PUBLICIDADE
Topo

Benê Gomes

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Civic Touring é opção para quem não entrou na onda dos SUVs

Benê Gomes

Jornalista e produtor de TV, desde 2001 atua como profissional especializado no segmento automotivo. Assina o boletim diário Sexta Marcha, da Rádio Transcontinental FM de SP, dirige e apresenta o_ _Programa Momento Vox – BAND SP. É diretor da Onze Produções, produtora de vídeo e conteúdo digital, e é o idealizador do Programa Auto+, onde atuou por 15 anos

Colunista do UOL

09/05/2021 04h00

Na semana em que a nova geração do Honda Civic foi lançada oficialmente nos Estados Unidos, aproveitei para dar uma conferida na décima geração deste tradicional sedã e que segue firme e forte por aqui. A versão escolhida foi a Touring, topo de linha e que traz, entre os seus principais atrativos, o motor 1.5 turbo de 173 cavalos de potência.

Já faz tempo que o Civic deixou a liderança de vendas no Brasil, mas isso não significa que tenha perdido a condição de grande referência para quem aprecia um legítimo sedã bom de guiar. E mais recentemente, desde que vazaram as primeiras imagens da nova geração, passou a ser motivo de discussão por causa do novo visual bastante influenciado pelas linhas do Accord, sedã grande da marca e que também foi renovado.

O Civic retomou uma certa sobriedade, perdeu o desenho provocativo, em especial, o da traseira. Dentro também foi bastante alterado, ganhou um novo painel mais limpo e praticamente sem botões, além de uma tela no estilo flutuante para a central multimídia. Legal é que agora vai oferecer o sistema Honda Sensing, pacote que reúne recursos de segurança e de apoio à condução, como detector de pedestres e frenagem autônoma de emergência.

Bem, mas para nós no Brasil, a realidade neste momento é o Civic linha 2021 e suas pequenas alterações apresentadas no final do ano passado. O mais interessante aconteceu na central multimídia, que foi atualizada e recebeu um novo visual com ícones mais coloridos e intuitivos.

Um ponto importante e que atendeu a reclamação de clientes foi a introdução de um botão para controle de volume o áudio. O que ainda não mudou é a posição incômoda para acessar as portas USB, embaixo do console central

Partindo para aquilo que ele tem de bom, ainda mais na versão que tem o compromisso com a esportividade, o Civic segue bem servido com o motor 1.5 turbo a gasolina de injeção direta e que rende 173 cavalos de potência e 22,4 quilos de torque, mais o câmbio automático do tipo CVT que permite simular trocas de até sete marchas.

Essa receita vem bem acompanhada do acerto geral desse sedã, algo facilitado por algumas características: conjunto de suspensão independente nas quatro rodas com acerto firme, posição de guiar mais próxima do chão e volante com assistência elétrica que responde rápido aos comandos.

Duelo: Toyota Corolla Altis Hybrid x Honda Civic Touring - Murilo Góes/UOL - Murilo Góes/UOL
Imagem: Murilo Góes/UOL

Na média, o Civic embala fácil e não hesita quando você precisa de agilidade para uma ultrapassagem na estrada, mesmo sem apelar para o modo Sport e que pode ser acionado facilmente pela alavanca do câmbio. Mas tem como característica a entrega de uma aceleração progressiva, nada de força bruta e que te faz colar no encosto do banco a cada pisada funda no acelerador. Ou seja, ele reforça mais uma característica esperada em um sedã legítimo, que é a garantia de conforto.

Aliás, isso é algo marcante no Honda Civic Touring, pois mesmo acelerando forte, ele é bem silencioso. Coloque nesse molho outro ponto que agrada qualquer motorista: a economia de combustível.

Para quem dirige com atenção nesse quesito e não se incomoda, por exemplo, em utilizar bastante o modo de condução ECO - que altera reações do motor e câmbio com foco na redução de consumo - certamente vai conseguir números melhores do que os registrados pelos parâmetros do Inmetro, com média de 11,8 km/l na cidade e 14,4 km/l na estrada.

No mais, como versão topo de linha que se preze, o Civic Touring tem acabamento caprichado, mordomias como o teto solar com comando elétrico, ar-condicionado com duas zonas, bom espaço para motorista e passageiros, porta-malas com capacidade para 519 litros e muitos equipamentos que o tornam um automóvel muito seguro: controles eletrônicos de tração e estabilidade, assistência de partida em rampa, câmera de ré, faróis de led com regulagem de altura, sensor crepuscular, 06 airbags, entre outros.

Sem esquecer do sistema LineWatch, que projeta imagens de uma câmera instalada no retrovisor direito para a tela do multimídia a cada vez que é acionada a seta para conversão à direita. Uma santa ajuda para evitar o ponto cego.

É, o Civic garante sim muita tranquilidade para uma viagem em família e, para quem não entrou na onda dos SUVs, entrega as características de um legítimo sedã com boa dose de esportividade. Agora, resta saber se a décima primeira geração lançada no mercado norte-americano chegará aqui e em que condições. Até o momento a Honda do Brasil não deu nenhuma pista se seguirá produzindo o Civic em nosso país e nem mesmo se a nova geração será comercializada em nosso mercado.

Preço Honda Civic 1.5 turbo CVT: R$ 160.800,00

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL