PUBLICIDADE
Topo

Infomoto

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Galã, Tarcísio Meira ajudou a popularizar motos com personagem de novela

Tarcísio Meira em sua moto junto com Betty Faria na novela "Cavalo de Aço" - Divulgação
Tarcísio Meira em sua moto junto com Betty Faria na novela "Cavalo de Aço" Imagem: Divulgação
Conteúdo exclusivo para assinantes
Arthur Caldeira

Arthur Caldeira, jornalista e motociclista (necessariamente nessa ordem) fundador da Agência INFOMOTO. Mesmo cansado de ouvir que é "louco", anda de moto todos os dias no caótico trânsito de São Paulo.

Colunista do UOL

12/08/2021 13h44

Tarcísio Meira, que morreu hoje em decorrência das complicações da covid-19, eterno galã das novelas e filmes brasileiros, também já fez sucesso ao guidão de uma moto - e, de certa forma, contribuiu para popularizar a motocicleta no País.

O ator foi o protagonista da novela "Cavalo de Aço", da década de 1970, na qual fazia o papel do mocinho que se dividia entre a paixão pela sua Honda CB 750 e pelas personagens das atrizes Glória Menezes e Betty Faria, outras grandes estrelas da TV.

Quando a novela foi ao ar em 1973 pela TV Globo, Tarcísio Meira já era um galã. Já trabalhava desde a década de 1960 nas extintas TV Tupi e Excelsior, onde estrelou ao lado da esposa, Glória Menezes, a primeira novela diária da TV brasileira.

Com seu papel em "Cavalo de Aço", porém, Tarcísio ajudou a popularizar as motocicletas no Brasil. Sua imagem de mocinho e sua fama contribuíram para mostrar que as motos não eram coisas de foras-da-lei ou de gangues de motociclistas. Eram, e são até hoje, ótimos meios de locomoção, além de uma paixão de muitos.

No início dos anos de 1970, ainda não havia fábricas de motos no País e todos os modelos eram importados. A primeira moto "made in Brazil" só surgiu em 1974, quando a Yamaha iniciou a produção da RD 50, dois tempos, em Guarulhos (SP). Dois anos mais tarde, a Honda inaugurava sua fábrica em Manaus (AM) e passava a produzir a CG 125, quatro tempos.

A moto do século

Em "Cavalo de Aço", título que fazia alusão exatamente à moto guiada pelo autor, Tarcísio rodava com uma imponente Honda CB 750, modelo mais desejado à época e que marcou a história da indústria mundial de motocicletas, sendo eleita a "Moto do Século XX", tamanha sua importância.

A famosa "sete galo" estreou no salão de Tóquio, de 1968. Mas começou a ser vendida efetivamente em 1969, no mercado Europeu. Foi a primeira da linhagem de motos "four" da Honda.

Honda CB 750 Four - Divulgação - Divulgação
Honda CB750 Four, lançada em 1969, foi fundamental para o sucesso das motos japonesas em todo o mundo
Imagem: Divulgação

Seu motor de quatro cilindros em linha de 736 cc tinha quatro carburadores e produzia 67 cavalos de potência máxima. O suficiente para levar a CB 750 Four a 192 km/h de velocidade máxima - um número impressionante para a época.

O modelo tinha câmbio de cinco marchas. Entre as grandes inovações da CB 750, estavam o freio a disco na dianteira e a partida elétrica.

Com design arrojado, motor confiável e bom desempenho, a CB 750 é considerado modelo fundamental na trajetória de sucesso das fábricas japonesas de motocicletas. Seu sucesso em todo o mundo foi tão grande que ajudou a enterrar de vez muitas fábricas europeias que não conseguiam acompanhar as inovações e a qualidade das motos nipônicas.

Assim como a CB 750, Tarcísio Meira entra agora para a história da teledramaturgia brasileira. De certa forma, para a história das motos no Brasil.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.