PUBLICIDADE
Topo

Mora nos Clássicos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Elétrico, Renault Zoe pode ser bom par com clássico de fim de semana

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Mora

O blog Mora nos Clássicos contará as grandes histórias sobre as pessoas e os carros do universo antigomobilista. Nesse percurso, visitará museus, eventos e encontros de automóveis antigos - com um pouco de sorte, dirigirá alguns deles também.

Colunista do UOL

03/07/2021 04h00

(SÃO PAULO) - No Salão do Automóvel de 2018, Renault Zoe, Chevrolet Bolt e Nissan Leaf tentaram demarcar uma nova fase rumo à popularização dos elétricos no Brasil. Por razões diferentes, até hoje são figuras raras no trânsito.

Quanto ao Zoe, não era só o preço elevado que atrapalhava. O visual já estava datado e o interior implorava para ser reconhecido como futurista, sem sê-lo. Não era ruim de guiar, desde que se aceitasse uma anestesia predominante nos seus movimentos.

Renault Zoe E-Tech 2022 - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Na verdade, o pior era o descostume com carros elétricos. Não que espetar veículos na tomada tenha virado hábito, mas era ainda mais estranho naquele mundo que hoje parece tão distante.

Agora a Renault tenta emplacar o Zoe novamente.

Para tanto, reformulou boa parte do carro. Principal benfeitoria foi o incremento na capacidade da bateria, de 41 kWh para 52 kWh, o que prolongou a autonomia de 300 para 385 quilômetros. O motor elétrico também está mais poderoso, com 135 cv e 25 kgfm - ante 110 cv e 22,9 kgfm do antigo.

O interior gélido de antes se tornou ambiente mais aconchegante, ergonômico e até elegante, com um aplique de tecido cinza no painel. Já o cluster está mais direto e funcional e o volante de menor diâmetro ficou melhor de manejar.

Renault Zoe E-Tech 2022 - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Na prática, o Zoe se aproximou da realidade, o que é bom: deixou de ser o embaixador de uma tecnologia para ser simplesmente um compacto urbano movido a eletricidade. É ágil nas arrancadas, silencioso, prático e confere um certo status a quem está ao volante.

Isto posto, me parece mais negócio entregar R$ 204.990 neste Zoe Zen (a topo de linha Intense sai por R$ 219.990) hoje do que R$ 149.990 no anterior.

E por que uma coluna sobre carros clássicos se meteu a falar de um elétrico?

Simples: no futuro, quanto mais você dirigi-los no cotidiano, mais estará livre de impostos e peso na consciência para queimar gasolina no fim de semana.

Talvez seja até uma condição.

Renault Zoe E-Tech 2022 - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL