PUBLICIDADE
Topo

Benê Gomes

Honda WR-V melhora com atualizações da linha 2021, mas poderia ser melhor

Benê Gomes

Jornalista, produtor e roteirista, atua no setor automotivo desde 2001. É idealizador e diretor do programa Auto+, exibido pela RedeTV. Também dirige e apresenta o programa Momento Vox, no ar pela Band, e é colunista da rádio Transcontinental FM de São Paulo

Colunista do UOL

07/02/2021 04h00

Projeto 100% brasileiro, o Honda WR-V entrou em seu quarto ano de vida no Brasil com uma boa dose de atualização e merecidos ajustes que aumentaram seu nível de segurança. Isso sem perder suas características de base, tanto as que agradam como algumas que ainda podem incomodar.

Relembrando, o WR-V foi todo pensado para entrar no concorrido segmento dos SUVs e crossovers compactos, assumindo o posto de primeira e mais em conta opção dentro da linha de utilitários da marca por aqui.

Como é feito em cima do Fit e não disfarça essa origem, desde o início carrega as boas características de conforto dele, mesmo quando a observação é a posição de dirigir, por exemplo, que é um pouco mais alta para cumprir a proposta aventureira.

Na prática, essa condição ao volante nem é tão marcante assim, ainda mais se a comparação for feita com SUVs compactos mais tradicionais da concorrência.

E isso é algo que acaba sendo um ponto positivo dele para quem aprecia a condução mais clássica e segura. Apesar de contar com um conjunto de suspensão mais reforçado - o eixo traseiro, pro exemplo, vem do HR-V, modelo maior e mais pesado - com molas e amortecedores específicos, o WR-V é um carro que mantém o clima agradável, feito para quem preza o rodar confortável.

Uma proposta bem definida desde o início e que segue fiel em vários pontos, como é o caso do conjunto de motor e câmbio, que continua exatamente igual. É equipado com o bom motor 1.5 i-VTEC FlexOnede 116 cavalos potência e 15,3 Kgfm de torque, mais a transmissão automática do tipo CVT.

Receita que vai bem no trânsito urbano e também na estrada, mas longe de oferecer reações muito espertas, a começar pelo peso, que é maior no WR-V em relação ao Fit. Depois, porque o câmbio CVT do WR-V tem aquele comportamento tradicional e bem conhecido desse tipo transmissão, que eleva bastante rotação do motor nas situações em que você quer resposta rápida.

Além da falta de agilidade, nessa condição é preciso conviver com o ronco alto do motor. Mas tirando isso, tem a questão do consumo, que é bom. Pelas medições do Inmetro, na estrada alcança médias de 8,8 Km/l com etanol e 12,4 Km/l com gasolina.

Ainda no quesito fiel à proposta original, tem um ponto muito legal e que sempre vale ser lembrado. Assim como no Fit, o WR-V oferece uma versatilidade ainda exclusiva para seu segmento, que é o sistema batizado de "Magic Seat", com bancos traseiros moduláveis.

Além do espaço livre embaixo dos bancos - algo possível graças ao posicionamento do tanque de combustível embaixo dos assentos dianteiros - dá para abrir um espaço considerável para volumes altos com os bancos rebatidos e alinhados com o encosto.

Linha 2021 traz controles eletrônicos de tração e estabilidade

Mesmo comprometido com a base original, o Honda WR-V recebeu a sua primeira atualização mais profunda e que trouxe alterações significativas. Boa notícia é a nova lista de itens de segurança, onde finalmente entraram os controles eletrônicos de estabilidade e tração, mais o assistente de partida em rampa e luzes de frenagem de emergência, itens de série em todas as versões.

Depois, pela inclusão de airbags laterais na versão EX, e de laterais do tipo cortina para a versão topo, a EXL, que passa a contar com seis airbags. Já no visual, as linhas pouco harmoniosas da traseira continuam, mas agora com o novo para-choque que cresceu no comprimento para melhorar a proteção, e as lanternas de LED nas versões EX e EXL.

Na frente a mudança foi um pouco mais marcante e reforçou a robustez com uma nova grade - com desenho horizontal e área cromada mais estreita - e que deixou o logotipo da marca mais destacado. Mudaram também os faróis nas versões superiores, com desenho renovado e iluminação de LED. Dentro, mais requinte com friso no volante, acabamento black piano no painel, novos tecidos para os bancos e multimídia com tela de 7 polegadas, comandos por toque e conexão com Apple Carplay e Android Auto.

Atualizações que reanimaram sim o WR-V, inclusive pelo reforço de uma nova e bem-vinda versão de entrada, a LX. Mas nada que tenha tornado esse crossover muito mais atraente frente aos concorrentes diretos que, não dá pra esquecer, oferecem mais conteúdo tecnológico e cobrando praticamente o mesmo. No entanto, a tradição da Honda segue fazendo do WR-V mais um caso de sucesso no Brasil, tanto que hoje ele representa 22% das vendas da linha de SUVs da marca. Mas poderia ser melhor.

Preços Honda WR-V
LX:R$ 85.100
EX: R$ 92.100
EXL: R$ 96.600