PUBLICIDADE
Topo

Jorge Moraes

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Jeep Commander: novo SUV terá força para disputar com o líder SW4?

Jeep Commander tem visual revelado antes do lançamento

Redação
Conteúdo exclusivo para assinantes
Jorge Moraes

Jornalista, Jorge Moraes trabalha com o segmento automotivo desde 1994. Presente nos principais salões internacionais, é editor do caderno de Carros no Diário de Pernambuco, diretor e apresentador do programa Auto Motor na Band, e âncora do programa CBN Motor na rádio CBN Recife.

Colunista do UOL

19/08/2021 14h26

O mercado de SUVs grandes de sete lugares vem ganhando novos competidores nos últimos anos. O que antes era quase um território apenas dos valentes Toyota SW4, Chevrolet Blazer e Mitsubishi Pajero recebeu competidores mais modernos e até menores, mas que conseguem levar sete passageiros com folga e mais tecnologia.

É o caso de Volkswagen Tiguan Allspace, Peugeot 5008 (fora de linha) e Caoa Chery Tiggo 8. E o mercado receberá mais um concorrente que promete não aceitar um papel de coadjuvante nesse cenário: é o Jeep Commander, que será lançado na próxima semana, dia 26, com a promessa de sacudir o segmento dos grandões.

Mas será que a novidade produzida em Goiana (PE) terá fôlego para tirar clientes principalmente do consagrado e cada vez mais valorizado Toyota SW4? A Jeep espera que sim e usará como arma a relação de preço que pode ficar perto de R$ 100 mil mais barato entre as versões topo de linha na motorização a diesel.

Hoje, a Toyota cobra cerca de R$ 370 mil pela SW4 SRX de sete lugares e com motorização 2.8 turbodiesel de 204 cv e tração 4x4. Já o Commander na versão Overland turbodiesel 4x4 também com sete assentos deve ficar com preço na casa dos R$ 270 mil.

Além da ofensiva na tabela de preço, a Jeep também vai apostar na tecnologia embarcada para seduzir os clientes do Toyota que não costumam abandonar a marca. O Commander terá sistemas semiautônomos de comodidade e segurança, como controle de cruzeiro adaptativo (ACC) e frenagem autônoma de emergência.

Soma-se a isso internet wi-fi nativa e uma conectividade ampla e sem fio entre o SUV e o celular, algo que o rival e líder não possui. A aposta no design e tecnologia está certa porque eles querem passar a imagem superior a de um Jeep Compass tamanho GG.

A defesa da Toyota para não perder clientes para a Jeep terá várias frentes, que passam até mesmo pelo porte do SUV japonês, feito na Argentina, que é maior e mais imponente, como também pela inabalável confiabilidade da marca e valorização na revenda. Declaração dos cinco anos de garantia e programa de manutenções em conta são levados em consideração na minha análise.

Os vendedores da Jeep terão que ter os aspectos tecnológicos do Commander na ponta da língua e lembrar da autoridade da marca norte-americana no terreno off-road. Mesmo que o perfil dos consumidor de SUVs de sete lugares seja mais "família", o DNA aventureiro da Jeep pode e deve pesar positivamente para sua novidade que está perto de nascer com motor 2.0 de 170 cavalos e 38 quilos de torque, na recalibragem que antecipamos aqui para você.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL