PUBLICIDADE
Topo

Mora nos Clássicos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Achou o novo Jeep Commander caro? Modelo antigo custaria hoje R$ 755 mil

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Mora

O blog Mora nos Clássicos contará as grandes histórias sobre as pessoas e os carros do universo antigomobilista. Nesse percurso, visitará museus, eventos e encontros de automóveis antigos - com um pouco de sorte, dirigirá alguns deles também.

Colunista do UOL

31/08/2021 04h00

(SÃO PAULO) - Não é a primeira vez que um Commander é lançado no Brasil. Durante o Salão de São Paulo de 2006 a DaimlerChrysler apresentou um Jeep homônimo, então comercializado por R$ 237 mil. Corrigido pelo IGP-M, o montante equivaleria hoje a R$ 755 mil.

Contudo, apenas o nome e a hospitalidade dos sete lugares se repetem. Entre tantas diferenças, o antigo media 5,12 metros de comprimento, tinha mimos como três tetos solares e ajuste elétrico de distância dos pedais e era impulsionado por um V8 de 326 cv e 51 kgfm de torque (da venerada família HEMI); o novo mede 4,77 m, tem assistentes de direção impensáveis para o antecessor e um compacto motor 1.3 turbo, de 185 cv e 27,5 kgfm.

commander 2000 frente - Divulgação  - Divulgação
Imagem: Divulgação

Quase 15 anos depois da tímida estreia, o Commander antigo é encontrado por valores que oscilam entre R$ 80 mil e R$ 120 mil, a depender do estado de conservação, da quilometragem e da blindagem, quase onipresente.

Commander 2000 tetos - Divulgação  - Divulgação
Imagem: Divulgação

Mas é raríssimo avistar um nas ruas, pois faltou-lhe senso de oportunidade: a DaimlerChrysler foi desconstituída meses depois de lançar o Commander por aqui. Logo, poucas unidades acabaram saindo da Áustria, onde o utilitário era produzido, rumo ao Brasil.

Commander 2000 tr - Divulgação  - Divulgação
Imagem: Divulgação

Celebrado em 7 de maio de 1998, o casamento entre Daimler-Benz e Chrysler começou repleto de sonhos, planos e entusiasmo. Para o então CEO da companhia alemã, Jürgen Schrempp, a fusão de US$ 36 bilhões era um "casamento feito no céu". A ordem dos nomes da nova empresa, DaimlerChrysler, indicava quem detinha as rédeas da relação.

Commander 2000 int - Divulgação  - Divulgação
Imagem: Divulgação

Unidas, as marcas Mercedes-Benz, Chrysler, Jeep e Dodge reduziriam custos nos departamentos de compra, venda, contabilidade e pesquisa e desenvolvimento. Havia compartilhamento de motores e plataformas - talvez o mais emblemático carro dessa fusão seja o Chrysler Crossfire, um Mercedes SLK de alma.

Chrysler Crossfire Roadster - Divulgação  - Divulgação
Chrysler Crossfire Roadster
Imagem: Divulgação

No mais, a união faria cada empresa abrir as portas de sua "casa" - a Mercedes avançaria nos Estados Unidos e a Chrysler, na Europa.

Diferenças culturais e o mergulho da Chrysler numa crise econômica azedaram a união, e em maio de 2007 a Daimler vendeu a Chrysler para o Cerberus Capital Management por US$ 7,4 bilhões.

Atualmente, a Chrysler é uma das marcas do Grupo Stellantis.

Commander 2000 perfil - Divulgação  - Divulgação
Imagem: Divulgação