PUBLICIDADE
Topo

Coisa de Meninos Nada

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Alerta vermelho: quais os estragos e o que fazer quando seu carro 'ferve'

Conteúdo exclusivo para assinantes
Thais Roland

Thais Roland é técnica em Manutenção Automotiva e apaixonada pela graxa. Com seu canal no YouTube 'Coisa de Meninos Nada', busca informar, orientar e dar suporte em relação a dúvidas e neuras sobre o mundo dos carros

Colunista do UOL

08/03/2022 04h00

Muitas das pessoas que me procuram querendo aprender mais sobre carros querem saber o que fazer quando acontece alguma emergência com o carro - e aí descobrem que o mais importante é manter as manutenções preventivas em dia para não passar por apuros.

Mas é claro que incidentes acontecem e é importante saber como agir na hora do aperto. Por isso já ensinei a vocês como trocar pneu, por exemplo, e hoje vamos falar sobre o que fazer quando seu carro superaquece, outra situação não muito rara.

  • O UOL Carros agora está no TikTok! Acompanhe vídeos divertidos, lançamentos e curiosidades sobre o universo automotivo.

Você percebe que seu carro superaqueceu através de uma luz no painel. Ela é vermelha para indicar que você precisa parar imediatamente. Continuar andando com o carro causará danos muito graves ao seu motor. Isso vale para qualquer alerta vermelho que acenda no painel de instrumentos enquanto você está conduzindo seu carro.

Depois que ela acendeu o superaquecimento já aconteceu, então não tem mais o que fazer além de desligar o carro, sentar e esperar. Se você conta com um seguro, acione e guinche seu veículo direto para a oficina.

Se não for possível guinchar, se inicia um processo de paciência tibetana. Você esperará o motor esfriar, verificará o nível de água no reservatório e completará se for necessário (e provavelmente será). Tudo isso para poder seguir em direção à oficina antes de a temperatura voltar a subir, acompanhando pelo marcador do painel - e parar novamente e esperar mais um pouco caso suba.

Mesmo com todo esse cuidado, pode ser que a tragédia já esteja consumada. A junta do cabeçote já pode ter queimado e ter água e aditivo se misturando ao óleo lubrificante do motor. O cabeçote também pode ter empenado e mais danos podem ter sido causados pelo aumento excessivo da temperatura.

Sobre o empenamento do cabeçote e demais danos você só saberá depois que o mecânico desmontar as peças, não tem jeito. Mas tem como você ter uma pista da extensão dos danos verificando a vareta do óleo.

Ao chegar à oficina, puxe a vareta e verifique a coloração do óleo lubrificante. Se ele estiver com aspecto normal significa que a junta do cabeçote não queimou e aí é pouquíssimo provável que tenha ocorrido algum dano ao cabeçote ou outras partes do motor que precisem de uma retífica.

Mas se o óleo estiver com uma coloração de café com leite... pode preparar a carteira que a conta sairá alta.

Como sempre, a melhor maneira de evitar todo esse transtorno é manter a manutenção preventiva em dia e respeitar as determinações do fabricante quanto aos aditivos a serem utilizados no sistema de arrefecimento. Fazendo tudo direitinho, só se der uma zica muito grande para rolar um superaquecimento.

Agora é a vez de vocês: me contem nos comentários seus causos sobre os carros fervendo na subida da serra, na volta das férias ou no feriadão prolongado.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.