PUBLICIDADE
Topo

Benê Gomes

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Rival do Compass, Volkswagen Taos precisa de uma dose de aventura

Conteúdo exclusivo para assinantes
Benê Gomes

Jornalista e produtor de TV, desde 2001 atua como profissional especializado no segmento automotivo. Assina o boletim diário Sexta Marcha, da Rádio Transcontinental FM de SP, dirige e apresenta o_ _Programa Momento Vox – BAND SP. É diretor da Onze Produções, produtora de vídeo e conteúdo digital, e é o idealizador do Programa Auto+, onde atuou por 15 anos

Colunista do UOL

01/08/2021 04h00

Novíssimo SUV médio da Volkswagen, o Taos obrigou a própria marca a remanejar sua linha de SUVs para encaixar o novo modelo. Posicionado entre o T-Cross e o Tiguan, o Taos, antes de qualquer coisa, foi estrategicamente pensado para incomodar o Jeep Compass, uma coisa que nenhum modelo conseguiu fazer até aqui.

Para alcançar esse objetivo, o Taos aposta em características positivas e conhecidas de outros carros da Volkswagen, como desenho elegante, muita tecnologia, ótima dirigibilidade e, no caso dele, espaço caprichado para passageiros e bagagens. São duas versões de acabamento, a Confortline e a Highline, esta segunda a versão topo de linha e que tive a oportunidade de experimentar.

Observando o desenho, apesar do porte, considero até meio discretão. Ainda assim, traz elementos para chamar atenção e, na minha opinião, todos estão na dianteira. Destaque muito positivo é o IQ light - moderno sistema de iluminação adaptativa que estreou na linha de elétricos ID na Europa - e que conta com um filete de LED atravessando toda a grade e unindo os faróis.

O resultado é uma linha única para o DRL, a luz diurna de LED, e que causa um belo efeito quando acesa. Depois tem o para-choque cheio de vincos e com um chamativo acabamento em preto brilhante que forma o desenho da letra X; na parte inferior tem outra porção da grade com desenho tipo colmeia, fechando um pacote com certa dose de exagero na quantidade de elementos.

Na lateral, tem vincos marcados, a chamada linha de cintura mais alta para aumentar a robustez, e as rodas são sempre de liga leve aro 18 montadas com pneus 215/55. Atrás, olhando rápido, pode gerar confusão com a traseira do Tiguan, mas a proposta segue alinhada com a dianteira ao trazer lanternas com luz de LED, para-choque com os mesmos apliques de plásticos e o nome do carro em destaque na base da tampa, ponto que nos leva a lembrar de um dos seus diferenciais, o porta-malas com 498 litros de capacidade.

Depois, garante vida bem tranquila para quem se senta atrás, com folga para pernas, cabeça e ombros, esse um resultado direto do bom entre-eixos de 2,68 metros. O Taos comporta três adultos no banco traseiro sim, mas no meio - como acontece com muitos modelos - é preciso administrar um certo desconforto porque tem o túnel central elevado - não muito - mas ele existe e tira o espaço dos pés. Em compensação, só com duas pessoas, dá para tirar proveito do estratégico apoio de braço com porta-copos e que permite acesso ao porta-malas, algo muito prático durante uma viagem.

Simplicidade no acabamento

O acabamento do Taos segue aquela característica do Nivus, com bom gosto e qualidade na montagem das peças. No entanto, há uma grande quantidade de plástico duro no painel, console central e portas, o que acaba trazendo um ar de simplicidade. A preocupação com refinamento aparece no material sintético que imita couro e traz costuras aparentes no painel central e nas portas dianteiras - nas traseiras o plástico impera - além de uma faixa longa no painel com plástico brilhante.

Agora, não dá pra negar que essa aparente simplicidade do acabamento acaba sendo deixada em segundo plano quando a observação vai para itens como o painel de instrumentos 100% digital configurável - o conhecido Active Info Display - que é de série na versão Highline, e também o sistema multimídia VW Play e sua ótima tela integrada ao painel, com memória interna de 10GB e vários recursos de conectividade.

Bom no T-Cross, o motor 1.4 vai bem no Taos?

VW Taos Highline x Jeep Compass S - Marcos Camargo/UOL - Marcos Camargo/UOL
Imagem: Marcos Camargo/UOL

O que não também dá pra deixar de comentar é a opção da marca em aplicar no Taos o motor 1.4 TSi flex de injeção direta com câmbio automático de 06 velocidades. Um conjunto que vai muito bem no T-Cross, o SUV compacto da linha. Bem, aí é inevitável a pergunta: essa receita é suficiente para o Taos? A resposta é sim. Vale lembrar que o Taos não é tão pesado - são 1.420 Kg - e isso facilita as coisas pra ele.

Mas como informou a engenharia da marca, ele te um acerto diferenciado para o trabalho de motor e câmbio. Assim, utilizando o Taos em condições normais, seja cidade ou estrada, dá pra dizer que tem comportamento mais ligeiro, e muito por causa do bom torque disponível em baixas rotações do motor.

Tanto que ele apresenta um bom número na aceleração de 0 a 100 Km/h, feita em 9,3 segundos, o que confirma a disposição para retomadas de velocidade. Oferece quatro modos de condução: Eco, Normal, Sport e Individual. Então, quem quiser mais agilidade, certamente vai ficar satisfeito com o modo Sport e ainda poderá se divertir com as trocas de marcha manuais pelas aletas no volante.

Equipado com conjunto de suspensão independente nas quatro rodas, o Taos tem aquele acerto mais firme característico dos carros da VW, o que para mim é muito legal. Mesma coisa para a direção com assistência elétrica sensível aos comandos. Assim, quando for andar com ele, não espere um comportamento com muita maciez. Mas longe de achar que se trata de um SUV desconfortável.

Além dessas características, o Taos merece atenção ainda por trazer como item de série na versão Highline, recursos bem valiosos para um modelo dessa faixa de preço. Por exemplo, o ACC - controle de cruzeiro adaptativo - é equipado com o sistema Stop and Go; com ele acionado, dá para encarar o trânsito pesado de uma grande cidade com muito conforto e segurança, pois o carro literalmente pode andar e parar sozinho.

Ainda no quesito segurança, traz frenagem autônoma de emergência com detector de pedestres, 06 airbags, alertas de ponto cego e de tráfego cruzado traseiro.

Como vemos, o Taos é um carro moderno, com boa dose de tecnologia, bom de guiar e com muita personalidade para fazer bonito nos pisos de asfalto e nas boas viagens de família, coisa que o Jeep Compass - o concorrente a ser batido - também tem. No entanto, para quem valoriza um carro que tenha algum vínculo com a terra e a natureza - essa, uma das bandeiras do Compass - certamente vai sentir falta de uma dose de aventura no VW Taos.

Preço VW Taos

Confortline 250 TSi: R$ 155.585,00
Highline 250 TSi: R$ 182.385,00

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL