PUBLICIDADE
Topo

Mora nos Clássicos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Como Voyage 'proibido' para brasileiros ficou no País e por que é diferente

Rodrigo Mora

O blog Mora nos Clássicos contará as grandes histórias sobre as pessoas e os carros do universo antigomobilista. Nesse percurso, visitará museus, eventos e encontros de automóveis antigos - com um pouco de sorte, dirigirá alguns deles também.

Colunista do UOL

29/05/2021 04h00

(SÃO PAULO) - O Fox que todos conhecem - aquele lançado em 2003, por 12 anos frequente no ranking dos dez carros mais vendidos do Brasil e que hoje vive flertando com a aposentadoria, - não foi o único Fox que a Volkswagen exportou. Naquele início da década passada, sua missão era ocupar o posto de carro de entrada da marca na Europa.

Voyage e Parati receberam o mesmo dever em 1987, só que os destinos eram Estados Unidos e Canadá. E sabe-se lá por que, na América do Norte atendiam por Fox e Fox Wagon.

Fox frente 2 - Divulgação  - Divulgação
Imagem: Divulgação

Eram mais chiques, os Voyages e Paratis embarcados para a América do Norte. Levemente distintos na estética, também carregavam exclusividades mecânicas: para-choques de impacto (mais salientes), catalisador, aviso de cinto de segurança desafivelado, cinto traseiro de três pontos...Fala-se em cerca de 2.000 ajustes nos exemplares para exportação.

Fox perfil - Divulgação  - Divulgação
Fox foi para os EUA e Canadá com duas e quatro portas
Imagem: Divulgação

Que inclusive anteciparam coisas que o Voyage teria posteriormente, como painel com comandos-satélite e injeção eletrônica (recurso inaugurado no Brasil pelo Gol GTi, em 1988). Até 1993, foram exportados aproximadamente 202 mil Fox, enquanto a Fox Wagon, de carreira mais curta, teve 25 mil unidades despachadas em dois anos.

Fox Wagon - Divulgação  - Divulgação
VW Fox Wagon
Imagem: Divulgação

Cumpre frisar que a dupla jamais fora vendida oficialmente no Brasil.

Porém, uma pequena leva ficou com executivos da Volkswagen à época - situação que lembra a história dos Fuscas Última Série "de Diretoria".

Fox interior - Divulgação  - Divulgação
Interior trazia velocímetro em milhas e layout do rádio distinto
Imagem: Divulgação

Nenhuma fonte consultada pela coluna soube dizer quantos exemplares do Fox e da Fox Wagon ficaram por aqui. Sabe-se apenas que o motor AP 1.8 teve o sistema de injeção substituído pelo carburador, padrão no Voyage então.

Fox tras  - Divulgação  - Divulgação
Imagem: Divulgação

Uma dessas raridades está à venda na ZN Garage, na zona norte de São Paulo, por R$ 50 mil. "O carro está todo original, exceto pelo cabeçote, que recebeu injeção eletrônica. Por aqui, só conheço esse e mais um. E dizem que há uma Fox Wagon por aí", explica o comerciante André Ribeiro.

Fox ZN - ZN Garage / divulgação  - ZN Garage / divulgação
Na ZN Garage, um Fox 1987 está à venda por R$ 50 mil
Imagem: ZN Garage / divulgação

40 anos

Esbarrar num Fox - leia-se Voyage gringo - é tão difícil quanto encontrar outras versões do sedã que acaba de completar 40 anos.

Fox chinês - Divulgação  - Divulgação
Fox acompanhou a reestilização do Voyage, aplicada em 1991
Imagem: Divulgação

Lançado em maio de 1981 como segundo membro de uma família (BX) que já tinha o Gol e no ano seguinte aumentaria com Parati e Saveiro, o Voyage é coadjuvante no mercado de clássicos, na opinião de alguns especialistas.

"Nunca vai chegar no preço do GTi. Nem conversíveis, como Escort XR3 e Kadett GSi, estão na balada do GTi, que carrega uma carga sentimental muito forte ainda. Mas o Voyage tem o espaço dele", avalia José Paulo Parra, do Circuito de Leilões.

Pela experiência de Ricardo Viana, da Old Is Cool Motors, "mesmo modelos especiais, como o Sport e o GLS, são carros de baixa liquidez, abaixo até da Parati, que tem tido um aumento interessante".

Contudo, quem não topa bancar os R$ 120 mil que se tornaram o padrão para um bom Gol GTi pode encontrar em Voyages raros um acesso mais barato à popular família de "quadrados" da Volks.

Voyage Los Angeles  - Divulgação  - Divulgação
Imagem: Divulgação

"Nesse caso a procura deve começar pelos Los Angeles, depois pelo Super", sugere Viana, referindo-se à série limitada em homenagem aos Jogos Olímpicos dos EUA e ao modelo vendido apenas sob encomenda, que vinha com para-choque na cor da carroceria, defletor dianteiro, relógio digital e bancos Recaro - ambos de 1984.

Dessa fase vale citar o raríssimo Plus, uma série limitada de 1985 cuja missão era trazer o motor AP 600 para a gama.

Voyage Sport  - Pastore Car Collection / divulgação  - Pastore Car Collection / divulgação
Voyage Sport, de 1993
Imagem: Pastore Car Collection / divulgação

Auge da esportividade na linha Voyage foi o Sport, de 1993, que ostentava bancos Recaro e emprestava do Gol GTS o motor 1.8. Um desses foi vendido pelo pessoal d'O Acervo por R$ 40 mil.

Em 1996, o Voyage saiu de linha - para voltar em 2008 totalmente renovado.