PUBLICIDADE
Topo

Jorge Moraes

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Novo VW Polo GTI é apresentado, mas deve passar longe do Brasil

Divulgação
Imagem: Divulgação
Conteúdo exclusivo para assinantes
Jorge Moraes

Jornalista, Jorge Moraes trabalha com o segmento automotivo desde 1994. Presente nos principais salões internacionais, é editor do caderno de Carros no Diário de Pernambuco, diretor e apresentador do programa Auto Motor na Band, e âncora do programa CBN Motor na rádio CBN Recife.

Colunista do UOL

02/07/2021 14h10

A Volkswagen apresentou o novo Polo GTI no mercado europeu. Aqui no Brasil ainda estamos com o hatch sem as mudanças visuais que já chegaram ao Velho Continente. A mudança por aqui só deve ocorrer no primeiro semestre de 2022, com a chegada da linha 2023.

Sabemos também que a sigla GTI não faz parte da família Polo aqui no Brasil. A versão esportiva que podemos desfrutar no país é a GTS, com motor 1.4 TSI de 150 cv e 25,4 kgfm de torque. Já o GTI europeu é mais apimentado, pois tem sob o capô o motor 2.0 TSI que entrega 204 cv e 32,6 kgfm de torque ao hatch compacto com transmissão DSG de sete velocidades.

Mas será que o Polo GTI teria mercado no Brasil? Desde a saída do Golf de nossas prateleiras, a Volks deixou um vácuo no segmento dos hatchs "esportivos de verdade". O Polo GTS não tem as prerrogativas para satisfazer os clientes de Golf GTI, mas o Polo GTI talvez tivesse.

O maior entrave por aqui seria o preço, uma vez que o Polo GTS já passou há tempos da casa dos R$ 100 mil. Quando custaria então um Polo GTI por aqui? Não poderíamos esperar nada abaixo dos R$ 200 mil, o que deixaria o compacto em um nicho ainda menor de mercado.

Cabe a nós brasileiros entusiastas da linha esportiva da Volks esperar que, pelo menos no visual, o novo Polo GTS siga as linhas do GTI europeu. Só assim poderemos sentir um pouco do gosto que outros mercados sentem ao ver um hatch esportivo de verdade nas ruas.

* Colaborou Bruno Vasconcelos