PUBLICIDADE
Topo

Infomoto

Honda cede cilindros de oxigênio e paralisa produção de motos em Manaus

Fábrica de motos na capital amazonense está fechada nesta sexta-feira (15/01); empresa estuda nova paralisação - Diculgação
Fábrica de motos na capital amazonense está fechada nesta sexta-feira (15/01); empresa estuda nova paralisação Imagem: Diculgação
Arthur Caldeira

Arthur Caldeira, jornalista e motociclista (necessariamente nessa ordem) fundador da Agência INFOMOTO. Mesmo cansado de ouvir que é "louco", anda de moto todos os dias no caótico trânsito de São Paulo.

Colunista do UOL

15/01/2021 10h28Atualizada em 15/01/2021 16h40

A triste situação da pandemia de covid-19 na capital amazonense obrigou a Honda a suspender a produção de motos nesta sexta-feira (15 de janeiro) como medida emergencial. A fábrica não irá funcionar apenas hoje, segundo a assessoria de imprensa da empresa.

A Honda já havia suspendido a produção de motos em Manaus (AM) por cerca de dois meses, entre abril e maio, também em função do novo coronavírus. Com o aumento de casos neste início de ano, a diretoria da empresa se reúne hoje para decidir se haverá ou não uma nova paralisação.

Ontem, o secretário estadual de Saúde do Amazonas, Marcellus José Barroso Campêlo, apresentou uma notificação extrajudicial na qual requisitou "eventual estoque ou produção de oxigênio" para pacientes internados com a covid-19. A notificação foi endereçada a 11 empresas, dentre elas a Yamaha e a Honda, e também algumas fábricas de bicicletas, como a Caloi.

Entretanto, a Honda afirma que doou voluntariamente cilindros de oxigênio para o sistema de saúde local e a paralisação de hoje não tem relação com a requisição feita pela secretaria estadual.

A interrupção foi motivada pelo aumento de casos na capital amazonense, onde estão localizadas praticamente todas as fábricas de motocicletas do País.

Produção será comprometida, diz Yamaha

Consultada, a Yamaha afirmou que também paralisou a produção de motos hoje (15 de janeiro) em função da crise do coronavírus, que atinge a capital amazonense.

Em relação ao oxigênio requisitado pela secretaria estadual de Saúde do Amazonas, a empresa diz que o oxigênio normalmente utilizado nos processos produtivos não serve para o uso hospitalar. Mas foram disponibilizados dois cilindros disponíveis no ambulatório da fábrica. Entretanto, não foram retirados pela secretaria.

yamaha - Divulgação - Divulgação
Turno na fábrica da Yamaha será reduzido a partir de segunda-feira (18 de janeiro) devido ao toque de recolher decretado pelo governo estadual
Imagem: Divulgação

Segunda maior fábrica de motos do País, a Yamaha afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que a produção deverá ser comprometida pelas medidas restritivas tomadas em função da situação crítica da pandemia em Manaus.

Como o governador Wilson Lima decretou toque de recolher das 19h às 6h, o turno dos funcionários terá de ser reduzido. Segundo a empresa, isso se faz necessário para que os colaboradores possam se locomover entre suas casas e a planta fabril. Nesse horário, os transportes públicos não funcionarão e a circulação de pessoas está proibida.