PUBLICIDADE
Topo

Infomoto

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Gasolina cara: 5 coisas para ficar de olho na sua moto e economizar

Preço médio do litro de gasolina na primeira quinzena de abril bateu recorde: R$ 7,47; veja dicas para sua moto "beber" menos - Infomoto
Preço médio do litro de gasolina na primeira quinzena de abril bateu recorde: R$ 7,47; veja dicas para sua moto "beber" menos Imagem: Infomoto
Conteúdo exclusivo para assinantes
Arthur Caldeira

Arthur Caldeira, jornalista e motociclista (necessariamente nessa ordem) fundador da Agência INFOMOTO. Mesmo cansado de ouvir que é "louco", anda de moto todos os dias no caótico trânsito de São Paulo.

Colunista do UOL

23/04/2022 04h00Atualizada em 25/04/2022 16h42

O preço da gasolina já subiu 2,9% na primeira quinzena de abril e bateu recorde. O valor médio do litro em todo o Brasil é de R$ 7,49, o maior já registrado no País.

Apesar de serem mais econômicas que os carros, pois uma moto ou scooter de baixa cilindrada pode rodar mais de 40 km com um litro de gasolina, até mesmo quem anda de moto têm sentido no bolso o aumento nos preços dos combustíveis. Mas como economizar ainda mais gasolina de moto?

O primeiro passo é pilotar de forma mais racional, ou seja, evitar arrancadas muito bruscas e acelerar progressivamente, como já expliquei em outras colunas. Mas, além da maneira de pilotar, é importante ficar de olho na manutenção da sua moto, para que ela beba menos.

Pensando nisso, elaborei, com a ajuda de especialistas, cinco dicas importantes para fazer sua moto "beber" menos em tempos de gasolina nas alturas; confira.

Pneus calibrados

Até por uma questão de segurança, todo motociclista deve conferir semanalmente a calibragem dos pneus da sua moto. Pneus murchos prejudicam a eficiência dos freios e dificultam contornar curvas, mas eles também podem fazer sua moto consumir mais gasolina.

calibragem pneu - Divulgação - Divulgação
Verifique a pressão dos pneus semanalmente, pois, além de prejudicar sua segurança, pneus murchos fazem sua moto "beber" mais
Imagem: Divulgação

Quando está abaixo da pressão recomendada pelo fabricante, sua moto consome mais gasolina. Isso acontece porque o pneu murcho tem uma maior área de atrito com o solo. "Se há uma maior área de atrito com o solo, você tem que acelerar mais para atingir determinada velocidade. Com isso, a moto 'bebe' mais", explica o piloto de testes de pneus de moto da Pirelli, Eduardo Zampieri.

Óleo certo na medida certa

Um dos itens mais importantes para o bom funcionamento do motor é o óleo lubrificante, pois reduz os atritos entre as partes móveis, como cilindro, pistões e câmbio, evitando desgastes e aumentando a durabilidade dos componentes.

Além disso, o óleo adequado para a moto é um importante aliado na economia de combustível. Afinal, é o lubrificante que reduz o atrito entre as peças do motor e retém os resíduos que vão se acumulando. Por isso também deve ser trocado periodicamente, seguindo as orientações do manual do proprietário.

troca de óleo - Divulgação - Divulgação
Usar o óleo recomendado e fazer as trocas nos intervalos indicado no manual do proprietário contribuem para sua moto consumir menos
Imagem: Divulgação

Utilizar um óleo dentro das especificações recomendadas pelo fabricante contribui decisivamente para a redução do consumo da moto, garante a Motul, empresa francesa especializada em lubrificantes.

Se o motociclista, por exemplo, escolher um óleo de viscosidade mais alta, esse lubrificante exigirá mais esforço do motor para mantê-lo em circulação, o que provocará aumento no consumo de combustível, além de dificultar a lubrificação e reduzir a vida útil do motor.

Acender as velas

Os motores de combustão interna que equipam as motos têm esse nome porque "queimam" combustível. Para quem não entende muito como funciona, em resumo, uma mistura ar e gasolina (ou etanol) é pulverizada dentro do cilindro, onde ocorre uma explosão que "empurra" o pistão para baixo, girando assim o virabrequim que, por sua vez, movimenta o câmbio que transfere esse movimento para a roda traseira.

O componente responsável por causar essa explosão é justamente a vela de ignição, que solta uma faísca e faz a mistura ar combustível "explodir". Por isso, é muito importante ficar atento ao estado e à validade da vela da sua moto.

vela e cachimbo de moto - Divulgação - Divulgação
Vela e cachimbo em boas condições garantem melhor funcionamento do motor e ajudam a economizar combustível
Imagem: Divulgação

Dificuldade na partida, falhas na aceleração e até o aumento do consumo de combustível podem ser sinais de uma vela desgastada que precisa ser trocada. "O ideal é substituir a vela dentro do prazo recomendado pelo fabricante da moto. Também substitua por uma vela com as especificações originais", explica Hiromori Mori, consultor de assistência técnica da NGK Brasil, fabricante de velas e cachimbos.

O especialista alerta que os cachimbos, nome popularmente dado aos terminais supressivos, também precisam ser trocados a cada três anos, para evitar fuga de corrente e perda de desempenho. "Lembrando sempre que é fundamental seguir as recomendações do fabricante da motocicleta", finaliza Mori.

Respirando melhor

Lembra que a mistura queimada na câmara de combustão do motor é composta por combustível e ar? Esse ar vem da atmosfera e passa pelo filtro de ar que retém as impurezas e entrega um ar "mais limpo" para compor essa mistura.

Justamente por isso, é necessário verificar se o filtro de ar não está sujo, obstruído ou com sua validade vencida, pois, caso isso ocorra, a moto pode ter um consumo excessivo ou apresentar falhas.

Existem filtros de ar que podem ser lavados e reutilizados, porém há outros que precisam ser trocados. Consulte o manual ou um mecânico de confiança, se não souber qual o tipo de filtro da sua moto.

Combustível de qualidade

Por último, mas não menos importante, é o combustível que você coloca no tanque. "Mas como saber se o combustível é de qualidade?", muitos perguntam. A maneira mais fácil é desconfiar de preços excessivamente baixos. Se o preço médio da gasolina, no início de abril, é de R$ 7,50, seria quase impossível um posto vender um litro por R$ 6,00, por exemplo. Afinal, o proprietário não iria revender um produto com prejuízo, concordam?

Pop 110i consumo - Mario Villaescusa/Infomoto - Mario Villaescusa/Infomoto
Controlar o consumo da sua moto ajuda a identificar quando o combustível está adulterado
Imagem: Mario Villaescusa/Infomoto

Entretanto, apenas o preço em patamares normais não garante uma gasolina de qualidade. Já abasteci em postos com bandeira renomada e preço elevado e, no dia seguinte, minha moto teve dificuldade para pegar.

Para saber se o combustível não está adulterado, a melhor maneira é controlar o consumo da sua moto constantemente. Como se faz isso? Para medir quantos km/litro faz sua moto, encha o tanque até o limite indicado e zere o hodômetro parcial.

No próximo abastecimento, encha o tanque novamente e fique atento a quantos litros foram colocados. Depois, é só ver quantos quilômetros sua moto rodou (que está registrado no hodômetro) e dividir pelos litros de gasolina. Por exemplo, se você rodou 300 km e colocou 10 litros no tanque, sua moto fez 30 km/litro - lembrando que isso varia de moto para moto.

Dessa forma, se houver uma alteração muito grande no consumo, você poderá desconfiar da qualidade do combustível. Ou ainda descobrir que está na hora de fazer uma revisão completa na sua moto ou mudar sua forma de pilotar.