PUBLICIDADE
Topo

Nada de 'engolido': veja vantagens e táticas para o T-Cross encarar o Nivus

Jorge Moraes

Jornalista, Jorge Moraes trabalha com o segmento automotivo desde 1994. Presente nos principais salões internacionais, é editor do caderno de Carros no Diário de Pernambuco, diretor e apresentador do programa Auto Motor na Band, e âncora do programa CBN Motor na rádio CBN Recife.

Colunista do UOL

16/07/2020 04h00

Desde que a Volkswagen do Brasil anunciou que estava criando um novo SUV compacto para o mercado nacional, muita gente perguntava como ficaria o recém-lançado T-Cross dentro da gama da montadora. O jipinho demorou para engrenar nas vendas e, quando conseguiu acelerar, eis que chega um concorrente dentro da própria marca.

Antes do lançamento do Nivus, o que todos afirmavam - inclusive nós - era que o SUV cupê compacto engoliria as versões de entrada e intermediária do Volkswagen T-Cross, restante a ele apenas espaço para o Highline com motor 1.4 250 TSI. Mas a história não é tão simples assim.

Depois que testei o Nivus por alguns dias em diversas situações, e que pude conversar com pessoas de dentro da Volks sobre a estratégia da montadora para seus SUVs compactos, consegui entender que os dois modelos poderão conviver com certa harmonia dentro de casa. Um pouco de fogo amigo é inevitável, mas nada fatal para nenhum deles.

Nivus e T-Cross têm muito mais diferenças do que se imaginava. É fato que eles dividem a mesma plataforma, o mesmo conjunto mecânico 200 TSI com câmbio automático de seis velocidades e outras tecnologias que estão presentes em praticamente em todos os modelos da "Nova Volkswagen" - que nasceu com o novo Polo, em 2017.

Vamos começar falando pela diferença mais obvia: estilo. Enquanto o T-Cross esbanja a identidade de um "jipinho" um pouco mais aventureiro, o Nivus inaugurou por aqui entre os compactos o visual cupê, que já era tendência entre os utilitários premium. A Volks também fez questão de associar o T-Cross, em todas as suas campanhas de lançamento, ao público feminino - o que faltava um pouco para a marca no país. E deu certo: o jipinho cai no gosto das mulheres (também dos homens) e vem se firmando entre os mais vendidos da categoria.

Já o estilo mais esportivo do Nivus tende a agradar mais ao público masculino. Lembrando que essa está longe de ser uma fórmula exata: nenhum carro é 100% voltado para um gênero específico. Portanto, nesse aspecto a Volks seguirá mantendo a mesma estratégia familiar para o T-Cross.

A dirigibilidade é outro ponto de diferencial entre os SUVs compactos da Volks. O T-Cross tem uma posição elevada de direção que garante uma melhor visibilidade, além da tal sensação de segurança que muita gente fala e usa para justificar a compra de um SUV. Já no Nivus é impossível não lembrar do Polo assim que você senta e assume o volante. Mesmo sendo mais alto que o hatch, a semelhança entre os dois é notória na direção.

A semelhança entre Nivus e Polo também é facilmente notada para quem está no assento traseiro. O espaço para as pernas é menor do que no T-Cross, que tem o entre-eixos semelhante ao do sedã Virtus. Esse é um ponto que será trabalhado pelos vendedores das concessionárias da Volks para reforçar o aspecto familiar do T-Cross.

Para quem precisa de mais espaço para os passageiros do que para as bagagens, o jipinho é mais apropriado. O ponto positivo para o Nivus nesse aspecto é o porta-malas maior de 415 litros, contra 373 litros do T-Cross.

Além do fator novidade e do visual mais moderno, a tecnologia a bordo era outro ponto apontado para justificar a profecia pessimista para o futuro do T-Cross.

De fato, nesse quesito, o Nivus Highline dá um banho no T-Cross Comfortline, que têm o mesmo motor 1.0 turbo. O jipinho já é vendido com bônus nas lojas para não ficar mais caro que o recém-chegado, que tem uma nova e poderosa central multimídia e sistemas de direção semi-autônomas, como ACC e frenagem de emergência.

Para deixar o T-Cross mais competitivo nesse sentido, a Volks vai levar parte dos equipamentos do Nivus para o jipinho. Claro que isso vai encarecer um pouco mais o modelo. Mas, pelo menos, não vai deixar o T-Cross defasado em relação ao cupê.

Além disso, para quem busca um SUV compacto e quer um desempenho melhor, o T-Cross Highline seguirá soberano dentro da marca. O mesmo também vale para a versão exclusiva para PCD, que fica abaixo dos R$ 60 mil com as isenções, algo distante do Nivus.

A estratégia da Volks para o Nivus é clara em deixá-lo como porta de entrada de sua gama SUV. Fica posicionado, em relação ao preço, muito perto Polo Highline, mas se iguala às versões intermediárias do T-Cross.

Esse ponto de intercessão entre algumas versões dos dois SUVs não é ruim para a montadora, desde que os clientes fiquem em dúvida entre Nivus e T-Cross e não entre um deles e os rivais de outras marcas. Caberá aos vendedores da Volkswagen saberem explorar os aspectos únicos que cada um deles têm para que o consumidor não se lembre de Chevrolet Tracker, Jeep Renegade, Hyundai Creta...

*Colaborou Bruno Vasconcelos