PUBLICIDADE
Topo

Caçador de Carros

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Por que Corolla Cross é a prova definitiva de que os SUVs não valem a pena

Felipe Carvalho

Felipe Carvalho é administrador de empresas, consultor e primeiro "caçador de carros" profissional do país. Seu canal no YouTube dedicado a avaliações de achados automotivos tem mais de 100 mil inscritos. www.youtube.com/CarrosdoPortuga

Colunista do UOL

18/03/2021 04h00

Não sei como é com você, meu caro leitor, mas não consigo mais me entusiasmar quando um novo SUV é apresentado. Tudo bem se eles estivessem somando no mix de produtos de uma marca, mas o que tem acontecido é que esses utilitários esportivos estão aposentando modelos de outras categorias. Além do mais, são sempre muito mais caros do que deveriam.

É o caso do novo Toyota Corolla Cross, SUV que acaba de ser apresentado pela marca japonesa e que é baseado no consagrado sedã. Ele não aposentou o 'irmão mais velho' (ainda), mas tirou de linha os pequenos e simpáticos Etios hatch e sedã para que liberassem espaço na linha de montagem para o novo carro.

No caso da Toyota, o Corolla Cross não aposentou uma categoria, já que ainda existe o Yaris, com dimensões próximas às do Etios e que deve assumir essa função de modelo de entrada. Mas, em outros casos, categorias foram aposentadas por SUVs.

Quando o Renault Duster foi lançado, aposentou a Megane Grand Tour, ótima perua que vendia pouco. Não posso dizer que a Renault errou na escolha, pois seu SUV passou a vender muito mais, mesmo sendo inferior em quase tudo.

Algo parecido aconteceu na Volkswagen quando lançou o T-Cross e "matou" o Golf. Compare um com o outro e o SUV não ganha em nada. No entanto, o Golf estava esquecido no mercado, enquanto o Volkswagen T-Cross é um fenômeno de vendas. Pelo jeito, a marca alemã também não errou na escolha.

Provavelmente a Toyota também se dará bem com o Corolla Cross. O mercado é soberano e escolherá entre ele e o sedã, independentemente da minha opinião. Mas que fique claro: o Cross é uma grande enganação que somente os desavisados escolherão.

Vamos começar pelo preço. Enquanto o Corolla GLI, versão de entrada do sedã, custa R$ 120 mil, a versão de entrada do Cross, a XR, custa R$ 140 mil. São bons R$ 20 mil, diferença que não faz nenhum sentido quando um é comparado com o outro.

A plataforma é a mesma e também compartilham exatamente o mesmo motor e transmissão. No caso da suspensão, a vantagem é do sedã, que utiliza o refinado conceito de multibraços na traseira, enquanto o Cross apela para o simplório eixo de torção. Portanto, não existe nenhuma evolução técnica que justifique o valor maior.

Em termos de segurança, ambos são equipados com sete airbags, controles de estabilidade e tração, assistente de subida em rampa, alarme e luzes diurnas.

Nos equipamentos de conforto, também são bem parecidos. Apesar de serem versões de entrada, oferecem o mínimo que podemos esperar em carros nessas faixas de preço, ou seja, não decepcionam.

Sendo assim, tão parecidos, eu já poderia parar por aqui para deixar claro que está longe de o Cross valer R$ 20 mil a mais. Mas não sem antes citar duas importantes vantagens de um SUV, que o leitor deve estar imaginando: espaço interno e vão livre entre a carroceria e o solo.

Pois bem, esses dois quesitos, defendidos por quem tem ou quer ter um SUV, não são diferenciais no Corolla Cross. No porta malas, ele perde em 30 litros para o sedã, e no espaço interno também deve perder um pouco, pois a distância entre-eixos é menor.

O Cross ganha na altura em relação ao solo, mas por apenas 13 milímetros! Pegue uma régua, olhe para essa medida e tire suas próprias conclusões do quanto isso é relevante. Não me venha com a desculpa de que anda em estradas de terra no fim de semana, que nem para isso o Cross é vantajoso.

O Corolla Cross só ganha mesmo, nesse comparativo de versões de entrada, por ter rebatimento elétrico dos retrovisores, ar-condicionado automático, sensores de estacionamento traseiro e rodas uma polegada maior.

Consegue enxergar R$ 20 mil nesses itens? E o leitor pode fazer o mesmo comparativo com as versões mais caras de ambos, com também cerca de R$ 20 mil de diferença, para concluir que o Corolla Cross é uma grande enganação.

Portanto, se você está disposto a comprar um Toyota com R$ 140 mil no bolso, recomendo duas coisas: a primeira, como ficou óbvio nessa coluna, é levar o Corolla GLI e guardar os R$ 20 mil que sobraram. E a segunda é levar a versão intermediária XEI por R$ 130 mil e guardar os R$ 10 mil que sobraram. Só não caia na tentação de pagar tão mais caro no Cross, só por ser a categoria da moda.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL