falham e não são fáceis de substituir; chicotes elétricos frágeis antes de 1987.

Preço no lançamento: US$ 13,5 mil.

Valor atual: US$ 15,5 mil a US$ 21,5 mil.

Os valores subiram 10% desde 2018, mas não é surpresa que as gerações Y e X sejam a ponta da lança colecionadora dos 245, graças em parte à relativa inatingibilidade do Mercedes 300TD; Volvos custam apenas um terço do preço.

Volvo 245  - Hagerty / divulgação  - Hagerty / divulgação
Imagem: Hagerty / divulgação

Cadillac DeVille Convertible (1967)

Prós: toneladas (literalmente) do estilo Detroit por pouco dinheiro; todo mundo vai querer ir jantar com você; os últimos dias de ouro antes dos regulamentos e da escassez de petróleo.

Contras: você precisa de muito espaço para ele; sorve gasolina; não é o que você chamaria de esportivo; acabamentos são difíceis de encontrar.

Preço no lançamento: US$ 5.600.

Valor atual: US$ 28,5 mil a US$ 38,5 mil.

Embora os preços tenham subido 20% nos últimos cinco anos, o DeVille ainda é um bom negócio em comparação com seu primo Eldorado ou com o Lincoln Continental.

Cadillac DeVille Convertible 1967 - Hagerty / divulgação  - Hagerty / divulgação
Imagem: Hagerty / divulgação

Suzuki Samurai Convertible (1986)

Prós: só de olhar para ele causa sorrisos; não ocupa muito espaço ou consome muitos recursos; muitas peças disponíveis; vai praticamente a qualquer lugar.

Contras: difícil encontrar exemplares originais; rápido apenas se for conduzido sobre um penhasco; no final de cada trilha rochosa está o consultório de um quiroprático.

Preço no lançamento: US$ 6.950.

Valor atual: US$ 10 mil a US$ 14,5 mil.

Se você perdeu a chance de pagar pouco em um Toyota 4Runner de primeira geração, o freqüentemente esquecido Samurai é para você. Atualmente, 70% das cotações de seguros vêm da Geração X e de jovens, então o interesse deve crescer.

Suzuku Samurai Convertible  - Hagerty / divulgação  - Hagerty / divulgação
Imagem: Hagerty / divulgação

Tesla Roadster (2010)

Prós: torque intoxicante; credibilidade das ruas com ambientalistas; sua importância só aumentará à medida que os veículos elétricos se tornarem mais comuns.

Contras: (des) conforto e ergonomia semelhantes aos dos Lótus; nenhum ruído além do vento e zumbido elétrico; ansiedade de alcance é uma coisa real; os puristas dos motores a combustão vão julgá-lo.

Preço no lançamento: US$ 130.450.

Valor atual: US$ 97 mil a US$ 115 mil.

O Roadster está se tornando mais comum em leilões, com mais vendas em 2021 (12) do que em todos os anos anteriores combinados; uma edição do Signature 100 gera um aumento de 50%.

Tesla Roadster 2010 - Hagerty / divulgação  - Hagerty / divulgação
Imagem: Hagerty / divulgação