PUBLICIDADE
Topo

Infomoto

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Honda Hornet: por que moto aposentada em 2014 ainda é a mais procurada

Honda CB 600F Hornet foi vendida no Brasil entre 2005 e 2014, mas tem uma legião de fãs até hoje    - Divulgação
Honda CB 600F Hornet foi vendida no Brasil entre 2005 e 2014, mas tem uma legião de fãs até hoje Imagem: Divulgação
Arthur Caldeira

Arthur Caldeira, jornalista e motociclista (necessariamente nessa ordem) fundador da Agência INFOMOTO. Mesmo cansado de ouvir que é "louco", anda de moto todos os dias no caótico trânsito de São Paulo.

Colunista do UOL

28/03/2021 04h00

Lançada no Brasil em 2004, a Honda CB 600F Hornet foi sucesso de vendas desde o princípio. Liderou o ranking das motos naked mais vendidas do país até sair de linha em 2014, com cerca de 48 mil unidades emplacadas.

Mesmo aposentada há sete anos, a Hornet ainda tem uma legião de fãs e deixou saudades. Prova disso é que, nos últimos dois anos, a CB 600F Hornet foi a moto com maior procura entre as anunciadas nas plataformas da Webmotors, segundo levantamento da própria empresa, que levou em consideração a audiência para motos em 2019 e 2020.

O bom desempenho do motor de quatro cilindros em linha de 599 cm³, suas especificações esportivas e a facilidade de pilotagem são algumas características que fizeram a fama da Hornet. Confira por que a naked ainda desperta paixões até hoje.

Motor potente

A primeira geração da Hornet chegou ao país em 2004, mas já como modelo 2005. A naked trazia o motor de quatro cilindros e 599 cm³, derivado da esportiva CBR 600. Ainda carburado, produzia 96,5 cavalos de potência máxima a 12.000 rpm e 6,43 kgf.m de torque a 9.500 giros.

Hornet laranja 2007 - Divulgação - Divulgação
Primeira geração da Hornet tinha motor carburado com 96,5 cv; como comparação a nova CB 650R tem 88,4 cv de potência máxima
Imagem: Divulgação

Desempenho que não foi superado nem mesmo pela atual CB 650R, modelo que ocupa o posto de naked média da Honda. Embora tenha controle de tração, faróis de LED e um design atraente, a CB 650R produz apenas 88,4 cv de potência e 6,13 kgf.m de torque.

Se comparada às segunda e terceira geração da Hornet, que chegaram ao Brasil em 2008 e 2011, respectivamente, a CB 650R perde feio. Já com injeção eletrônica, o tetracilíndrico produzia 102 cavalos de potência máxima.

Características esportivas

Outro diferencial da Hornet era sua origem. Baseada na CBR 600RR, a Hornet era uma autêntica streetfighter, como ficaram conhecidas as motos naked (pelada, sem carenagem), derivadas de uma superesportiva. Na sua segunda geração, lançada em 2008, tinha quadro de alumínio o que fazia dela uma moto mais leve e ágil.

Hornet 2008 - Divulgação - Divulgação
Segunda geração da Hornet chegou ao Brasil em 2008 com novo visual, motor injetado de 102 cv e suspensões invertidas
Imagem: Divulgação

A segunda geração também trouxe suspensões invertidas na dianteira. Item que não era comum nas motos da mesma categoria. Para se ter uma ideia, só em 2020, o modelo que substitui a Hornet, a CB 650R, ganhou garfo upside-down, no trem dianteiro.

Melhor que as concorrentes

Outro fator que contribuiu para a Hornet ser um sucesso, enquanto estava em linha, foi que ela era, de fato, melhor que as concorrentes. A começar pelas especificações. No quesito potência, a CB 600F dava um banho na Suzuki Bandit 650, que tinha 84 cv, e na Yamaha XJ6, com 77,5 cv de potência.

Hornet 2012 - Divulgação - Divulgação
Terceira e última geração da Hornet desembarcou aqui no final de 2011, como modelo 2012; visual era inspirado na CB 1000R
Imagem: Divulgação

Claro que potência não é tudo em uma moto, mas a Hornet tinha outras qualidades perante às concorrentes. Em função de seu quadro de alumínio, era mais leve (177 kg) e fácil de pilotar que as concorrentes, como Suzuki Bandit 650 (215 kg) e Kawasaki Z 750 (203 kg).

Versatilidade

Com motor potente e bom conjunto ciclístico, com suspensões invertidas e quadro em alumínio, a Hornet mesclava esportividade e conforto na medida certa. A naked média da Honda se saía bem na cidade, tinha conforto e desempenho para viajar e até era possível se divertir em uma pista.

hornet 2008 - Divulgação - Divulgação
Hornet mesclava esportividade e conforto na medida certa
Imagem: Divulgação

Com isso, a Hornet atendia bem diferentes públicos. Outros modelos concorrentes da época ou eram muito pragmáticos, como a Yamaha XJ6N, excelente na cidade, mas faltava potência e ciclística na pista ou eram muito esportivos, como a Kawa Z 750, que era mais pesada e tinha um curto raio e giro para circular com desenvoltura no trânsito urbano.

Custo-benefício

Embora nunca tenha sido uma moto barata, a CB 600F Hornet não era das mais caras. Com valores girando em torno dos R$ 30 mil, a Hornet tinha um bom custo-benefício, oferecendo um bom pacote pelo valor cobrado.

Hornet 2014 - Doni Castilho/Infomoto - Doni Castilho/Infomoto
Honda CB 600F Hornet saiu de linha em 2014; enquanto foi produzida liderou o segmento de motos naked
Imagem: Doni Castilho/Infomoto

A segunda geração que desembarcou por aqui em 2008, por exemplo, custava R$ 30.837, na versão standard. Valor mais em conta que as concorrentes àquela altura: a Yamaha FZ6N tinha preço sugerido de R$ 35 mil e a Suzuki Bandit 650N saía por R$ 31.151.

Atualmente, um modelo da primeira geração, ainda carburada, custa em torno de R$ 25 mil. Já a segunda geração, injetada e com suspensões invertidas, está na casa dos R$ 28 mil. Os últimos modelos, já com o visual semelhante a CB 1000R e painel totalmente digital, além das suspensões invertidas, não são encontradas por menos de R$ 30 mil.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL